Crianças livres de cárie dentária em um município sem água fluoretada

  • Orlando Saliba Universidade Estadual Paulista- UNESP
  • Nemre Adas Saliba Universidade Estadual Paulista- UNESP
  • Cléa Adas Saliba Garbin Universidade Estadual Paulista- UNESP
  • Ana Paula Dossi Universidade Estadual Paulista- UNESP
  • Daniela Coêlho de Lima Universidade Estadual Paulista- UNESP

Resumo

Ainda existe certa dificuldade dos serviços locais de saúde em assegurar o completo atendimento das necessidades em crianças abaixo de 6 anos, e poucos estudos epidemiológicos a respeito das condições de saúde bucal dessa parcela da população. Este trabalho teve por objetivo averiguar a prevalência de cárie em crianças de 6 meses a 6 anos e a porcentagem dos livres dessa doença na mesma faixa etária. Foi realizado um estudo epidemiológico transversal em 137 crianças utilizando-se o índice ceo-d e os critérios de diagnóstico
preconizados pela Organização Mundial da Saúde em um município de pequeno porte do Estado de São Paulo. Os exames foram realizados por uma equipe de cirurgiões-dentistas calibrados (Kappa de 0,91). A porcentagem de crianças livres de cárie foi de 43,18%, considerada baixa, comparando-se com as metas da OMS para o ano de 2010 (90%) entre 5 e 6 anos de idade. O índice ceo foi de 0,22, 1,36, 1,65 e 2,13 respectivamente para crianças de até 36 meses, 4, 5 e 6 anos. Conclui-se que mesmo apresentando o ceo-d abaixo do encontrado
em outras regiões do país, o percentual de crianças livres de cárie na população estudada ainda é pequeno, tornando evidente a necessidade de ações e estratégias adequadas aos grupos de maior risco, bem como a implantação de medidas educativas e preventivas em saúde bucal que intervenham nos reais determinantes da doença.
Descritores: Cárie dentária. Epidemiologia. Levantamentos de saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orlando Saliba, Universidade Estadual Paulista- UNESP
Professor da UNESP - Araçatuba
Nemre Adas Saliba, Universidade Estadual Paulista- UNESP
Professora da UNESP - Araçatuba
Cléa Adas Saliba Garbin, Universidade Estadual Paulista- UNESP
Professora da UNESP - Araçatuba
Ana Paula Dossi, Universidade Estadual Paulista- UNESP
Doutoranda em Odontologia Preventiva e Social. UNESP - Araçatuba
Daniela Coêlho de Lima, Universidade Estadual Paulista- UNESP
Doutoranda em Odontologia Preventiva e Social. UNESP - Araçatuba

Referências

1. Sales-Peres SHC, Bastos JRM. Perfil epidemiológico de cárie dentária em crianças de 12 anos de idade, residentes em cidades fluoretadas e não fluoretadas, na Região Centro- Oeste do Estado de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública 2002; 18:1281-8.
2. Bönecker MJS, Guedes-Pinto AC, Walter LRF. Prevalência, distribuição e grau de afecção de cárie dentária em crianças de 0 a 36 meses de
idade. Rev APCD 1997; 51: 535-9.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Divisão Nacional de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em saúde bucal – Brasil, Zona Urbana, 1986, Brasília, 1988.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenadoria de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em saúde bucal – cárie dental/1996, Brasília, 1996.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003; Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003 – resultados principais.
Brasília: Coordenação de Saúde bucal; 2004.
6. Couto GBL, Vasconcelos MMVB, Melo MMDC, Camelo CAC, Valença PAM. Prevalência de cárie, mancha branca e placa visível em crianças
de 0 a 36 meses assistidas pelo Programa de Saúde da Família na cidade de Camaragibe –PE. Odontol Clín-Científ 2005; 4:19-27.
7. Chaves M. Odontologia Social. 3ª ed. Rio de Janeiro: Artes Médicas. 1986.
8. Cypriano S, Duran AI, Souza MLR, Wada RS. Metas da Organização Mundial da Saúde para o ano 2000 e a saúde bucal na região de Campinas, Brasil. Arq Odontol 2002; 38:151-62.
9. Fereration Dentaire Internationale. Goal for the oral health in the year 2000. Int Dental J 1982; 32:74-7.
10. Gomes VE, Gush LL, Wada RS, Souza MLR. Prevalência de cárie e necessidade de tratamento em pré-escolares e escolares de Capivari-SP, Brasil. Arq Odontol 2003; 39:128-37.
11. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas 2005 para unidade da federação e município. Disponível em ftp.ibge.gov.br/ estimativas_projecoes_da_populacao/
estimativas_2005>.
12. Kramer MS, Feinstein AR. Clinical Biostatistics: the biostatistics of concordance. Clin Pharm Therap 1981; 29:454-9.
13. Lucas SD, Portela MC, Mendonça LL. Variações no nível de cárie dentária entre crianças de 5 e 12 anos em Minas Gerais, Brasil.
Cad Saúde Pública 2005; 21:55-63.
14. Martins RJ, Garbin CAS, Garbin CAS, Moimaz SAS, Saliba O. Declínio da cárie dentária em um município da região noroeste do Estado de
São Paulo, Brasil, no período de 1998 a 2004. Cad Saúde Pública 2006; 22:1035-41.
15. Rihs LB, Tagliaferro EPS, Souza MLR, Martins J, Hildebrand LF, Felizatti RCT. Prevalência de cárie e fluorose dentária em pré-escolares de cinco e seis anos, Leme, SP, 1998. Rev Fac Odontol Univ Passo Fundo 2003; 8:34-9.
16. Sepa L, Karkkainen S, Hausen H. Caries frequency in permanent teeth before and after discontinuation of water fluoridation in Kuopio,
Finland. Community Dent Oral Epidemiol 1998; 26: 256-62.
17. Ueda EMO, Dezan CC, Frossard WTG, Salomão F, Morita MC. Prevalence of dental caries in 3 – and 5 – year-old children living a small brazilian city. J Appl Oral Sci 2004; 12:34-8.
18. World Health Organization. Oral health surveys - basic methods. 4a ed. Geneva: OMS, 1999.
19. Dini EL, Holt RD, Bedi R. Comparison of two indices of caries patterns in 3-6 year old Brazilian children from area with different fluoridation
histories. Int Dent J 1998; 48: 378-85.
20. Gushi LL, Soares MC, Forni TIB, Vieira V, Wada RS, Souza MLR. Cárie dentária em adolescentes de 15 a 19 anos de idade no Estado de São Paulo, Brasil, 2002. Cad Saúde Pública 2005; 21: 1383-91.
21. Pereira AC, Cunha FL, Meneghim MC, Werner CW. Dental caries and fluorosis prevalence study in a nonfluoridated Brazilian community: trend
analysis and toothpaste association. J Dent Child 2000; 67:132-5.
22. Ribeiro AG, Oliveira AF, Rosenblatt A. Cárie precoce na infância: prevalência e fatores de risco em pré-escolares, aos 48 meses, na cidade de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad Saúde Pública 2005; 21: 1695-700
Publicado
2016-03-02
Como Citar
Saliba, O., Saliba, N. A., Garbin, C. A. S., Dossi, A. P., & Lima, D. C. de. (2016). Crianças livres de cárie dentária em um município sem água fluoretada. Arquivos Em Odontologia, 43(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3443
Seção
Artigos