O Pico do Itacolomi na construção histórica da paisagem e da identidade de Minas Gerais

  • Rute Guimarães Torres Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Pico do Itacolomi, Paisagem, Identidade

Resumo

Esse artigo discute a inserção do Pico do Itacolomi, formação rochosa com 1.772m de altitude localizado entre Ouro Preto e Mariana, na ideia de paisagem e de identidade para Minas Gerais no período republicano. Se algo é significativo para uma determinada cultura, é porque existe um sistema de referência e um sujeito que valora, bem como um campo de negociações, estratégias e disputas em torno das representações da natureza, que são definidas em determinados contextos no seio de demandas específicas. (RONCAGLIO, 2007). Assim, o estudo está direcionado para as práticas, as intencionalidades e os discursos que transformaram o Pico do Itacolomi numa parte significativa para a história regional, a interpretação do território e a conformação de um perfil cultural para os habitantes de Minas Gerais. Apresenta-se como o Itacolomi recebeu um lugar de destaque na colocação de uma supremacia do estado na economia e política nacional, nas narrativas sobre personagens e eventos da história e na valoração das montanhas como caracteristica da paisagem do estado.  O texto assinala que foi na construção histórica da paisagem e da identidade mineira que aquela formação geomofológica foi consagrada como um monumento natural importante para Minas Gerais.

Referências

ANDRADE, M. G. Estudo Crítico. In: TORRES, J. C. O. O homem e a montanha. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

ARRUDA, M. A. N. Mitologia da mineiridade: o imaginário mineiro na vida política e cultural do Brasil. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1990.

AZEVEDO, Ú. R. Patrimônio Geológico e geoconservação no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais: potencial para a criação de um geoparque da UNESCO. 2007. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

BAHIA, C. L. M. Metamorfoses da metrópole. Revista do Arquivo Público Mineiro, Ano XLIII, n.2, p. 61-73, jul.-dez. 2007.

BARBOSA, E. M. et. al. História ambiental e direito ambiental: diálogos possíveis. Campina Grande: Ed. UFCG, 2009.

BOMERY, H. O Brasil de João Pinheiro: o projeto educacional. In: GOMES, A. C. (org.). Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

BORGES, M. E. L. História & fotografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. São Paulo: Bertrand, 1999.

CALLARI, C. R. Os Institutos Históricos: do patronato de D. Pedro II à construção do Tiradentes. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 40, p. 59-83, 2001.

CARVALHO, A. V. As normativas referentes ao meio ambiente e os campos de ação da arqueologia. In: FUNARI, P. P.; PELEGRINI, S. C. A.; RAMBELLI, G. (orgs.). Patrimônio Cultural e Ambiental: questões legais e conceituais. São Paulo: Annablume; FAPESP, Campinas: Nepam, 2009.

CARVALHO, A. I. de. Um conjunto de montanhas e de práticas culturais como escala de pesquisa em história ambiental. Revista de História Regional, v. 20, n. 2, p. 375-397, 2015.

CARVALHO, J. M. Ouro, terra e ferro: vozes de Minas. In: GOMES, A. C. (org.). Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura – a sociedade em rede. 7 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CASTRO, P. M. G. Minas do Sul: visão corográfica e política regional no século XIX. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2012.

CERTEAU, M de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. 10ª ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHACON, V. A genealogia do nacional-desenvolvimentismo brasileiro. In: GOMES, A. C. (org.). Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados. São Paulo, USP, v. 5, n. 11, p.173-191, 1991.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

CORREA, D. S. Descrições da paisagem - construindo vazios humanos e territórios indígenas na capitania de São Paulo ao final do século XVIII. Vária História, v. 24, n. 39, Belo Horizonte, jan/jun. 2008.

______. História ambiental e a paisagem. Historia Ambiental Latinoamericana y Caribeña, v. 2, n. 1, p. 47-69, 2012.

DANTAS, M. A. M. (org). Espaços da ciencia no Brasil – 1800-1930. Rio de janeiro: Fiocruz, 2001.

DUARTE, R. H. História & natureza. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

DULCI, O. S. As elites mineiras e a conciliação: a mineiridade como ideologia. Ciências Sociais hoje. Anuário de Antropologia, Política e Sociologia, São Paulo, ANPOCS, p.7-32, 1984.

______. Política e recuperação econômica em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

ENDERS, A. O Plutarco brasileiro. A produção dos vultos nacionais no Segundo Reinado. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 25, p. 41-62, jul. 2000.

ESPINDOLA, H. S. Transitividade entre história-espaço e história-natureza... In: XXIV Simpósio Nacional de História, 2007, São Leopoldo. Anais... São Leopoldo: UNISINOS, 2007, p. 1-8.

FARIA, C. A. P. A memória cinzelada: em busca de uma consciência político-social. In: DUTRA, E. F. (Org.). BH - Horizontes históricos. Belo Horizonte: C Arte, 1996.

FERNANDES, L. D. Praça da Liberdade, Belo Horizonte. In: As praças cívicas das novas capitais brasileiras. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

FONSECA, J. F. M. Tradição e modernidade: a resistência de Ouro Preto à mudança da capital. 1998. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.

FONSECA, T. N. L. Representações de um passado de ouro: mitos, memórias e imaginário da inconfidência. In: RESENDE, M. E. L.; VILLALTA, L. C. As Minas setecentistas; v. 2. Belo Horizonte: Companhia do Tempo; Autêntica, 2007.

GOMES, A. C. História, ciência e historiadores na Primeira República. In: HEIZER, A.; VIDEIRA, A. A. P. (Orgs.). Ciência, civilização e republica nos trópicos. Rio de Janeiro: MAUAD X; Faperj, 2010.

______. Memória, política e tradição familiar: os Pinheiro das Minas Gerais. In: Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

GONÇALVES, J. R. Autenticidade, Memória e Ideologias Nacionais: o problema dos patrimônios culturais. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 264-275, 1988.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

JARDIM, A. C. M. O mito de Marília de Dirceu – 1792 a 1889: aspectos da construção e da apropriação de heróis românticos e o processo de formação da Nação Brasileira. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2014.

JULIÃO, L. BH – Itinerário da Cidade Moderna (1891-1920). In: DUTRA, E. F. (Org.). BH - Horizontes históricos. Belo Horizonte: C Arte, 1996.

KLINTOWITZ, J. A paisagem mineira. Belo Horizonte: Artes Gráficas, 2000.

KOZEL, S.; COSTA, J. da; GIL FILHO, S. F. (org.). Da percepção e cognição à representação: reconstruções teóricas da geografia cultural e humanista. Curitiba: NEER, 2007.

KURY, L. Ciência e nação: Romantismo e história natural na obra de E. J. da Silva Maia. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, v. 2, p. 267-291, jul.-out. 1998.

LEMOS, C. B. Uma centralidade belo-horizontina. Revista do Arquivo Público Mineiro, Ano XLIII, n. 2, p. 92-111, jul-dez. 2007.

LIMA, K. T. de. Reconstrução identitária de Ouro Preto após a mudança da capital.. In: II ENCONTRO MEMORIAL: nossas letras na História da Educação, 2009, Mariana. Anais..., 2009.

MACIEL, R. C.; DORNAS, A.; ENGLER, R. C. Paisagem, simbolo e cidade. In: 4o. Colóquio Ibero-Americano: Paisagem cultural, patrimônio e projeto. Desafios e Perspectivas, 2016, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: MACPS / IPHAN / IEDS / ICOMOS-BRASIL, 2016.

MARQUES, T. P.; MAGALHÃES, C. M. Técnica, Arte e Cultura nos jardins de meados de oitocentos até ao limiar do Século XX, em Portugal e no Brasil. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO LUSO-BRASILEIRA, UFES, Vitória, Anais..., 2013.

MARTINS FILHO, A. V. O segredo de Minas: a origem do estilo mineiro de fazer política (1889-1930). Belo Horizonte: Crisálida/ICAM, 2009.

MATOS, R. J. C. Corografia histórica da Provincia de Minas Gerais. Edital sobre terrenos foreiros. Códice 0965. Livro de Registros e Portarias 1892-1893. Belo Horizonte: Ed. Arquivo Público de Minas Gerais, 1979.

MATTOS, A. Monumentos históricos, artísticos e religiosos de Minas Gerais. Belo Horizonte: Banco Safra, 1995.

MELLO, C. F. B. A noiva do trabalho – Uma capital para a República. In: DUTRA, E. F. (Org.). BH - Horizontes históricos. Belo Horizonte: C Arte, 1996.

MENICONI, R. O. M. A construção de uma cidade-monumento: o caso de Ouro Preto. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1999.

MOTTA. M. S. A nação faz 100 anos: a questão nacional no centenário da independência. Rio de Janeiro: Editora FGV: CPDOC, 1992.

NATAL, C. M. Ouro Preto e as primeiras representações da cidade histórica. Urbana: Rev. Eletrônica Cent. Interdiscip. Estud. Cid., Campinas, v. 1, n. 1, p. 1-25, 2006.

______. Ouro Preto: a construção de uma cidade histórica, 1891-1933. Dissertação (Mestrado em História) – Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

NORA, P. Entre memória e História: a problemática dos lugares. Trad. Yara A un Khoury. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993.

PENA, J. C. Israel Pinheiro e o desenvolvimento de Minas Gerais. In: GOMES, A. C. Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

PESAVENTO, S. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol.8, n.16, p. 279-290, 1995.

PIRES, J. R. F. Notas de um diário de viagem a Minas Gerais: política e ciência na escrita viajante do imperador D. Pedro II (1881). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, 2007.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RAMALHO, W. S. C. A historiografia da mineiridade: trajetórias e significados na história republicana do Brasil. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo horizonte, 2015.

RONCAGLIO, C. O Emblema do patrimônio natural no Brasil: a natureza como artefato cultural. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

SANTOS, E. M. B. O parque e a estrada: uma análise acerca de conservação e desenvolvimento na trajetória do Parque Estadual do Rio Doce, 1934-2000. Tese (Doutorando em História) - Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

SCHAMA, S. Paisagem e Memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SERRANO, Célia M. T. A invenção do Itatiaia. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UNICAMP, 1993.

SILVA, O. P. A mineração em Minas Gerais: passado, presente e futuro. Revista Geonomos, n. 3, v. 1, p. 77-86,, 1995.

SILVA, R. M. da. A Caducidade das Disposições Transitórias: o polêmico debate a respeito da transferência da capital mineira (1890-1893). Revista Almanack, n. 5, maio, p.72-97, 2013.

SILVA, V. A. C. A política regionalista e o atraso da industrialização em Minas Gerais (1889-1920). Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1977.

SOARES, L. E. República: Evocação da origem, reconstrução do princípio. Estudos Históricos, v. 2, n. 4, p. 225-231,1989.

SOUZA JR., P. G. Visões da cidade: memória, poder e preservação em Mariana-MG. Revista Vivência, Natal, UFPN, n. 28, p.179-198, 2005.

SOUZA, L. M. Estudo Crítico. In: Discurso histórico e político sobre a sublevação que nas Minas houve no ano de 1720. Belo Horizonte: FJP, CEHC, 1994.

STARLING, H. M. M. Os senhores das Gerais: os novos inconfidentes e o Golpe de 1964. Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 1986.

THOMAS, K. O homem e o mundo natural. Mudanças de atitudes em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiencia. São Paulo: DIFEL, 1983.

______. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente, 1980.

VELLOSO, M. P. O Modernismo e a questão nacional. In: FERREIRA, J; DELGADO, L.A.N. O Brasil Republicano: o tempo do liberalismo excludente. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

VERGANA, M. R. A divulgaçao da ciencia e a ideia de territorio na Primeira Republica: a fase José Verissimo da Rev. Brasileira (1895-1900). In: HEIZER, Alda; VIDEIRA, Antônio Augusto Passos (Orgs.). Ciência, civilização e republica nos trópicos. Rio de Janeiro: MAUAD X; Faperj, 2010.

WILLIAMS, R. O povo das montanhas negras: o começo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.
Publicado
2019-06-25