Relação materno-infantil: uma abordagem interdisciplinar e seus desdobramentos para a odontologia

  • Cristina Berger Fadel Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG
  • Nemre Adas Saliba UNESP
  • Suzely Adas Saliba Moimaz UNESP

Resumo

A influência das interações sociais sobre o cuidado à saúde infantil tem sido bastante estudada e freqüentemente associada à figura materna, uma vez que, no âmbito doméstico, ela assume o papel de promotora e reprodutora dos cuidados biológico e social, tanto de sua família como de si mesma. A relação
que se estabelece precocemente entre mães e filhos, quando integral, intensa e positiva torna-se responsável pelo desenvolvimento, na criança, de habilidades e capacidades físicas e emocionais, resultando em um estado infantil saudável. Assim, ao admitir-se que atitudes e comportamentos possam ser transferidos de mãe para filho, da mesma forma que pensamentos, valores e crenças, evidencia-se a importância dos saberes e formas de agir maternos sobre a saúde de seus filhos, objeto de interesse do presente estudo.
Descritores: Relações mãe-filho. Cuidado da criança. Conhecimentos, atitudes, prática em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Berger Fadel, Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG
Profa. Adjunto, Dept. Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG
Nemre Adas Saliba, UNESP
Profa. Titular, Dept. Odontologia Infantil e Social, FO de Araçatuba-UNESP
Suzely Adas Saliba Moimaz, UNESP
Profa. Adjunto, Dept. Odontologia Infantil e Social, FO de Araçatuba-UNESP

Referências

1. Tezoquipa IH, Monreal MLA, Santiago RV. El cuidado a la salud en el âmbito doméstico: interracción social y vida cotidiana. Rev Saúde Pública. 2001; 35:443-50.
2. Dytz JLG. O modo de vida da mãe e a saúde infantil. Rev Bras Enferm. 2000; 53: 165-66.
3. Meneses A. Quality of attachment towards mother and teacher. Rev Psicol. 2004; 17: 453- 59.
4. Neumann EA. Estrutura e dinâmica da personalidade em desenvolvimento desde o início de sua formação. São Paulo: Cultrix; 1992.
5. Winnicott DW. Os bebês e suas mães. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 2002.
6. Silva SS, Le Pendu Y, Pontes FA, Dubois M. Sensibilidade materna durante o banho. Psicol Teor Pesqui 2002; 18:345-52.
7. Mair L. Introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Zahar; 1979.
8. Osório LC. Família Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas; 1996.
9. Muller U, Gibbs P, Ariely GA. Adults who were adopted contacting their birthmothers: what are the outcomes, and what factors influence these
outcomes? J Spec Oper Med. 2003; 7:7-25.
10. Giffoni FAO; O desenvolvimento psicoafetivo: a relação mãe-filho e o contexto social. Educação em debate 1999; 21: 125-132.
11. Dolto F. Quando surge a criança. Campinas: Papirus; 1998.
12. Gandra MIS, Aznar-Farias M. A importância do apego no processo de desenvolvimento. Brazilian Pediatric News 2000. Disponível em
Acesso: 12 agosto 2006.
13. Bee H. A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas; 1996.
14. Spitz R. O primeiro ano de vida. São Paulo:Martins Fontes; 1993.
15. Scochi CG, Kokuday ML, Riul MJ, Rossaqnez LS, Fonseca LM, Leite AM. Encouraging motherchild attachment in prematurity situations: nursing interventions at the Ribeirão Preto Hospital. Rev Latinoam de Enferm. 2003; 11:539-43.
16. Ministério da Saúde. Normas de atenção humanizada ao RN de baixo peso (Método Mãe-Canguru). Brasília; 1999.
17. Altaminaro EH, Jereissati L. A fisioterapia respiratória e o processo de hospitalização criança-mãe. Psicol teor prat. 2002; 4:57-65.
18. Walsh AP. Representations of attachment and caregiving: the disruptive effects of loss and trauma. The Sciences and Engineering 2003;64:1511.
19. Sapp MS. Relationship of maternal depression to disorganized attachment in latency-age children. The Sciences and Engineering 2004;
64:4088.
20. Perez SM. Relations among child emotionality, mother-child planning and children´s academic
adjustment and achievement in the first grade.
The Sciences and Engineering 2004; 65:21-8.
21. Ribeiro CS. A influência dos transtornos afetivos
no puerpério sobre o recém-nascido. 2005.
Disponível em: index.php?sec=30&art=109> Acesso: 09 junho
2006.
22. Salerni N, Calvo V, D´Odorico LG. Influence
of affective-relational and cognitive attachment
on the development of linguistic competence.
Italiano de Psicologia 2001; 28:781-802.
23. Freire P. Pedagogia da indignação: cartas
pedagógicas e outros escritos. São Paulo:
UNESP; 2000.
24. De Lamare R. A Vida do bebê. 38ª ed. Rio de
Janeiro: Bloch; 1992.
25. Dockhorn DMC, Pretto SM. Escolaridade,
condições sócio-econômicas e saúde bucalrelação
ente mães e filhos. Rev Odonto Ciênc.
2001; 16: 43-59.
26. Serino RJ, Gold SB. Infant and early childhood
oral heatlh care. NY State Dent J. 1997; 63:34-5.
27. Zanata RL, Navarro MF, Pereira, JC et al. Effect
of caries preventive measures directed to expectant
mothers on caries experience in their children. 2003.
Disponível em scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
64402003000200001&lng=pt&nrm=iso> Acesso:
09 junho 2006.
28. Sertório SC, Silva IA. As faces simbólica e
utilitária da chupeta na visão das mães. Rev
Saúde Pública. 2005; 39:156-62.
29. Galimard P. A criança de 6 a 11 anos:
desenvolvimento físico-psíquico-social. 3 ed.
São Paulo: Paulinas; 1983.
30. Ault RL. Desenvolvimento cognitivo da criança.
A teoria de Piaget e a abordagem de processo.
Rio de Janeiro: Zahar; 1978.
Publicado
2016-03-14
Como Citar
Fadel, C. B., Saliba, N. A., & Moimaz, S. A. S. (2016). Relação materno-infantil: uma abordagem interdisciplinar e seus desdobramentos para a odontologia. Arquivos Em Odontologia, 44(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3478
Seção
Artigos