Trajetórias, mobilidade social e comércio no Atlântico no século XVIII: o padre angolano Lourenço da Costa de Almeida e seus familiares.

  • Júlia Porphirio Orioli Universidade de Brasília- UnB
Palavras-chave: Escravidão, Igreja Católica, História do Atlântico

Resumo

Resumo: O presente artigo busca mapear a participação do Padre angolano Lourenço da Costa de Almeida e de sua família no comércio de escravos no Atlântico no século XVIII e a rede formada em suas margens.Com familiares morando na Bahia e em Luanda o padre insere-se na lógica mercantil escravocrata como um braço da empresa familiar em África. Seus parentes fizeram fortuna como militares em terras angolanas e participantes do comércio de africanos escravizados. Parte dos parentes migraram para a Bahia, onde adquiriram terras, títulos, como habilitações da Ordem de Santiago, Ordem de Cristo, provedor da Alfândega, e cargos na Fazenda Real. Através dos vestígios da trajetória deste padre e seus familiares somos capazes de compreender a complexidade do tráfico de escravos no Atlântico e as fortunas formadas através do comércio de escravos que criam uma elite luso-africana com influência em Angola e na Bahia.

Abstract: The article research the participation of the Angolan priest Lourenço da Costa de Almeida and his family in the Atlantic slave trade, in the 18th century, and the connections between his family and the many location of the ocean. His parents lived in Bahia and Luanda and formed a slavery enterprise, the priest were in the slavery mercantile logic been part of this enterprise in Africa. His parents made fortune in the military service in Angola and in the slave trade. A section of his parents moved to Bahia were they acquired lands and titles. Through of the trace elements of the priest Lourenço and his family we are able to know the complexity of the slave trade in the Atlantic and the fortunes made by this trade that made a luso-African elite with influence in Angola and Bahia.

 


Biografia do Autor

Júlia Porphirio Orioli, Universidade de Brasília- UnB
Formada em História pela Universidade de Brasília (UnB), mestrado em História da África, título: "Identidade e mobilidade na comunidade de comerciantes de escravos em Angola no final do século XVIII", orientação Selma A. Pantoja, com especialização em História da África na York University, em Toronto, com orientação José C. Curto.

Referências

Documentos Manuscritos
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO (ANTT).Testamento Padre Lourenço da Costa de Almeida. Feitos Findos, Juízo da Índia e Mina, Justificações Ultramarinas, África, mç. 30, n. 7, cx. 53.
_____________ Registro Geral de Marcês, Mercês de D. João V, liv. 32, f. 399v.
_____________ Carta Patente. Tenente-Geral da Artilharia do Reino de Angola, José Correia Leitão. Registro Geral de Mercês, Mercês de D. João V, liv. 10, f. 437.
____________ Testamento Rodrigo da Costa de Almeida. Tribunal do Santo Ofício, Conselho Geral Habilitações, Rodrigo, mç. 4, doc. 62.
ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO (AHU). Solicitação de D. Ana Dionizia Duque de Almeida, filha de Manuel Antunes de Almeida, para que o cargo de Escrivão da Fazenda Real de Angola permaneça em sua família. Angola, cx. 37, doc. 53.

Referências Bibliográficas
BOXER, C. R. A igreja militante e a expansão ibérica: 1440-1770. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
CALMON, Pedro. Introdução e notas ao catálogo genealógico das principais famílias de Frei Antonio da Santa Maria Jaboatão. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 1985. v. 1.
CÂNDIDO, Mariana Pinho. Enslaving frontiers: slavery, trade and identities in Benguela 1780-1850. Tese (Doutoramento)–York University, Programa de Pós-Graduação em História, Toronto, jul. 2006.
CORRÊA, Elias Alexandre da Silva. História de Angola. Lisboa, 1937a. v. 1. (Série E-Império Africano-Coleção dos Clásicos da Expansão Portuguesa).
FERREIRA, Roquinaldo. Cross-cultural exchange in the atlantic world: Angola and Brazil during the Era of the Slave Trade. Cambridge: Cambridge University Press, 2012.
LAMEGO, Alberto. A Academia Brazilica dos Renascidos: sua fundação e trabalhos inéditos. Paris: L’edition d’art gaudio, 1923.
MARCUSSI, Alexandre Almeida. A formação do clero africano nativo no Império Português nos séculos XVI e XVII. Temporalidades: Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, v. 4, n. 2, p. 38-62, ago./dez. 2012.
MILLER, Joseph C. Way of death: merchant capitalism and the angolan slave trade 1730-1830. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1988.
MORAES, Carlos Eduardo Mendes de; NASCIMENTO, Jarbas Vargas; SILVA, Marcela Verônica. Formalidade, representação e linguagem nas academias brasílicas. Revista Philologus, Rio de Janeiro, CiFEFiL, ano 16, n. 48, p. 51- 62, set./dez. 2010.
OLIVAL, Fernanda. As ordens militares e o Estado Moderno: honra, mercê e venalidade em Portugal (1614-1789). Lisboa: Estar, 2001.
PANTOJA, Selma, Laços de afeto e comércio de escravos: Angola no século XVIII. Caderno de Pesquisa do CDHIS: Revista do Centro de Documentação em Pesquisa de História, Universidade Federal de Uberlândia, v. 23, n. 2, p. 375-389, jul./dez. 2010b.
_______________, João Teixeira de Carvalho, ou comment être un anti-héros en Angola? Dix-Hiutème Siècle, Paris, La Découverte, n. 44, L’Afrique, p. 61-77, 2012.
________________, Donas de “arimos”: um negócio feminino no abastecimento de gêneros alimentícios em Luanda (séc. XVIII e XIX). In: PANTOJA, Selma (Org.). Entre Áfricas e Brasis. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Marco Zero, 2001. p. 35-49.
PEDREIRA, Jorge Miguel. Os negociantes de Lisboa na segunda metade do século XVIII: padrões de recrutamento e percursos sociais. Análise Social, Lisboa, v. XXVII, n. 116-117, p. 407-440, 1992.
PESSOTI, Bruno Casseb. Elites letradas luso-brasileiras e o discurso histórico na Bahia setecentista. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA COLONIAL, II. Anais… Mnem- Revista de Humanidades, UFRN, v. 9, n. 24, set./out. 2008.
SILVA, Kalina Vanderlei. O barroco mestiço: sistema de valores da sociedade açucareira da América portuguesa nos séculos XVII e XVIII. MNEME, Caicó, UFRN, v. 7, n. 16, jun./jul. 2005.
SILVA 2, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2005.
SOEIRO, Susan. The social and economic role of the convent: women and nuns in colonial Bahia. The Hispanic American Historical Review, v. 54, n. 2, p. 209-232, May 1974.
VASCONCELOS, Pedro de Almeida. A “Idade de Ouro” de Salvador. Revista Território, v. 1, n. 2, p. 62-76, 1997.
Publicado
2019-02-12