Ode à coleção Polícia da Corte

  • Carolina Cabral Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense - PPGH-UFF
Palavras-chave: Museu Nacional, coleção, cultura negra

Resumo

Este artigo se propõe a apresentar brevemente a história da coleção Polícia da Corte. Nele pretende-se demonstrar como a cultura material africana, já na última década da escravidão, tornou-se objeto de interesse do diretor do Museu Nacional, sendo seu núcleo básico os objetos apreendidos pela polícia nas chamadas “casas de dar fortuna”. Após o “desfortuno” ocorrido ao Museu Nacional, faço desse registro uma homenagem à coleção.

Biografia do Autor

Carolina Cabral, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense - PPGH-UFF
Doutoranda em História pelo PPGH-UFF, mestre em História pelo PPGH-UFF e graduada em História pela PUC-Rio

Referências

Referências Bibliográficas
BRASIL. Código Criminal (1830). Recife: Typographia Universal, 1858. Disponível em: Acesso em: 08 de outubro 2018.

AGOSTINHO, Michele de Barcelos. O Museu em Revista: a produção, a circulação, e a recepção da Revista Arquivos do Museu Nacional (1876-1887). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2014.
ARQUIVO NACIONAL. Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.
BENCHETRIT Sarah Fassa; BEZERRA, Rafael Zamorano; MAGALHÃES, Aline Montenegro (org). Museus e Comunicação: exposições como objeto de estudo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2010.
CABRAL, Carolina. “Coleção Polícia da Corte”. In: SOARES, Mariza de Carvalho; AGOSTINHO, Michele de Barcelos; LIMA, Rachel Corrêa; Conhecendo a Exposição Kumbukumbu do Museu Nacional. Rio de Janeiro: Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016.
________. Da polícia ao museu: a formação da coleção africana do Museu Nacional na última década da escravidão. Monografia de Graduação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. 66f.
________. Da polícia ao museu: a formação da coleção africana do Museu Nacional na última década da escravidão. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2017. 205 f. CARULA, Karoline. Darwinismo, raça e gênero: conferências e cursos públicos no Rio de Janeiro (1870-1889). Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. 302 f.
CÓDIGO DE POSTURAS DA ILUSTRÍSSIMA CÂMARA MUNICIPAL. Rio de Janeiro, 1838-1893.
DUARTE, Abelardo. Ladislau-Netto, 1838-1894. Maceió: Imprensa Oficial, 1950.
FERREIRA, Lúcio Menezes. Território Primitivo: a institucionalização da arqueologia no Brasil (1870-1917). Setembro de 2007. 336 f. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2007. Disponível em: Acesso em: 22 maio. 2018.
LACERDA. João Batista. Fastos do Museu Nacional do Rio de Janeiro. Imprensa Nacional, 1905.
LOPES, Maria Margaret. O Brasil descobre a Pesquisa Científica: os museus e as ciências naturais no século XIX. São Paulo: Hucitec, 2009, 2ª ed.
MUSEU NACIONAL. São Paulo: Banco Safra, 2007.
NETTO, Ladislau. Investigações históricas e scientíficas sobre o Museu Imperial e Nacional do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Philomático, 1870. Disponível em: < http://www.obrasraras.museunacional.ufrj.br/o/0055/0055.pdf>. Acesso em: 12 out. 2018.

POMIAN, Krzysztof. Coleção. In Enciclopédia Einaudi, vol.1. Memória – História. Porto: Imp. Nacional – Casa da Moeda, 1984, p. 51-86.
REVISTA ARQUIVOS DO MUSEU NACIONAL. Rio de Janeiro: Museu Nacional. 1876-1887. Disponível em . Acesso em: 17 out. 2018.
REVISTA DA EXPOSIÇÃO ANTROPOLÓGICA DE 1882. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1882. Disponível em . Acesso em: 17 out. 2018.
SCHWARCZ, Lillia Moritz. O Espetáculo das Raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
SOARES, Mariza de Carvalho; LIMA, Rachel Corrêa. A Africana do Museu Nacional: história e museologia. In: AGOSTINI, Camilla (Org.) Objetos da Escravidão: abordagens sobre a cultura material da escravidão e seu legado. Rio de Janeiro: 7 Letras, pp. 337-360, 2013.
Publicado
2019-02-12