Conhecimento de acadêmicos de Odontologia sobre maus-tratos infantis

Autores

  • Manoelito Ferreira Silva Junior Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Manoela Dalvi Pagel
  • Denise Maria Kroeff de Souza Campos Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Maria Helena Monteiro de Barros Miotto Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Resumo

Objetivo: Avaliar o conhecimento do acadêmico de Odontologia sobre maus-tratos infantis. Material e Métodos: O estudo é descritivo transversal com abordagem quantitativa. A amostra foi constituída por 100 acadêmicos do 5º ao 9º período do curso de Odontologia da Universidade Federal do Espírito Santo. O critério de inclusão era estar devidamente matriculados no segundo semestre de 2010. Os dados foram coletados utilizando um questionário autogerenciado, previamente validado, contendo questões abertas e fechadas referentes ao tema de maus-tratos infantis. A análise descritiva foi realizada por frequência absoluta e relativa. Resultados: Embora 74% dos acadêmicos afirma que a conduta correta em caso suspeito de maus-tratos seja fazer uma denúncia no Conselho Tutelar ou Delegacia, uma minoria (4%) afirmou que denunciaria a suspeita. Dos acadêmicos, apenas 30% afirmaram que a região de cabeça e pescoço seja a mais afetada nos casos de maus-tratos infantis. Um total de 9,26% dos alunos afirmou que só seria capaz de identificar um caso de maus-tratos se houvesse o relato do paciente. A maior parte dos alunos (74%) afirmou não ter obtido informações sobre maus-tratos infantis no curso de graduação, sendo que (96%) considera importante obter este conhecimento e (94%) relata desejo de conhecer melhor este tema. Conclusão: A maioria dos acadêmicos de Odontologia apresentou conhecimento deficiente sobre maus-tratos infantis. Faz-se necessário uma melhor abordagem do assunto durante a formação acadêmica do curso de odontologia, para obter um profissional melhor preparado para uma condução adequada em casos suspeitos de maus-tratos infantis.

Descritores: Maus-tratos infantis. Violência. Odontologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoelito Ferreira Silva Junior, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Programa de Pós-graduação em Odontologia (Saúde Coletiva), Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP.

Manoela Dalvi Pagel

Cirurgiã-dentista, Vitória, ES.

Denise Maria Kroeff de Souza Campos, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Departamento de Clínica Odontológica, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, ES.

Maria Helena Monteiro de Barros Miotto, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Departamento de Clínica Odontológica, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, ES.

Referências

1. Fracon ET, Silva RHA, Bregagnolo JC. Avaliação da conduta do cirurgião-dentista ante a violência doméstica contra crianças e adolescentes no município de Cravinhos (SP). RSBO. 2011; 8(2):153-9.
2. Costa MCO, Carvalho RC, Bárbara JFRS, Santos CAST, Gomes WA, Sousa HL. O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciênc Saúde Colet. 2007; 12(5):1129-41.
3. Brasil. Código Penal. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Vade Mecum. São Paulo: Saraiva; 2008.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência Intrafamiliar: Orientações para práticas em serviço. Brasília-DF: MS; 2001.
5. Carvalho FMT, Araújo LN, Azevedo MLP, Colares V, Caraciolo GO. O conhecimento de estudantes de graduação em odontologia em relação ao abuso infantil. Odontol Clín Cientif. 2006; 5(3):207-10.
6. Massoni ACLT, Ferreira AMB, Aragão AKR, Menezes VA, Colares V. Aspectos orofaciais dos maus-tratos infantis e da negligencia odontológica. Cienc Saude Colet. 2010; 15(2):403-10.
7. Bohner LOL, Bohner TOL, Luca Canto GL. Maus tratos na infância e adolescência: protocolo de atendimento no consultório odontológico. Rev Elet Gestão Educ Tecnologia Ambiental. 2012; 6(6):1239-43.
8. Lima KA, Colares V, Cabral HM. Avaliação dos odontopediatras de Recife com relação ao abuso infantil. Rev Odonto Ciênc. 2005; 20(49): 231-5.
9. Serpa EM, Ramos AAS. Percepção dos maus tratos infantis pelos estudantes de Odontologia da UFPB. Int J Dent. 2011; 10(4):234-41.
10. Sousa GFP, Carvalho MMP, Granville-Garcia AF, Gomes MNC, Ferreira JMS. Conhecimento de acadêmicos em Odontologia sobre maus-tratos infantis. Odonto. 2012; 20(40):101-8.
11. Wacheski A, Lopes MGK, Paola APB, Valença P, Losso EM. O conhecimento do aluno de Odontologia sobre maus tratos na infância antes e após o recebimento de uma cartilha informativa. Odonto. 2012; 20(39):7-15.
12. Gomes LS, Pinto TCA, Costa EMMB; Ferreira JMS, Cavalcanti SDALB, Granville-Garcia AF. Percepção de acadêmicos de Odontologia sobre maus-tratos na infância. Odontol Clín Cient. 2011; 10(1):73-8.
13. Josgrillberg EB, Carvalho FG, Guimarães MS, Pansani CA. Maus-tratos em crianças: a percepção do aluno de Odontologia, Recife. Odontol Clín Cientif. 2008; 7(1):35-8.
14. Santos JF, Nunes KS, Cavalcanti AL, Silva EC. Maus-tratos infantis: conhecimento e atitudes de odontopediatras em Uberlândia e Araguari, Minas Gerais. Pesq Bras Odontoped Clín Integr. 2006; 6(3):273-9.
15. Moura DPS, Toledo OA, Bezerra ACB. Reconhecimento de crianças vítimas de maus-tratos – responsabilidade do odontopediatra. J Bras Odontopediatr Odontol Bebê. 2000; 3(14):318-22.
16. Cavalcanti AL, Valença AMG, Duarte RC. O odontopediatra diante de maus-tratos infantis – diagnóstico e conduta. J Bras Odontopediatr. Odontol Bebê. 2000; 3(16):451-5.
17. Brasil. Diário Oficial da União. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília-DF, 16 de jul. 1990.
18. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília-DF: Senado Federal; 1988.

Downloads

Publicado

2016-06-14

Como Citar

Junior, M. F. S., Pagel, M. D., Campos, D. M. K. de S., & Miotto, M. H. M. de B. (2016). Conhecimento de acadêmicos de Odontologia sobre maus-tratos infantis. Arquivos Em Odontologia, 51(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3676

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)