Atravessamentos do tempo na prática de pesquisa

entre a objetividade dos prazos e a subjetividade do conhecimento

Autores

  • Luis Mauro Sá Martino Faculdade Cásper Líbero
  • Ângela Cristina Salgueiro Marques UFMG

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-2046.2024.48799

Palavras-chave:

Tempo, pesquisa, produção acadêmica, desaceleração

Resumo

Quais temporalidades atravessam a prática de pesquisa acadêmica? Além da definição formal dos cronogramas, quais são os tempos de uma investigação? Este texto delineia aspectos da relação do tempo com as práticas de pesquisa, nas intersecções entre a objetividade dos prazos e a temporalidade desacelerada dos sujeitos pesquisadores. A partir de pesquisa bibliográfica, ancorada na reflexividade das atividades de orientação de pesquisa, sugere-se a existência de três temporalidades na investigação acadêmica: (1) o contexto de uso social do tempo dentro de uma lógica neoliberal objetivados nos (2) prazos definidos por universidades e agências nos quais se desenvolvem (3) os vários procedimentos envolvidos em uma pesquisa. Esses aspectos são discutidos a partir do lugar dos sujeitos na elaboração do conhecimento.

Biografia do Autor

Luis Mauro Sá Martino, Faculdade Cásper Líbero

Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP, professor da Faculdade Cásper Líbero, professor visitante junto ao PPGCOM da UFMG.

Ângela Cristina Salgueiro Marques, UFMG

Professora Associada do Departamento de Comunicação Social e do PPGCOM da UFMG.

Referências

ADAM, Barbara. The timescales challenge: engagement with the invisible temporal. In: EDWARDS, Rosalind (Org). Research lives through time. Timescape Working Papers Series no. 1, 2008, pp. 7-12.

ADORNO, T. W. Tempo Livre. In: ___ Palavras e sinais. Petrópolis: Vozes, 2000.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. A “revisão da bibliografia” em teses e dissertações. In: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. A bússola do escrever. 3a. Edição. São Paulo: Cortez, 2012.

BARATA, Rita C. B. Avaliação da produção acadêmica. Avaliação, Vol. 27, no. 3, dez. 2022, pp. 429-445.

BASSO, Cláudia et alli. Organização de tempo e métodos de estudos. Revista Brasileira de Orientação Profissional, Vol. 14, no. 2, jul-dez. 2013, pp. 277-288.

BERGMANN, Werner. The Problem of Time in Sociology: An Overview of the Literature on the State of Theory and Research on `Sociology of Time'. Time & Society, Vol. 8, no. 1, 1992, pp. 81-95.

BOURDIEU, Pierre. O desencantamento do mundo. São Paulo: Perspectiva, 2021.

CARELLI, Maria José Guimarães; SANTOS, Acácia Aparecida Angeli dos. Condições temporais e pessoais de estudo em universitários. Psicologia Escolar Educacional,, v. 2, n. 3, 1998, pp. 265-278.

COHEN, Elizabeth F. The political value of time. Cambridge: CUP, 2018.

COSTA, Ericka L. F. S. Mulher, maternidade e vida acadêmica. Vilhena-RO: UFRO, 2023 (Trabalho de Conclusão de Curso em Administração).

CRARY, Jonathan. O capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Ubu, 2021.

DERRIDA, Jacques. Demorar, Maurice Blanchot. Florianópolis : Editora UFSC, 2015.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2011.

FRANÇA, Vera R. V.; PRADO, José L. A. Comunicação como campo de cruzamentos, entre as estatísticas e o universal vazio. Questões transversais, Vol. 1, no. 2, Jul.-Dez. 2013, pp. 76-82.

FREITAS, M. E. Viva a tese: um guia de sobrevivência. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1999.

HENRIQUE, C. C.; SIMÕES, D. M. P. A redação de trabalhos acadêmicos. 3a. Edição. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2004.

HESS, R. Produzir sua obra: o momento da tese. Brasília: Liber Livro, 2005.

HOLFORD-STREVENS, Leofranc. The history of time. Oxford: OUP, 2005.

HOLLIDAY, A. Doing and Writing Qualitative Research. Londres: Sage, 2016.

KUHLMANN Jr., M. Produtivismo acadêmico, publicação em periódicos e qualidade das pesquisas. Cadernos de Pesquisa v.45 n.158 out./dez. 2015, p.838-855.

LEITE, Umbelina R.; TAMAYO, Álvaro; GÜNTHER, Hartmut. Organização do tempo e valores de universitários. Avaliação Psicológica, No. 1, Vol. 1, 2003, pp. 57-66.

MARQUES, Bruna G. Promoção do gerenciamento do tempo em universitários. Seropédica-RJ: UFRRJ, 2019 (Mestrado em Psicologia).

MARTINO, L. M. S. Da teoria à metodologia: um ensaio sobre a construção de projetos em Comunicação. Revista Comunicação Midiática, Vol. 11, no. 2, Ago-Dez. 2016.

MARTINO, Luiz C. Apontamentos epistemológicos sobre a fundação e a fundamentação do campo comunicacional. In: Capparelli, S. et alli. A Comunicação Revisitada. Porto Alegre, Sulina, 2005, pp. 31-45.

MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MEDEIROS, J. B.; TOMASI, C. Redação de Artigos Científicos. São Paulo: Atlas, 2016.

MEIRA, A. C. S. A escrita científica no divã. Porto Alegre: Sulina, 2016.

MOURA, Aline C.; CRUZ, Andreia G. Ensino superior e produtividade acadêmica em tempos de pandemia. Artes de Educar, Vol. 6, no. Especial, jun-out. 2020, pp. 222-244

NYGAARD, L. Writing for Scholars. 2ª Edição. Londres: Sage, 2015.

OLIVEIRA, Thaiane et alli. Editorial: E se os editores de revistas científicas parassem? Contracampo, Vol. 39, no. 2, 2020a, pp. 2-14.

OLIVEIRA, Thaiane. Acabou o quadriênio, e agora? E-Compós, Vol. 23, set-dez, 2020b, pp. 1-17.

PESCUMA, D. e CASTILHO, A. P. F. Trabalho acadêmico: o que é? Como fazer? São Paulo: Olho d’Água, 2002.

PINTO, Maria G. L. C. Os meandros da escrita académica. Alguns recados aos estudantes universitários. Linha D’Água, Vol. 31, no. 1, jan-abr. 2018, pp. 9-27.

RESHEF, N. Writing research reports. In: FRANKFORT-NACHMIAS, C.; NACHMIAS, D. Research methods in the social sciences. Nova York: St. Martin’s Press, 1996, pp. 553-563.

ROSA, Helmut. Aceleração. São Paulo: Unesp, 2018.

ROSS, Alison. Acting Through Inaction: The Distinction Between Leisure and Reverie in Jacques Rancière’s Conception of Emancipation, Journal of French and Francophone Philosophy, Vol XXVII, No 2, 2019, p.76-94.

SANTOS, Elaine M. A aceleração do tempo e o declínio da experiência na contemporaneidade. Impulso, Vol. 28, no. 71, jan-abr. 2018, pp. 95-104.

SILVA, Elizabeth M. Os mistérios que envolvem a escrita acadêmica. In: AGUSTINI, C., and ERNESTO, B. (ORgs) Incursões na escrita acadêmico-universitária. Uberlândia: EDUFU, 2017, pp. 141-152.

SILVA, Larice S.; SILVA, Sílvia M. C. A aprendizagem do ofício de estudante universitário. Psicologia em Revista, Vol. 25, no. 3, dezembro 2019, pp. 960-978.

SILVA, Maria G. R. Labirintos de espaços e tempos no cotidiano universitário. Porto Alegre: PUC-RS, 2008 (Doutorado em Educação).

SILVA, Obdália S. F. Escrita acadêmico-científica. Salvador: UFBA, 2012 (Doutorado em Educação).

SILVEIRA, Letícia. Escrita na universidade. São Carlos/SP: Ufscar, 2021 (Mestrado em Linguística).

SOARES, Adriana B. Et alli. Gestão do tempo: percepções de gerenciamento com estudantes de pós-graduação. Revista Brasileira de Orientação Profissional, Vol. 23, no. 2, jul-dez. 2022, pp. 151-161.

URPIA, Ana M. O.; SAMPAIO, Sonia M. R. Tornar-se mãe no contexto acadêmico. Revista do Centro de Artes, Humaniadades e Letras, Vol. 3, no. 2, 2009, pp. 30-44.

WAJCMAN, Judy. Life in the fast lane? Towards a sociology of technology and time. The British Journal of Sociology, Vol. 59, no. 1, 2008, pp. 59-76.

WAKELING, Simon. Academic communities. Journal of Documentation, vol. 75, no. 1, 2019, pp. 120-139.

ZANDONÁ, Claudiane; Cabral, Fernanda B.; SULZBACH, Cintia C. Produtivismo acadêmico, prazer e sofrimento. Perspectiva, Vol. 38, no 144, dezembro 2014, pp. 121-130.

Downloads

Publicado

2024-04-01 — Atualizado em 2024-05-13

Versões

Como Citar

MARTINO, L. M. S.; MARQUES, Ângela C. S. Atravessamentos do tempo na prática de pesquisa: entre a objetividade dos prazos e a subjetividade do conhecimento. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 30, p. 59–85, 2024. DOI: 10.35699/2238-2046.2024.48799. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/48799. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê