Motivos de escolha da Odontologia: vocação, opção ou necessidade?

  • Simone de Melo Costa Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Sarah Jane Alves Durães Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes
  • Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Paulo Rogério Ferreti Bonan Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes
  • Mara Vasconcelos Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Resumo

O processo de escolha profissional não é fácil porque muitas angústias cercam a escolha de uma profissão. Este estudo qualitativo teve por objetivo identificar os motivos de escolha da carreira profissional e a convicção dessa escolha junto aos acadêmicos do Curso de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em 2006. Os métodos usados na pesquisa foram a entrevista semi-estruturada e a análise de conteúdo com base na análise temática. Quatorze motivos de escolha da Odontologia foram
ressaltados, dentre eles: ser da área da saúde/biológica; influência familiar ou de amigos; influência da universidade; e vantagens da Odontologia quando comparada à Medicina. Ser a Odontologia da área da saúde/biológica foi o motivo mais destacado nas falas dos entrevistados. Observou-se que alguns acadêmicos demonstraram convicção na escolha profissional enquanto outros afirmaram ter escolhido a Odontologia sem convicção de que estavam fazendo a escolha certa. Há multi-determinações que influenciam as escolhas do indivíduo à carreira profissional. Fatores psicológicos, sociais, econômicos, educacionais e políticos orientaram a opção profissional.
Descritores: Escolha da profissão. Odontologia. Estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone de Melo Costa, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte, MG, Brasil
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil

Sarah Jane Alves Durães, Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes
Departamento de Educação, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais,
Belo Horizonte, MG, Brasil

Paulo Rogério Ferreti Bonan, Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Mara Vasconcelos, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais,
Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

1. Bock SD. Como se escolhe uma profissão. Disponível em: http://www.nace.com.br. Acesso em 11 mar. 2007.
2. Daumas FP. O significado do dinheiro e a escolha profissional. Disponível em: http:/// www.geocities.comjulio_gonzalesop26bpdf.
Acesso em 8 mar. 2007.
3. Schwartzman SA. Diferenciação do ensino superior no Brasil. Preparado para a segunda reunião do “Projeto Regional de Estudos sobre Políticas de Educação Superior”. Buenos Aires. Agosto, 1999. Disponível em: http:// www. schwartzman.org.br. Acesso em 20
set. 2006.
4. Jover M, Doudoux D, Deveaux E. Representations of the dental surgery profession and the motivations given by second-year French students for applying for dental surgery. Eur J Dent Educ. 2006; 10:2-
9.
5. Moretto CF. Educação superior e atuação profissional: trabalho e emprego na percepção dos universitários gaúchos. Análise. 2006;
17:243-57.
6. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7ªed. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 2000.
7. Bauer MW, Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 3ªed. Petrópolis/RJ: Ed Vozes. 2004.
8. Azevedo AG, Tollendal CB, Nogueira DG, Bartels FP, Paula FC, Beraldo FMM. Fatores que orientam a escolha do curso médico.
Revista Brasileira de Educação Médica. 2005; 29:217–21.
9. Bock AMB, Furtado O, Maria LTT. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 13ªed. São Paulo: Saraiva. 2003.
10. Bastos JRM, Aquilante AG, Almeida BS, Lauris JRP, Bijella VT. Análises do perfil profissional de cirurgiões-dentistas graduados
na Faculdade de Odontologia de Bauru – USP entre os anos de 1996 e 2000. J Appl Oral Sci. 2003; 11:283-9.
11. Macedo LA, Rabelo NS, Marra EMO. Expectativa dos formandos de Odontologia com relação ao mercado de trabalho em
Uberlândia. R Horizonte Científico. 2002; 1:1- 13.
12. Garcia MLD. O papel dos pais: para ajudar o filho na escolha de uma carreira. Revista do Senac. São Paulo. Disponível em: Acesso em 9 maio 2007.
13. Vieira EC. Socialização, opção profissional e representação na Educação Física. Motriz. 1997; 3:44-9.
14. Medina NVJ, Takahashi RT. A busca da graduação em Enfermagem como opção dos técnicos e auxiliares de enfermagem. Rev Esc
Enferm USP. 2003; 37:101-8.
15. Ferreira RA. “E agora José?” Rev Assoc Paul Cir Dent. 1998; 52:343-50.
16. Brustolin J, Brustolin J, Toassi RFC. Perfil do acadêmico de Odontologia da Universidade do Planalto Catarinense – Lages – SC, Brasil. Revista da ABENO, 2006; 6:70-6.
17. Marcelino G. Avaliação do perfil profissional e percepção social de cirurgiões-dentistas do município de Araçatuba – SP frente aos
avanços ocorridos na odontologia às vésperas do século XXI. [dissertação]. Araçatuba (SP): Faculdade de Odontologia de Araçatuba da UNESP; 2000.
18. Ribeiro AAA, Falcon GS, Borenstein MS, Padilha MICS. A escolha profissional no imaginário social: enfermeiros brasileiras e
peruanas. Esc Anna Nery. 2006; 10:241-50.
19. Rabello SB, Godoy CVC, Padilha WWN. Por que a Odontologia se transformou numa profissão de mulheres? Revista Brasileira de
Odontologia em Saúde Coletiva. 2000; 57:52- 60.
20. Cruz SHV. Representação de escola e trajetória escolar.. Psicol USP. 1997; 8.
21. Hallissey J, Hannigan A, Ray N. Reasons for choosing dentistry as a career: a survey of dental students attending a dental school in
Ireland during 1998-99. Eur J Dent Educ. 2000; 4:77-81.
22. Costa ICC, Marcelino G, Saliba NA. Perspectivas de um grupo de alunos de odontologia sobre a profissão no terceiro milênio. Rev ABOPREV. 1999; 2:38-45.
23. Skelly AM, Fleming GJP. Perceptions of a dental career among successful applicants for dentistry compared with those of fifth-year dental students. Prim Dent Care. 2002; 9:41-6.
24. Scarbecz MA, Ross JA. Gender differences in first-year dental students motivation to attend dental school. J Dent Educ. 2002;
66:952-61.
25. Moimaz SAS, Saliba NA, Blanco MRB. A Força do trabalho feminino na Odontologia,em Araçatuba – SP. J Appl Oral Sci. 2003;
11:301-5.
26. Sofola OO, Jeboda SO. Perceived sources of stress in Nigerian dental students. Eur J Dent Educ. 2006; 10:20-3.
Publicado
2016-04-11
Como Citar
Costa, S. de M., Durães, S. J. A., Abreu, M. H. N. G. de, Bonan, P. R. F., & Vasconcelos, M. (2016). Motivos de escolha da Odontologia: vocação, opção ou necessidade?. Arquivos Em Odontologia, 46(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3524
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)