Frequência de identificação e notificação de abuso físico infantil por profissionais da Estratégia Saúde da Família e relação com fatores socioeconômicos

Autores

  • Fernando Silva-Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Carlos Inácio Andrade Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mariana Oliveira Guimarães Universidade Federal de Minas Gerais
  • Raquel Conceição Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Efigênia Ferreira e Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Patrícia Maria Zarzar Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Objetivo: Avaliar a frequência de identificação e notificação de abuso físico infantil (AFI) por profissionais da Estratégia Saúde da Família (ESF) e fatores associados em regionais com diferente vulnerabilidade social de Belo Horizonte, Brasil. Métodos: Trata-se de um estudo transversal com amostra de conveniência de pediatras, dentistas, médicos da família e enfermeiros, de dois distritos da ESF de Belo Horizonte, Brasil. Os distritos foram selecionados tomando como referência os índices de vulnerabilidade social. Os profissionais foram convidados a responder um questionário autoaplicável desenvolvido na Universidade de Londres, adaptado para o uso no Brasil. Foram realizadas análises descritivas e analíticas, utilizando o teste qui-quadrado de Pearson (p<0,05). Resultados: Participaram do estudo 144 profissionais: 35 (24,3%) dentistas, 46 (31,9%) enfermeiros, 45 (31,2%) médicos da família e 18 (12,5%) pediatras. Do total, 86 (59,7%) profissionais já identificaram algum caso de AFI na experiência profissional, mas apenas 38 (26,4%) notificaram às autoridades. A identificação e notificação estiveram associadas à categoria profissional (p < 0,001) e aos profissionais que realizaram pós-graduação com enfoque na criança (p < 0,001). A vulnerabilidade das regionais não esteve associada à identificação e notificação dos casos de AFI (p = 0,754). Conclusão: A identificação e notificação de casos de AFI associaram-se aos profissionais com formação voltada para o atendimento da criança e com a categoria profissional, sendo o pediatra e o enfermeiro os que mais identificaram e notificaram. A vulnerabilidade social da regional não esteve associada com a identificação e notificação.
Descritores: Maus-tratos infantis. Estratégia Saúde da Família. Notificação compulsória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) World Health Organization, International Society for Prevention of Child Abuse and Neglect. Preventing child maltreatment: A guide to taking action and generating evidence. 2006. (acesso em 28 de Fev de 2017) Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/43499/1/9241594365_eng.pdf

(2) Gilbert R, Widom C.S, Browne K, Fergusson D, Webb E, Janson S. Burden and consequences of child maltreatment in high-income countries. Lancet. 2009;373(9657):68-81.

(3) Franzin LCS, Olandovski M, Vettorazzi MLT, Werneck RI, Moyses SJ, Kusma SZ, et al. Child and adolescent abuse and neglect in the city of Curitiba, Brazil. Child Abuse Negl. 2014;38(10):1706-14.

(4) Department of Health & Human Services, Administration for Children and Families, Administration on Children, Youth and Families, Children’s Bureau. Child maltreatment 2014. 2006. (acesso em 28 de Fev de 2017). Disponível em: http://www.acf.hhs.gov/programs/cb/research-data-technology/statistics-research/child-maltreatment

(5) Mattos GCM, Ferreira EF, Leite ICG, Greco RM. The inclusion of the oral health team in the Brazilian family health strategy: barriers, advances and challenges. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(2):373-82.

(6) Gilbert R, Kemp A, Thoburn J, Sidebotham P, Radford L, Glaser D, et al. Recognising and responding to child maltreatment. Lancet. 2009;373(9658):167-80.

(7) Moreira GAR, Vieira LJES, Deslandes SF, Pordeus MAJ, Gama IS, Brilhante AVM. Fatores associados à notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na atenção básica. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(10):4267-76.

(8) Belo Horizonte. Mapa de Exclusão Social de Belo Horizonte. Revista Planejar BH. 2006. (acesso em 28 de Fev de 2017). Disponível em: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpTaxonomiaMenuPortal&app=estatisticaseindicadores&lang=pt_BR&pg=7742&tax=25583

(9) Nahas MI, Ribeiro C, Esteves O, Moscovitch S, Martins VL. O mapa da exclusão social de Belo Horizonte: metodologia de construção de um instrumento de gestão urbana. Cad Cienc Soc. 2000; 7(10):75-88.

(10) Russell M, Lazenbatt A, Freeman R, Marcenes W. Child physical abuse: health professionals’ perceptions, diagnosis and responses. Br J Community Nurs. 2004;9(8):332-8.

(11) Lazenbatt A, Freeman R. Recognizing and reporting child physical abuse: A survey of primary healthcare professionals. J Adv Nurs. 2006 Nov;56(3):227-36.

(12) Silva-Oliveira F, Ferreira EF, Mattos FF, Ribeiro MTF, Cota LOM, Vale MP, et al. Adaptação transcultural e reprodutibilidade de questionário para avaliação de conhecimento e atitude de profissionais de saúde frente a casos de abuso físico infantil. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):917-29.

(13) Azevedo MS, Goettems ML, Brito A, Possebon AP, Domingues J, Demarco FF, et al. Child maltreatment: a survey of dentists in southern Brazil. Braz Oral Res. 2012;26(1):5-11.

(14) Luna GLM, Ferreira RC, Vieira LJES. Notificação de maus tratos em crianças e adolescentes por profissionais da Equipe Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(2):481-91.

(15) Flaherty EG, Sege RD, Griffith J, Price LL, Wasserman R, Slora E, et al. From suspicion of physical child abuse to reporting: primary care clinician decision-making. Pediatrics. 2008;122(3):611-9. 

(16) Flaherty EG, Sege R, Price LL, Christoffel KK, Norton DP, O’Connor KG. Pediatrician characteristics associated with child abuse identification and reporting: results from a national survey of pediatricians. Child Maltreat. 2006;11(4):361-9.

(17) Brasil. Presidência da República. Lei nº 8.069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. (acesso em 28 de Fev de 2017) Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm

(18) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.968, de 25 de outubro de 2001. Dispõe sobre a notificação, às autoridades-competentes, de casos de suspeita ou de confirmação de-maus-tratos contra-crianças e adolescentes atendidos nas entidades do Sistema Unido de Saúde. (acesso em 28 de Fev de 2017) Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2001/prt1968_25_10_2001_rep.html

(19) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.271, de 6 de junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. (acesso em 28 de Fev de 2017) Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html.

(20) Sonbol HN, Abu‐Ghazaleh S, Rajab LD, Baqain ZH, Saman R, Al‐Bitar ZB. Knowledge, educational experiences and attitudes towards child abuse amongst Jordanian dentists. Eur J Dent Educ. 2011;16(1):158-65

(21) Fraser JA, Mathews B, Walsh K, Chen L, Dunne M. Factors influencing child abuse and neglect recognition and reporting by nurses: a multivariate analysis. Int J Nurs Stud. 2010;47(2):146-53. 

(22) Cavalcanti AL. Prevalence and characteristics of injuries to the head and orofacial region in physically abused children and adolescents – a retrospective study in a city of the Northeast of Brazil. Dental Traumatol. 2010;26(2):149-53.

(23) Moretti AC, Teixeira FF, Suss FMB, Lawder JAC, Lima LSM, Bueno RE, et al. Intersetorialidade nas ações de promoção de saúde realizadas pelas equipes de saúde bucal de Curitiba-PR. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15 Supl 1:1827-34.

(24) Alvarez KM, Kenny MC, Donohue B, Carpin KM. Why are professionals failing to initiate mandated reports of child maltreatment, and are there any empirically based training programs to assist professionals in the reporting process? Aggress Violent Behav. 2004;9(5):563-78.

(25) Hosseinkhani Z, Nedjat S, Aflatouni A, Mahram M, Majdzadeh R. Socioeconomic inequality and child maltreatment in Iranian schoolchildren. East Mediterr Health J. 2016;21(11):819-27.

(26) Gupta A, Biddala OS, Dwivedi M, Variar P, Singh A, Sen S, et al. Sociodemographic characteristics and aggression quotient among children in conflict with the law in India: a case-control study. Natl Med J India. 2015;28(4):172-5.

(27) Herrenkohl TI, Herrenkohl RC. Examining the overlap and prediction of multiple forms of child maltreatment, stressors, and socioeconomic status: a longitudinal analysis of youth outcomes. J Family Violence. 2007;22(7):553-62.

(28) Alink LRA, Euser S, van IJzendoorn MH, Bakermans-Kranenburg MJ. Is elevated risk of child maltreatment in immigrant families associated with socioeconomic status? Evidence from three sources. Int J Psychol. 2013;48(2):117-27.

(29) Thornberry TP, Matsuda M, Greenman SJ, Augustyn MB, Henry KL, Smith CA, et al. Adolescent risk factors for child maltreatment. Child Abuse Negl. 2014;38(4):706-22.

(30) Brasil. Pesquisa Nacional de Saúde 2013 – Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas – Brasil e Grandes Regiões. IBGE; 2013. (acesso em 28 de Fev de 2017) Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pns/2013_vol3/default.shtm

Downloads

Como Citar

Silva-Oliveira, F., Andrade, C. I., Guimarães, M. O., Ferreira, R. C., Ferreira, E. F. e, & Zarzar, P. M. (2017). Frequência de identificação e notificação de abuso físico infantil por profissionais da Estratégia Saúde da Família e relação com fatores socioeconômicos. Arquivos Em Odontologia, 53. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3742

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 > >>