Exodontias no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais: uma série temporal de 15 anos

  • Gerson Lucas Silva Souza Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Suellen da Rocha Mendes Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Patrícia Azevedo Lino Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mara Vasconcelos Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Objetivo: Avaliar a tendência histórica de extrações dentárias no Estado de Minas Gerais entre os anos de 1998 e 2012. Métodos: Trata-se de um estudo de série temporal de exodontias de dentes permanentes no Estado de Minas Gerais, tendo sido os dados coletados no Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde em 2013. Duas taxas de exodontias foram calculadas, ano a ano. A primeira refere-se à razão entre número total de exodontias de dentes permanentes dividida por todos os procedimentos preventivos, restauradores e cirúrgicos da atenção primária. A segunda foi a razão entre o número total de exodontias de dentes permanentes pelo número de habitantes. A análise estatística envolveu a construção de curvas de tendência histórica. Resultados: As duas taxas de exodontias comportaram-se de maneira errática no período avaliado. Houve uma ligeira tendência de aumento na taxa de exodontias por procedimentos da atenção primária e ligeira tendência de redução na taxa de exodontias pela população do Estado de Minas Gerais. Conclusão: As ligeiras tendências de aumento ou redução das taxas de exodontias revelam que as mesmas permaneceram constantes no período avaliado no Estado de Minas Gerais. Descritores: Pesquisa nos serviços de saúde. Estudos de séries temporais. Extração dentária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gerson Lucas Silva Souza, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Estudante de Odontologia, Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Brasil
Suellen da Rocha Mendes, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Mestranda em Odontologia, área Saúde Coletiva, Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Brasil.
Patrícia Azevedo Lino, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda em Odontologia, área Saúde Coletiva, Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Brasil
Mara Vasconcelos, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora em Odontologia Social, Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Brasil
Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais
Doutor em Epidemiologia, Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Brasil

Referências

1. Peres MA, Barbato PR, Reis SCGB, Freitas CHSM, Antunes JLF. Perdas dentárias no Brasil: análise da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal 2010. Rev Saúde Pública. 2013;47:78-89.
2. Batista MJ, Rihs LB, Sousa MLR. Risk indicators for tooth lost in adult workers. Bras Oral Res. 201;26:390-6.
3. Junqueira SR, Pannuti CM, Rode SM. Oral Health in Brazil – Part I: Public Oral Health Policies. Bras Oral Res. 2008;1:8-17.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus). Index [acesso em 2015 jan 15]. Disponível em: htpp://www2.datasus.gov.br/Datasus/index.php. Acesso em 15 de jan. 2015.
5. Mendes, SR; Esteves, RSS; Oliveira, ACB; Abreu, MHNG. Avaliação de indicadores de saúde bucal na atenção primária em um município de grande porte brasileiro de 1998 a 2010. SaBios: Rev Saude Biol. 2013;8:74-82.
6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. [acesso em 2015 jan 15]. Disponível em: htpp://www.ibge.gov.br/ home/estatisyica/população/censo2010/default. shtm. Acesso em 15 de jan. 2015.
7. Viacava F, Almeida C, Caetano R, Fausto M, Macinko J, Martins M, et al. A methodology for assessing the performance of the Brazilian health system. Cienc Saúde Coletiva. 2004;9:711-24. 8. Celeste RK, Vital JF, Junger WL, Reichenheim ME. Time series analysis of dental care procedures in Brazilian public services, 1994-2007. Cienc Saúde Coletiva. 2011;16:4523-32.
9. Lourenço EC, Silva ACB, Meneghin MC, Pereira AC. A inserção de equipes de saúde bucal no Programa Saúde da Família no Estado de Minas Gerais. Cienc Saúde Coletiva. 2009;14:1367-77.
10. Silva ZPD, Ribeiro MCSDA, Barata RB, Almeida MFD. Perfil sociodemográfico e padrão de utilização dos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), 2003-2008. Cienc Saúde Coletiva. 2011;16:3807-16.
11. Pinto RS, Abreu MH, Vargas AM. Comparing adult users of public and private dental services in the state of Minas Gerais, Brazil. BMC Oral Health. 2014;14:100.
12. Barbato PR, Peres MA, Höfelmann DA, Peres KG. Contextual and individual indicators associated with the presence of teeth in adults. Rev Saúde Pública. 2015;49:27.
13. Cunha MA, Lino PA, Santos TR, Vasconcelos M, Lucas SD, Abreu MH. A 15-Year Time-series study of tooth extraction in Brazil. Medicine (Baltimore). 2015;94:e1924.
14. Han DH, Khang YH, Lee HJ. Association between adult height and tooth loss in a representative sample of Koreans. Community Dent Oral Epidemiol. 2015 Oct;43:479-88.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. SB2010. Pesquisa Nacional de Saúde Bucal. Resultados principais. Brasília (DF):2011.
16. Pimentel FC, Martelli PJDL, Araújo Júnior JLAC, Acioli RML, Macedo CLSV. Análise da atenção à saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família do Distrito Sanitário VI, Recife (PE). Cienc Saúde Coletiva. 2010;15:2189-96.
17. Fischer TK, Peres, KG, Kupek E, Peres MA. Primary dental care indicators: association with socioeconomic status, dental care, water fluoridation and Family Health Program in Southern Brazil. Rev Bras Epidemiol. 2010;13:126-38.
18. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. SB Minas Gerais: Pesquisa das condições de saúde bucal da população mineira—Resultados principais. Belo Horizonte: Autêntica; 2013.
19. Palmier AC, Andrade DA, Campos AC, Abreu MH, Ferreira EF. Socioeconomic indicators and oral health services in an underprivileged area of Brazil. Rev Panam Salud Publica. 2012;32:22-9.
20. Pucca Júnior GA, Gabriel M, de Araújo ME, de Almeida FC. Ten years of a National Oral Health Policy in Brazil: innovation, boldness, and numerous challenges. J Dent Res. 2015;94:1333-7.
21. Lino PA, Werneck MAF, Lucas SD, Abreu MHNG. Análise da atenção secundária em saúde bucal no estado de Minas Gerais, Brasil. Cienc Saúde Coletiva. 2014;19:3879-88.
22. Nickel DA, Lima FG, Silva BB. Modelos assistenciais em saúde bucal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24:241-6.
23. Amorim KPC, Germano RM, Avelino ANDO, Costa IDCC. Mutilações dentárias: os dilemas da prática na visão de docentes universitários. Rev Bioética. 2009;17:109-21.
24. Ferreira AAA, Piuvezam G, Werner CWDA, Alves MSCF. A dor e a perda dentária: representações sociais do cuidado à saúde bucal. Cienc Saúde Coletiva. 2009;11:211-8.
Publicado
2016-11-18
Como Citar
Souza, G. L. S., Mendes, S. da R., Lino, P. A., Vasconcelos, M., & de Abreu, M. H. N. G. (2016). Exodontias no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais: uma série temporal de 15 anos. Arquivos Em Odontologia, 52(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3709
Seção
Artigos