O ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NOS CURSOS TÉCNICOS DE UM INSTITUTO FEDERAL

DUALIDADES E OPORTUNIDADES

Autores

  • Normelena Diniz de Oliveira Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG)
  • Edson Antunes Quaresma Junior Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG) https://orcid.org/0000-0001-9450-9753
  • Bruna Mendes Oliveira Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG) https://orcid.org/0000-0002-2246-9147

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.21693

Palavras-chave:

Ensino, Empreendedorismo, Educação profissional e tecnológica

Resumo

No contexto de mudanças atual, a educação profissional e tecnológica é tensionada a ultrapassar um treinamento operacional e economicista, na direção de saberes práticos fundamentados em conhecimento científico e tecnológico e em competências gerais mais consistentes, abarcadoras também dos elementos humano, social e ecológico. Considerando essa tensão existente dentro de conhecimentos ou disciplinas específicas, que podem ser tratadas com um viés meramente empresarial ou com um viés mais amplo, o objetivo principal deste estudo é compreender de que forma o ensino de empreendedorismo está sendo abordado nos cursos técnicos concomitantes e subsequentes ofertados presencialmente por um instituto federal da Região Sudeste do Brasil. O presente estudo possui características descritivas e foi realizado a partir da análise documental dos projetos pedagógicos dos respectivos cursos técnicos. Como resultado, percebeu-se que, apesar da elevada diversidade quanto aos eixos tecnológicos, impera a escolha por um formato de curso, e ainda que 75% desses eixos têm o empreendedorismo presente em 100% de seus correspondentes cursos no IF estudado. Todavia, o viés presente é exclusivamente empresarial, o qual não observa questões sociais, humanas e ambientais. Diante da disseminação e tipificação principal utilizada para abordar o empreendedorismo, acredita-se ser relevante a discussão sobre o tema, visando-se à formação de pessoas social, ecológica e economicamente mais responsáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Normelena Diniz de Oliveira, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG)

Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – IFNMG, campus Montes Claros, Especialista em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas - FGV, Graduação em Administração pela FAVAG – Faculdade Vale do Gorutuba. Professora no IFNMG, campus Pirapora

Edson Antunes Quaresma Junior, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG)

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Mestre em Educação, Cultura e Organizações Sociais pela Fundação Educacional de Divinópolis – FUNEDI / Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG, Graduação em Administração pela Unimontes. Professor no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, campus Salinas.

Bruna Mendes Oliveira, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG)

Mestra em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET-MG, Graduações em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – IFNMG, campus Salinas e em Pedagogia pela Universidade de Uberaba - UNIUBE. Técnica em Assuntos Educacionais no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG.

Referências

ANDRADE, A. de F. B. Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: uma análise de sua institucionalidade. 2014. 209 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 10 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.741, de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11741.htm. Acesso em: 10 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. 3. ed. Brasília, DF: MEC/SETEC, 2016a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=77451-cnct-3a-edicao-pdf-1&category_slug=novembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 3 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 16, de 5 de outubro de 1999. Trata das diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional de nível técnico. Brasília, DF: CNE/CEB, 26 nov. 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/1999/pceb016_99.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 29, de 3 de dezembro de 2002. Trata das diretrizes curriculares nacionais gerais para a educação profissional de nível tecnológico. Brasília, DF: CNE/CP, 13 dez. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/cp29.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Histórico. Portal da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, Brasília, DF, 2016b. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/historico. Acesso em: 14 jan. 2019.

BRITO, V. Do Empreendedorismo Empresarial ao Social. Agência Sebrae de Notícias, Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://www.agenciasebrae.com.br/noticia.kmf?noticia=2829770ecanal=40. Acesso em: 3 jul. 2019.

CANTILLON, R. Essai sur la nature du commerce en général. Ed. by Henry Higgs. New York: Augustus M. Kelley, [1734] 1931. (Reprints of Economic Classics).

CASAQUI, V. A construção do papel do empreendedor social: mundos possíveis, discurso e o espírito do capitalismo. Galáxia, São Paulo, n. 29, p. 44-56, jun. 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542015120109. Acesso em: 3 jul. 2019.

CASAQUI, V. Ideologia do empreendedorismo social: representações do trabalho em tempos de crise do Estado Social português. RuMoRes, [s. l.], v. 8, n. 16, p. 19-36, dez. 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/89636.

CORDÃO, F. A.; MORAES, F. de. Educação profissional no Brasil: síntese histórica e perspectivas. São Paulo: Senac São Paulo, 2017.

DEES, J. G. The meaning of “social entrepreneurship”. Durham (NC): Center for the Advancement of Entrepreneurship, 2001. Disponível em: https://centers.fuqua.duke.edu/case/wp-content/uploads/sites/7/2015/03/Article_Dees_MeaningofSocialEntrepreneurship_2001.pdf. Acesso em: 3 jul. 2019.

DORNELAS, J. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DORNELAS, J.; SPINELLI, S.; ADAMS, R. Criação de novos negócios: Empreendedorismo para o século XXI. 2. ed. São Paulo: Elsevier, 2014.

DUBAR, C. A Crise das Identidades: A Interpretação de uma Mutação. São Paulo: Edusp, 2009.

FERRETTI, C. J. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 299-306, dez. 2002.

FONSECA, J. J. S. da. Metodologia da pesquisa científica. (Apostila do curso de especialização em comunidades virtuais de aprendizagem). Fortaleza: UEC, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz & Terra, 1996.

FRIGOTTO, G. Capital Humano. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. (org.). Dicionário da educação profissional em saúde. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008. p. 66-72.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUERREIRO, E. P. Empreendedorismo e negócio social. 1. ed. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

HENGEMÜHLE, A. Desafios educacionais na formação de empreendedores. Porto Alegre: Penso, 2014.

HISRICH, R. D.; PETERS, M. P.; SHEPHERD, D. A. Empreendedorismo. 9. ed. São Paulo: McGraw Hill Education, 2014.

LAVIERI, C. Educação... empreendedora? In: LOPES, R. M. A. (org.). Educação empreendedora: conceitos, modelos e práticas. Rio de Janeiro: Elsevier; São Paulo: Sebrae, 2010. p. 1-16.

LOPES, R. M. A.; TEIXEIRA, M. A. A. Educação empreendedora no ensino fundamental. In: LOPES, R. M. A. (org.). Educação empreendedora: conceitos, modelos e práticas. Rio de Janeiro: Elsevier; São Paulo: Sebrae, 2010. p. 45-66.

MACHADO, L. R. de S. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 8-22, jun. 2008.

MARTINELLI, A. Entrepreneurship and management. In: SMELSER, N. J.; SWEDBERG, R. (ed.). The handbook of economic sociology. Princeton: Princeton University Press; New York: Russell Sage Foundation, 1994. p. 476–503.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

MOURA, D. H. A formação de docentes para a educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 23-28, jun. 2008.

OLIVEIRA, R. Empregabilidade. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. (org.). Dicionário da educação profissional em saúde. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008. p. 197-202.

OLIVEIRA, M. R. N.; BURNIER, S. Perfil das licenciaturas nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. In: CUNHA, D. M. et al. (org.). Formação/profissionalização de professores e formação profissional e tecnológica: fundamentos e reflexões contemporâneas. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2013. p.145-166.

PACHECO, E. Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. In: PACHECO, E. (org.). Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília: Fundação Santillana; São Paulo: Moderna, 2011. p.13-32.

RAMOS, M. Possibilidades e desafios na organização do currículo integrado. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p.107-128.

SALIM, C. S.; SILVA, N. C. Introdução ao Empreendedorismo: despertando a atitude empreendedora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. rev. ampl. São Paulo: Cortez, 2003.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

OLIVEIRA, N. D. de; QUARESMA JUNIOR, E. A.; OLIVEIRA, B. M. . O ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NOS CURSOS TÉCNICOS DE UM INSTITUTO FEDERAL: DUALIDADES E OPORTUNIDADES. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, p. 139–154, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.21693. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/21693. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.