Análise da usabilidade na comunidade Leitores BR do aplicativo Amino

Autores

  • Andrea Silva Souza Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PEPG-LAEL
  • Zuleica Camargo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/ PEPG-LAEL

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.11.2.318-340

Palavras-chave:

usabilidade, informação, redes, comunidade, aplicativo.

Resumo

RESUMO: A fase tecnológica 3.0 reflete o tsunami de dados presentes na rede e, por isso, é importante um bom planejamento na organização das informações nas interfaces. Na literatura, os trabalhos sobre análise de redes sociais investigam o discurso dos enunciados, o comportamento dos membros e a aprendizagem a distância. Nesse contexto, o conceito de usabilidade, como um instrumento de avaliação da organização da informação no ambiente da navegação, foi detectado de forma escassa. Esta proposta é um estudo de caso que aborda a usabilidade como instrumento na avaliação da informação na comunidade Leitores BR do aplicativo Amino. O delineamento metodológico foi concebido em duas fases. A primeira consistiu na aplicação do roteiro de interpretação de redes por Kadushin (2012), versando sobre as categorias de qualidade, de natureza da conexão, de intensidade, de popularidade ou de centralidade, de nomeação de posições e relações na hierarquia e de observação de papéis. A segunda fase, consistiu na aplicação das diretrizes de boas práticas do Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico (eMAG) nos dados obtidos no estágio anterior, versando sobre: o contexto e a navegação, a carga de informação, a autonomia, os erros, o desenho, a redação e a consistência e a familiaridade. Resultados revelam que há requisitos de usabilidade não contemplados na organização da interface, tais como: melhora da intuitividade e da poluição visual, aprimoramento da organização dos textos nas postagens do blog e da visualização dos comandos de busca e acesso ao perfil do usuário.

PALAVRAS-CHAVE: usabilidade; informação, redes; comunidade; aplicativo.

 

ABSTRACT: The 3.0 technological scenario reflects the tsunami of data on the Web and, in this panorama, it is important to consider how information is organized in the interface of social network. In literature review, the work on social network analysis investigates the production of discursive practices and enunciations, behavior of members and distance learning. A lack of application of usability was perceived, as a tool to evaluate the organization of information in the navigation environment. This proposal addresses usability as a tool for the evaluation of information in the Amino application BR Readers community. The methodological approach has two stages. The first one is the application of the network interpretation script by Kadushin (2012), that involves the following categories: quality, nature of connection, intensity, popularity or centrality, named positions and relationships, and observed roles. The second one is the application of the guidelines of good practices of the Electronic Government Accessibility Model (eMAG) and involves the following guidelines: context and navigation, level of information, autonomy, errors, design, writing and consistency and familiarity. Results reveal that there are some usability requirements not included in the organization of the interface, such as the lack of intuitiveness and visual pollution, the organization of texts in blog posts and obstacles to visualize search commands and access the user profile.

KEYWORDS: usability; information; network; community; app.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Silva Souza, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PEPG-LAEL

Bacharel em Design Projeto de ProdutosMestre em Tecnologias da Inteligência e Design Digital - TIDD (PUC-SP)

Zuleica Camargo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/ PEPG-LAEL

Doutorado e pós-doutorado em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem (PEPG em LAEL), mestrado em Distúrbios da Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUCSP . Graduação em Fonoaudiologia pela Universidade Federal de São Paulo,Título de Especialista em Voz pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa). Atualmente é professora assistente (categoria doutor) do Departamento de Lingüística da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes (FAFICLA) e do Programa de Estudos Pós-Graduados em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem (LAEL) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, líder do Grupo de Estudos em Pesquisa sobre a Fala (GeFALA)- CNPq: (Laboratório Integrado de Análise Acústica e Cognição-LIAAC) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pesquisadora fundadora e membro do conselho da Associação Luso-Brasileira de Ciências da Fala- LBASS (período 2007-2014). Membro do corpo editorial de periódicos científicos. Membro da Diretoria da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia no período de 2008 a 2013 (gestões 2008-2009; 2010-2011 e 2012-2013). Professora dos cursos de Animação e de Relações Públicas da Fundação Armando Álvares Penteado-FAAP. Atua no campo de Comunicação Falada e das Linguagens Sonoras, desenvolvendo pesquisas com apoio de tecnologias de fala.Entre os temas abordados estão: qualidade vocal; linguagens sonoras; paisagens sonoras; análise acústica, percepção auditiva; produção e percepção de fala; fala; metáforas e simbolismo sonoro.

Referências

AMINO. Disponível em: https://aminoapps.com/. Acesso em: mai. 2018.

ANDERSON, C. The long tail: why the future of business is selling less of more. São Paulo: Random House Business Books, 2009.

BALDIN, L. H.; HORST, E. J.; ITO, G. C. Um estudo de caso sobre a utilização das redes sociais nas organizações, Rev. Ciênc. Empres. UNIPAR, Umuaramav. 12, n. 2, p. 227- 242, 2011.

BEVAN, N; MACLEOD, M. Usability measurement in context. Teddington, Middlesex, UK: Behaviour & Information Technology, v. 13, p. 132-145, 1994. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/citedby/10.1080/01449299408914592?scroll=top&needAccess=true. Acesso em: 5 nov. 2017.

CASTELLS, M. A galáxia da internet. São Paulo: Zahar, 2003.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: era da informação, economia, sociedade e cultura. 1.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAPRA, F. As conexões ocultas: Ciência para uma Vida Sustentável. 1.ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL (CCGI). Disponível em: http://www.cgi.br/publicacoes/indice/pesquisas/. Acesso em: out. 2017.

COSTA, A. C.; MARCHIORI, P. Z. Gamificação: elementos de jogos e estratégia: uma matriz de referência. Ribeirão Preto: InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto-SP, v. 6, n. 2, p. 44-65, 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/viewFile/89912/103928. Acesso em: mai. 2018.

EXAME. Disponível em: https://exame.abril.com.br/tecnologia/instagram-atinge-marca-de-700-milhoes-de-usuarios-ativos/. Acesso em: out. 2017.

DETERDING, S. et al. Gamification: using game design elements in non-gaming contexts. In: Proceedings of CHI Workshop, Gamification: Using Game Design Elements in NonGaming Contexts, 2011,Vancouver, Canada: ACM, 2011, p. 2-5. Disponível em http://gamification-research.org/wp-content/uploads/2011/04/01-Deterding-Sicart-Nacke-OHara-Dixon.pdf. Acesso em: mai. 2018.

FACEBOOK. Disponível em: https://pt-br.facebook.com. Acesso em: mai. 2018.

MODELO DE ACESSIBILIDADE EM GOVERNO ELETRÔNICO (eMAG). Disponível: http://emag.governoeletronico.gov.br/. Acesso em: jun. 2017.

GAFNI, R. Usability issues in mobile-wireless information systems. Israel: Informing Science and Information Technology, v. 6, p. 755- 769, 2009. Disponível em: http://iisit.org/Vol6/IISITv6p755-769Gafni608.pdf. Acesso em: abr. 2018.

GOMEZ, M. V. Educação em rede. 1.ed. São Paulo: Cortez, 2004. INSTAGRAM. Disponível em: https://www.instagram.com. Acesso em: mai. 2018.

ISO STANDARDS. Disponível em: https://www.iso.org/home.html. Acesso em: jun. 2017.

HART, J., RIDLEY, C., TAHER, F., SAS, C. e DIX, A. Exploring the Facebook experience: a new approach to usability. In: Proceedings of the 5th Nordic Conference on HumanComputer Interaction, 2008, Lund, Suécia, 2008. p. 471-474. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/200553124_Exploring_the_Facebook_Experience_A_New_Approach_to_Usability. Acesso em: mai. 2018.

JORENTE, M. J. Design da Informação, linguagens convergentes e complexidade na rede social e ambiente digital do Facebook. Revista: Informação & Tecnologia (ITEC), João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 116-129, 2014. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/itec/article/view/19631. Acesso em: 16 out. 2017.

KADUSHIN, C. Understanding social networks: theories, concepts, and findings. 1.ed. USA: Oxford University Press, 2012.

KOMESU, F.; LEANDRO,D. C.; DIAS, I. A. Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender?. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

LATOUR, B. Ressembling The Social: A Introduction to Actor-Network Theory. 1.ed. New York: Oxford University Press, 2005.

LEVY, P. Inteligência Coletiva: Por uma Antropologia do Ciberespaço. 1.ed. São Paulo: Loyola, 1994.

LEVY, P. Cibercultura. 1.ed. São Paulo: 34, 1999.

MAO, et al. Mobile Social Networks: Design requirements, architecture, and state of the art technology. Elsevier: Computer Communications, UK, China, 2016, v. 100, p. 1-19. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140366416305953. Acesso em: 16 out. 2017.

MODELO DE ACESSIBILIDADE DO GOVERNO ELETRÔNICO (eMAG), 2016. Disponível em: http://emag.governoeletronico.gov.br/. Acesso em: set. 2016.

MEYER, G. C. O design-rede: repensando os interesses do design. Revista Estudos em Design, Rio de Janeiro, 2011, v. 19, n. 1, p. 1-19. Disponível em: https://www.eed.emnuvens.com.br/design/article/view/69. Acesso em: 16 out. 2017.

NAVARRO, G. Gamificação: a transformação do conceito do termo jogo no contexto da pós-modernidade. 2013. Monografia. (Centro de estudos latino-americanos sobre cultura e comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

NIELSEN, J.; BUDIU, R. Usabilidade móvel. USA: ST, 2014.

NIELSEN, J. 10 Usability heuristics for user interface design. Disponível em: https://www.nngroup.com/articles/ten-usability-heuristics/. Acesso em: 5 nov. 2017.

PREECE et al. Human-Computer Interaction. 1.ed. England: Addison Wesley, 1994.

PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de Interação. 3.ed. São Paulo: Bookman, 2009.

SANTAELLA, L.; LEMOS, R. Redes Sociais Digitais: A Cognição Conectiva do Twitter. 1.ed. São Paulo: Paulus, 2011.

SANTOS, B. C. A importância do design para tornar as redes sociais mais interativas. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 150-165, 2013 Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/4093. Acesso em: set. 2017.

SANTOS, G. N.; RIBEIRO, M. D. A. Multiculturalismo na rede: os blogs e as redes sociais como mecanismos de comunicação intercultural. Revista Intercâmbio, São Paulo, 2014, v. 29, p. 1-18. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/view/20957. Acesso em: set. 2017.

SAPOUNTZI, A.; PSANNIS, K. Social networking data analysis tools & challenges. Elsevier: Future Generation Computer Systems, Grécia, p. 1-21, set. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.future.2016.10.019. Acesso em: set. 2017.

SHNEIDERMAN, B.; PLAISANT, C., Designing the User Interface: Strategies for Effective Human-Computer Interaction. 1.ed. USA: Addison-Wesley, 2010.

SOUZA, É. R.; SOUTO, E. Utilização de heurísticas de jogos para avaliação de um aplicativo gamificado. Teresina: XIV SBGames, p. 666-673, 2015. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/299341080_Utilizando_Heuristicas_de_Jogos_para_Avaliacao_de_um_Aplicativo_Gamificado. Acesso em: mai. 2018.

VERMELHO, S. C.; VELHO, A. P. M. As pesquisas sobre redes sociais digitais no brasil: análise do período de 2001 a 2012. Revista Digital: Hipertextus, Rio de Janeiro, v. 15, p. 7-26, out. 2016. Disponível em: http://www.hipertextus.net/volume15/vol15artigo05.pdf. Acesso em: set. 2017.

TOMAÉL, M. I.; ALCARÁ, A. R.; CHIARA, I. G. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 2, p. 93-104, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-19652005000200010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 16 out. 2017.

WERBACH, K.; HUNTER, D. For the win: how game thinking can revolutionize your business. Philadelphia: Wharton Digital Press, 2012.

WHARTON, et al. A Cognitive Walkthrough Method: A Practitioner’s Guide. 1.ed. New York: Universidade de Colorado Boulder, Departamento de Ciência da Computação, 1994.

YOUTUBE. Disponível em: https://www.youtube.com/intl/pt-BR/yt/about/press/. Acesso em: out. 2017.

Downloads

Publicado

16-07-2018

Como Citar

SOUZA, A. S.; CAMARGO, Z. Análise da usabilidade na comunidade Leitores BR do aplicativo Amino . Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 11, n. 2, p. 318–340, 2018. DOI: 10.17851/1983-3652.11.2.318-340. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16807. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Tecnologia da Informação e Computação

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.