Iniciativa privada

Banheiros em projeção

  • Luana Andrade Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Brasil
  • Luciana Borre Universidade Federal de Pernambuco (UFPB), Brasil
Palavras-chave: Arte contemporânea, Pós-produção, Vigilância

Resumo

Iniciativa Privada foi uma ação artística proposta no corredor de acesso aos banheiros do Centro de Artes e Comunicação/UFPE, em junho de 2018, durante a exposição coletiva “Tramações”. A ação consistia em tornar públicas as imagens produzidas dentro dos banheiros por meio de transparências e de uma instalação de retroprojetores. A retroprojeção aconteceu sob a administração do público. Lanço um olhar sobre os discursos produzidos em um espaço juridicamente “protegido” das câmeras de vigilância e questiono: quais as tensões geradas na publicização de imagens fabricadas no interior de um espaço de privacidade? De que maneira revelam formas de vida desviantes?

Biografia do Autor

Luana Andrade, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Brasil

Mestranda no Programa Associado de Pós-Graudação em Artes Visuais UFPE/UFPB.

Luciana Borre, Universidade Federal de Pernambuco (UFPB), Brasil

Professora nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? In: AGAMBEN, Giorgio (org.). O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinicius Nicastro Honesco.Chapecó: Argos, 2009. p. 25-51.

BOURRIAUD, Nicolas. Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

COUTINHO, Marcelo. 28 Notas da Invasão: Arte como Aletheia e Política como Dóxa. Outros Críticos, Recife, v. 12, ano 3, p. 37, nov. 2016.

CRARY, Jonathan. 24/7 – Capitalismo tardio e os fins do sono. Tradução de Joaquim Toledo Junior. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

DELEUZE, Gilles. Post-Scriptum sobre as Sociedades de Controle. In: DELEUZE, Gilles (org.). Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992, p. 219-226.

FONTCUBERTA, Joan. La furia de las imágenes: notas sobre la postfotografia. Barcelona: Galaxia Gutermberg, 2016.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel. Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999.

HERNÁNDEZ, Fernando. Catadores da cultura visual: proposta para uma nova narrativa educacional. Tradução de Ana Duarte. Porto Alegre: Mediação, 2007. (Educação e arte, v. 7)

MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. Educação da cultura visual: conceitos e contextos. Santa Maria: Editora da UFSM, 2011.

OLIVEIRA, Thiago. Engenharia erótica, arquitetura dos prazeres: cartografias da pegação em João Pessoa, Paraíba. 2016. 179 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal da Paraíba. Rio Tinto, 2016.

RENNÓ, Rosângela. Imagem de Sobrevivência. Site de artista, Arquivo. 2015. Disponível em: http://www.rosangelarenno.com.br/obras/exibir/62/1. Acesso em: 11 março. 2020.

TIQQUN. Como Fazer? Tradução de Fabio Tremonte, Fernando Scheibe e Kamilla Nunes. Florianópolis e São Paulo, 2016. Disponível em: https://issuu.com/fabiotremonte/docs/diagrama____o-tiqqun. Acesso em: 9 mai. 2020.

TOURINHO, Irene; MARTINS, Raimundo. Entre percalços e desejos: sobre a insurgência e possibilidades das pedagogias culturais. Revista Textura, v. 17, n. 34, p. 32-47, 2015.

VÁLERY, Paul. Variedades. São Paulo, Iluminuras, 1991.

Publicado
2020-05-27
Como Citar
ANDRADE, L.; NUNES, L. Iniciativa privada. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, v. 10, n. 19, p. 184-200, 27 maio 2020.
Seção
Artigos - Seção aberta