Ulisses não é como antigamente: um debate sobre a ficcionalização nos romances gregos

Palavras-chave: Helenismo, Império Romano, gênero discursivo.

Resumo

A partir de um breve debate sobre algumas divergentes considerações históricas e literárias, o artigo pretende explorar as especificidades das narrativas ficcionais em prosa em torno do século II – modernamente denominadas de romances – no que tange o papel do leitor na reelaboração da tradição cultural. Para tanto, coteja-se algumas diferentes acepções poéticas e historiográficas do período clássico e helenístico. A conclusão é de que a invenção de um novo gênero discursivo é própria de uma nova consciência do tempo histórico.

Biografia do Autor

Igor B. Cardoso, Doutorando em História pela Universidade Federal de Minas Gerais
Mestre em História pela Universidade Federal de Minas Gerais, atualmente é doutorando pela mesma instituição com pesquisa em História Antiga e recepção da cultura clássica.

Referências

Fontes antigas
ARISTÓTELES. Poética. Tradução E. De Sousa Porto Alegre: Globo, 1966.
ARISTOTLE. Poetica. Ed. R. Kassel. Oxford: Clarendon Press, 1965.
CÁRITON DE AFRODÍSIAS. Quéreas e Calírroe. Tradução do grego, introdução e notas de Maria de Fátima de Sousa e Silva. Lisboa: Cosmos, 1996.
CHARITON. Callirhoe. Edited and translated by G. P. Goold. Cambridge; London: Havard University Press, 1995.
_________. Chairéas et Callirhoé. Texte établi et traduit par Georges Molinié. Paris: Les Belles Lettres, 1989.
_________. De Chaerea et Callirhoe. Ed. W. E. Blake. Oxford: Clarendon Press, 1938.
HERÓDOTO. História. Tradução Brito Broca. Rio de Janeiro: Ediouro, 1994.
HERODOTUS. The histories. With an English translation by A. D. Godley. Cambridge: Harvard University Press. 1920.
HOMERO. Odisseia. Tradução Carlos Alberto Nunes. 5 ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.
HOMERUS. Odyssea. Ed. P. von der Muhll. Basel: Lichtenhahn, 1962.
JULIANUS. Epistulae. In: Ouevres complètes. J. Bidez (ed.). Paris: Belles Lettres, 1960.
L’EMPEREUR JULIEN. Lettres et fragments. In: Ouevres complètes. Texte revu et traduit par J. Bidez. 3 ed. Paris: Les Belles Lettres, 1972 (Tome I, 2ª partie).
LONGO. Dáfnis e Cloé. Tradução Denise Bottmann. Campinas: Pontes, 1990.
LONGUS. Daphnis et Chloe. Ed. G. Dalmeyda. Paris: Belles Lettres, 1934.
LUCIAN. Lucian Opera. Ed. M. D. Macleod. Oxford: Clarendon Press, 1972 (v. I). 1974 (v. II); 1980 (v. III).
LUCIAN. Lucian with an english translation. Ed. by K. Kilburn (v. VI), M. D. Macleod (v. VII). Cambridge: Harvard University Press, 1959 (v. VI); 1961 (v. VII)
LUCIANO. Como se deve escrever a história. Tradução, notas apêndices e o ensaio “Luciano e a história” de Jacyntho Lins Brandão. Belo Horizonte: Tessitura, 2009.
_________. Luciano I. Tradução do grego, introdução e notas Custódio Magueijo. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.
_________. Luciano II. Tradução do grego, introdução e notas Custódio Magueijo. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.
THUCYDIDES. Historiae. Ed. by H. S. Jones and J. E. Powell. Oxford: Clarendon Press, 1942, 2 v.
TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Introdução, tradução e notas de Mário da Gama Kury. Brasília: UNB, 1982.

Bibliografia
ÁLVAREZ, Lourdes Rojas. Caritón de Afrodisias y los orígenes de la novela griega. México, D.F.: Facultad de Filosofia y Letras, UNAM, 2006.
BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza. [Sem edição, 1993].
_________. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Bernadini [et. al.]. 4 ed. São Paulo: Unesp, 1998.
BOMPAIRE, Jacques. Lucien écrivain: imitatión et création. Paris: Les Belles Lettres: Nino Aragno, 2000.
BRANDÃO, Jacyntho Lins. A invenção do romance: narrativa e mimese no romance grego. Brasília: UnB, 2005.
_________. A poética do hipocentauro: literatura, sociedade e discurso ficcional em Luciano de Samósata. Belo Horizonte: UFMG, 2001.
_________. Antiga musa: (arqueologia da ficção). Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2005.
_________. Mito, páhtos e ecfrase em Luciano (De Domo 22). Anais do II Colóquio Internacional do GIPSA: Imagem e discurso na Antiguidade Clássica, 2000, p. 1-7.
_________. Traduzir Homero do grego para o grego: (as mediações da teoria). Scripta Clássica On-line: Literatura, Filosofia e História na Antiguidade, n. 2, Belo Horizonte, 2006, p. 5-29.
BRANHAM, R. Bracht. Unruly eloquence: Lucian and the comedy of traditions. Cambridge; London: Harvard University Press, 1989.
BOWIE, Ewen. The Ancient readers of the Greek novels. In: SCHMELING, Gareth (ed.). The novel in the Ancient world. Boston; Leiden: Brill Academic Publishers, 2003.
CABRERO, María del Carmen. Elogio de la mentira: sobre las Narrativas verdaderas de Luciano de Samósata. Bahía Blanca: Universidad Nacional del Sur, 2006.
CUEVA, Edmund. The myths of fiction: studies in the canonical greek novels. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2007.
DABDAB TRABULSI, José Antonio. Dionisismo, poder e sociedade na Grécia até o fim da época clássica. Belo Horizonte: UFMG, 2004.
FUTRE PINHEIRO, Marília. The genre of the novel: a theoretical approach. In: CUEVA, Edmund (ed.). A companion to the Ancient novel. Oxford: Wiley Blackwell, 2014.
GLOCK, H-J. Dicionário Wittgenstein. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro Jorge Zahar, 1998.
GOBRY, Ivan. Vocabulário grego da filosofia. Tradução Ivone Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
GOLDHILL, Simon. Foucault’s virginity: ancient erotic fiction and the history of sexuality. New York; Cambrdige: Cambridge University Press, 2002.
HADOT, Pierre. Exercices spirituels et philosophie antique. 2 ed. Paris: Études Augustiniennes, 1987.
HALPERN, Richard. Theater and democratic thought: Arendt to Rancière. Critical Inquiry, v. 37, n. 3, 2011, p. 545-572.
JONES, C. P. Culture and society in Lucian. Cambridge: Harvard University, 1986.
LALANNE, Sophie. Une éducation grecque: le roman grec ancien. La Découverte: Paris, 2006.
LEBRUN, Gerard. O conceito de paixão. In: CARDOSO, Sérgio (org.). Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das letras, 1986.
LEME-LOPES, André. Qual a verdade em Histórias verdadeiras? In: EUGÊNIO, João Kennedy (org.). Ficção e história: encontros com Luciano. Teresina: EDUFPI, 2010.
NUSSBAUM, Martha. Fortuna e ética. In: A fragilidade da bondade: fortuna e ética na tragédia e na filosofia grega. Tradução Ana Aguiar Cotrim. São Paulo: Martins Fontes, 2009.
MORGAN, J. R. Fiction and history: historiography and novel. In: MARINCOLA, John (ed.). A companion to Greek and Roman historiography. Malden; Oxford: Blackwell Publishing, 2007.
PATTONI, Maria Pia. Longus’ Daphnis and Chloe: literary transmission and reception. In: CUEVA, Edmund (org.). A companion to the Ancient novel. Oxford: Wiley Blackwell, 2014.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. 2 ed. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: ECO expermental org.; Ed. 34, 2009.
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa – Tomo I. Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus, 1994.
STARR, Raymond. The circulation of literary texts in the Roman World. The Classical Quarterly, v. 27, n. 1, 1987, p. 213-223.
VASCONCELOS, Ana Paula Cardoso. Entre Petrônio e Longo: uma proposta de pedagogia erótica. Rio de Janeiro: UERJ, 2011.
VEYNE, Paul. Acreditavam os gregos em seus mitos?: ensaio sobre a imaginação constituinte. Tradução Horácio Gonzales e Milton Nascimento. São Paulo: Brasiliense,1984.
WHITMARSH, Tim. Narrative and identity in the Ancient Greek Novel: returning romance. Cambridige: Cambridge University Press, 2011.
WINKLER, John. The constraints of desire: the anthropology of sex and gender in Ancient Greece. New York; London: Routledge, 1981.
WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução de Marcos Montagnoli. 3 ed. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco; Petrópolis: Vozes, 2004.
WOUTERS, Alfons. Irony in Daphnis’ and Chloe’s Love lessons. Quaderni Urbinati di Cultura Classica, v. 26, n. 2, 1987, p. 111-118.
Publicado
2019-06-25