Perversão, rebeldia e práticas feministas nas expressões artísticas de Fernanda Magalhães

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.38504

Palavras-chave:

Fernanda Magalhães, Corpo, Poder, Arte, Perversão

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar produções artísticas de Fernanda Magalhães segundo a ótica das perversões. Fotógrafa, performance e professora universitária, Fernanda Magalhães subverte representações do corpo feminino e oferece outras perspectivas de sentido ao corpo gordo feminino em seus trabalhos. Nesse caso, a perversão não será tratada segundo uma intenção nociva ao espaço público, muito pelo contrário, será entendida como manifestações de criatividade e ousadia para o enfretamento de códigos de poder marmorizados.

Referências

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

BUTLER, J. Cuerpos aliados y lucha política: hacia una teoría performativa de la asambela. 1ªed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, 2017.

BUTLER, J. Vidas precárias: os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 5. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2007.

DUFOR, D. R. A cidade perversa: liberalismo e pornografia. Rio de Janeiro: Civilizações Brasileiras, 2013.

FERRAZ, F. C. Perversão. São Paulo: Casa do psicólogo, 2000.

FOUCAULT, M. A história da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREUD, S. Obras incompletas, v. 5: Neurose, psicose, perversão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

GARCIA, W. Corpo, mídia e representação: estudos contemporâneos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

HARDT, M; NEGRI, A. “Biopolítica del corpo”. CROCI, P.; VITALE, A. Los cuerpos dóciles: hacia un tratado sobre la moda. Buenos Aires: la marca editora, 2011, p. 201-205.

Lacan, J. O seminário: livro 2 - o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LANTERI-LAURA, G. Leitura das perversões: história das suas apropriações médicas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

LOURO, G. L. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Rev. Estud.Fem., Florianópolis, v.9, n.2, pp.541-553, 2001.

MAGALHÃES, F. Corpo re-construção ação ritual performance. Curitiba: Travessa dos Editores, 2010.

MANNONI, O. Chaves para o imaginário. Petrópolis: Vozes. 1973.

MISKOLCI, R. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora: UFOP – Universidade Federal de Ouro Preto, 2012.

ROUDINESCO, E. A parte obscura de nós mesmos: uma história dos perversos. Rio de Janeiro, Zahar, 2008.

SAFATLE, V. Fetichismo: colonizar o outro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

SIBILIA, P. “O bisturi de software: como fazer um ‘corpo belo’ virtualizando a carne impura?” In: ARAUJO, D. C. (Ed.). Imagem (Ir) realidade. Porto Alegre: Sulina, 2006, pp. 271-289.

SILVA, T. T. da Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SZPACENKOPF, M. I. O. O olhar do poder: a montagem branca e a violência no espetáculo telejornal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SZPACENKOPF, M. I. O. Um espaço para a instituição e para a transgressão. In: PLASTINO, C. A. Transgressões. Rio de Janeiro: Contracapa, 2002, pp.34-42.

TRAVARDOVKAS, L. S.; RAGO, M. Fernanda Magalhães: arte, corpo e obesidade arte, corpo e obesidade. Caderno Espaço feminino, v. 17, n.1, Uberlândia, pp. 55-78, 2007.

Publicado

2022-12-19

Como Citar

AMARAL, M. E. P. do . Perversão, rebeldia e práticas feministas nas expressões artísticas de Fernanda Magalhães. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 61–83, 2022. DOI: 10.35699/2237-5864.2022.38504. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/38504. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos