Fatores associados ao tipo de serviço odontológico utilizado por adultos

  • Olga Maria Dias Agostinho Pires Prefeitura Municipal de Embu-SP.
  • Manoelito Ferreira Silva Junior Professor do departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa. http://orcid.org/0000-0001-8837-5912
  • Antonio Carlos Frias Professor Doutor do Departamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FO-USP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Maria da Luz Rosário de Sousa Professora Titular da Área de Odontologia Preventiva e Saúde Pública, Faculdade de Odontologia (FOP/Unicamp). Piracicaba-SP, Brasil.

Resumo

Objetivo: Analisar os fatores associados ao tipo de serviço odontológico utilizado por adultos.

Métodos: O estudo transversal analítico utilizou-se de dados secundários do Levantamento Epidemiológico representativo da população adulta (35-44 anos) no município de Embu das Artes-SP,  Brasil, em 2008. A coleta de dados por amostragem probabilística foi realizada nos domicílios. O desfecho foi ser usuário do serviço público odontológico para tratamento regular ou atendimento de urgência. As variáveis independentes foram: agravos bucais (Índice de dentes Permanentes Cariados, Perdidos e Obturados, Índice Periodontal Comunitário, Perda de Inserção Periodontal e necessidade de prótese); condições socioeconômicas (renda familiar, aglomeração domiciliar, número de filhos, escolaridade); condições demográficas (sexo, estado civil, cor da pele); hábitos (fumo); utilização dos serviços (tempo da última consulta odontológica, informações sobre como evitar problemas bucais); percepção dos problemas bucais (dor de dente nos últimos seis meses, necessidade de tratamento e condição bucal afeta relacionamentos com outras pessoas). Houve realização de análise descritiva e bivariada, além das razões de prevalência (RP).

Resultados: Houve a participação de 345 adultos, sendo 53% usuários do serviço público para tratamento regular ou urgência odontológica. O uso regular ou de urgência odontológico público foi associado ao sexo feminino (RP = 1,32; IC95%: 1,14-1,54), ter maior número de filhos (RP = 1,15; IC95%: 1,01-1,31), aglomeração domiciliar (RP = 1,88; IC95%: 1,42-2,50), menor renda familiar (RP = 2,23; IC95%: 1,33- 3,66), relato de dor nos últimos 6 meses (RP = 1,43; IC95%: 1,06-1,42), considerar que a condição bucal afeta os relacionamentos com outras pessoas (RP = 1,30; IC95%: 1,05-1,62), e ser fumante ou ex fumante (RP = 1,67; IC95%: 1,15-2,24). O uso do serviço público apenas para o tratamento de urgência foi maior entre mulheres (RP = 1,48; IC95%: 1,16-1,86), maior número de filhos (RP = 1,22; IC95%: 1,08-1,37), aglomeração domiciliar (RP: 1,54; IC95%: 1,20-1,97), menor renda familiar (RP = 1,68; IC95%: 1,07-2,62) e apresentar relato de dor nos últimos seis meses (RP = 1,37; IC95%: 1,03-1,83).

Conclusão: O uso do serviço odontológico público esteve associado a fatores socioeconômicos, e isso demonstra que, mesmo há 10 anos, o município praticava o princípio da equidade na atenção à saúde bucal.

Descritores: Acesso aos serviços de saúde. Odontologia em saúde pública. Serviços de saúde bucal.

Biografia do Autor

Manoelito Ferreira Silva Junior, Professor do departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa.
Suas linhas de pesquisas abordam os temas: Educação e Saúde, Integração Ensino-Serviço, Saúde Coletiva, Epidemiologia, Odontopediatria, Clareamento Dental e Dentifrícios. Esteve ligado ao Programa Institucional Voluntário de Iniciação Científica da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) (2010-2011) e do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica da UFES  com financiamento da própria instituição (2012-2013) e da Fundação de Amparo a Pesquisa do Espírito Santo (FAPES) (2013-2014). Tem experiência em pesquisa multicêntrica com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Foi Vice-Presidente do Centro Acadêmico de Odontologia da UFES (2013-2014) e Presidente da XXXVII Jornada Universitária Capixaba de Odontologia (JUNCO) realizada em Vitória-ES (2013). Teve a experiência de ser relator no XXX Congresso Nacional da Comissão Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) realizado na Serra-ES em 2014. Foi Coordenador das Comunicação Orais Cuidado em Saúde do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. Recebeu 10 prêmios/menções honrosas em eventos científicos com pesquisas realizadas. Apresenta 14 artigos publicados em revistas científicas nacionais e internacionais e 2 artigos aceitos para publicação. Aprovado em 1º Lugar no nível mestrado (2013) e doutorado (2015) no Programa de Pós-Graduação de Odontologia (Saúde Coletiva) da Faculdade de Odontologia de Piracicaba - Universidade Estadual de Campinas (FOP-UNICAMP). Recebeu bolsa de mestrado pela Fapesp (2014/15184-2) e de doutorado pela CAPES.
Publicado
2019-04-17
Seção
Artigos