Uso de equipamentos de proteção individual entre cirurgiões-dentistas de Montes Claros, Brasil

  • Raquel Conceição Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
  • Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
  • Dayanna Lopes Mota Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
  • Rodrigo Dantas Pereira Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
  • Nívia Carla Santos Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
  • Índia Olinta de Azevedo Queiroz Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes

Resumo

Esse estudo avaliou a prevalência e os fatores associados do uso de equipamentos de proteção individual entre os cirurgiões-dentistas e as principais razões alegadas para o não uso. Os cirurgiões-dentistas
em atividade clínica em Montes Claros/MG responderam a um questionário estruturado previamente testado, com variáveis referentes à caracterização do cirurgião-dentista e de sua clientela, ao uso de cada Equipamento
de Proteção Individual (EPI) e aos principais motivos alegados para o não uso de EPI (CEP/Funorte: 001/ 2007). Os dados foram submetidos à análise descritiva, bivariada e análise de Poisson empregando o pacote
estatístico SPSS v. 15.0. Um total de 297 profissionais (89,2%) participou, sendo a maioria do sexo feminino, casados e com especialização como maior titulação. A prevalência de uso de cada um dos EPI 100% do
tempo foi: luvas (88,5%), máscara (81,7%), avental (76,8%), gorro (62,2%) e óculos de proteção (51,9%). O uso de todos os equipamentos, simultaneamente, 100% do tempo, foi relatado por 36,6%. Os motivos mais
comuns para o não uso foram: achar desnecessário para máscara, avental e gorro; dificultam o trabalho para luvas e óculos. Foram significativamente associados ao uso de todos os equipamentos 100% do tempo: sexo
(OR=1,67), realização de pausas entre cada paciente (OR=1,48) e não vacinação contra hepatite B (OR=0,32). O uso de EPI ainda é negligenciado pelos cirurgiões-dentistas de Montes Claros, que justificam o não uso,
principalmente, por considerá-los desnecessários ou dificultadores da prática. O uso de EPI é maior entre mulheres, entre cirurgiões-dentistas que realizam pausas entre cada paciente e naqueles que foram vacinados
contra hepatite B. 

Descritores: Exposição a agentes biológicos. Saúde do trabalhador. Odontologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Conceição Ferreira, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Departamento de Odontologia, Faculdades Unidas do Norte de Minas (Funorte), Montes Claros, MG, Brasil

Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Departamento de Odontologia, Faculdades Unidas do Norte de Minas (Funorte), Montes Claros, MG, Brasil
Dayanna Lopes Mota, Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
Departamento de Odontologia, Faculdades Unidas do Norte de Minas (Funorte), Montes Claros, MG, Brasil
Rodrigo Dantas Pereira, Faculdades Unidas do Norte de Minas - Funorte
Departamento de Odontologia, Faculdades Unidas do Norte de Minas (Funorte), Montes Claros, MG, Brasil
Nívia Carla Santos, Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Índia Olinta de Azevedo Queiroz, Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
Departamento de Medicina, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil

Referências

1. Araujo MWB. Andreana S. Risk and prevention of transmission of infectious diseases in dentistry. Quintessence Int. 2002; 33:376-82.
2. Palenik CJ. Strategic planning for cross infection control. J Contemp Dent Pract. 2000; 1:103.
3. Hu DJ, Kane MA, Heymann DL. Transmission of HIV and Hepatitis B virus and other bloodborne pathogens in health care setting: a review of risk factors and guide lines for prevention. World Health Organization. Bull World Health Organ. 1991; 69:623-30.
4. Ahtone J, Goodman RA. Hepatitis B and dental personnel: transmission to patients and prevention issues. J Am Dent Assoc. 1983; 106:219-22.
5. Hadler SC, Sorley DL, Acree KH, Webster HM, Schable CA, Francis DP et al. An out break of Hepatitis B in a dental practice. Ann Intern
Med. 1981; 5:133-38.
6. Calfee DP. Prevention and management of occupational exposures to Human Immunodeficiency Virus (HIV). Mt Sinai J Med. 2006; 73: 852-56.
7. James J, Crawford. Current status of occupational safety and health administration infection control regulations. Dent Clin North
Am. 1991; 35:309-22.
8. Centers for Disease Control and Prevention. Recommendations for preventing transmission of human immunodeficiency virus and hepatitis B virus to patients during exposure pro invasive
procedures. MMWR. 1991.
9. Campos H, Marcenes WS, Souki BQ, Damasceno CAV, Carvalho MAR, Cisalpino EO. Procedimentos utilizados no controle de
infecção em consultórios odontológicos de Belo Horizonte. Arq Cent Estud Curso Odontol. 1988/ 89; 25/26:46-52.
10. Gibson GB, Noble MA. A pilot survey on compliance with recommended infection control procedures in ninety dental practices in New Zeland. Int Dent J. 1995; 20:15-29.
11. Naidoo S. Dentists and cross infection. J Dent Assoc S Afr. 1997; 16:12-20.
12. Discacciati JAC. Disposiçäo de cirurgiõesdentistas para atender indivíduos em risco para a infecçäo pelo HIV ou com AIDS/ Dentist’s
willingness to treat patients at risk of HIV infection or with AIDS [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Faculdade de Odontologia da
UFMG; 1997.
13. Vignarajah S, Eastmond VH, Ashraph A, Rashad M. An assessment of cross-infection control procedures among English-speaking Caribbean general dental practitioners. A regional preliminary study. Int Dent J. 1998; 48:67-76.
14. McCarthy GM, Koval JJ, MacDonald JK. Occupational injuries and exposures among Canadian dentists: the results of a national survey.
Infect Control Hosp Epidemiol. 1999; 20:331-6.
15. Serra MC, Garcia PPNS, Henriques C, Matsuzaki R. Medidas de proteção utilizadas por cirurgiões-dentistas para o controle da infecção
cruzada no consultório odontológico. ROBRAC. 2000; 9:36-9.
16. Martins AMEBL, Barreto SM. Uso de equipamento de proteção individual entre CD de Montes Claros, MG. Odontologia, Ciência e
Saúde – Revista do CROMG. 2003; 9:123-33.
17. Elkarim IA, Abdulla ZA, Yahia NA, AlQudah A, Ibrahim YE. Basic infection control procedures in dental practice in Khartoum – Sudan. Int Dent J. 2004; 54:413-17.
18. Bellissimo-Rodrigues WT, Bellissimo-Rodrigues F, Machado AA. Occupational exposure to biological fluids among a cohort of Brazilian
dentists. Int Dent J. 2006; 56:332-37.
19. Garcia LP, Blank VLG. Prevalência de exposições ocupacionais de cirurgiões-dentistas e auxiliares de consultório dentário a material
biológico. Cad Saúde Pública. 2006; 22:97-108.
20. Alnegrish A, Momani ASA, Sharafat FAL. Compliance of Jordanian dentists with infection control strategies. Int Dent J. 2008; 58:231-36.
21. Teixeira CS, Pasternak-Júnior B, Silva-Sousa YTC, Correa-Silva SR. Medidas de prevenção pré e pós-exposição a acidentes pérfurocortantes na prática odontológica. Rev Odonto Ciênc.
2008; 23:10-14.
22. Centers for Disease Control and prevention. Recommended infection-control practices for dentistry. 1993. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 1993; 42:1-11.
23. Discacciati JAC, Neves AD, Pordeus IA. Aids e controle de infecção cruzada na prática odontológica: percepção e atitudes dos pacientes.
Rev Odontol Univ São Paulo. 1999; 13:75-82.
24. Yengopal V, Naidoo S, Chikte UM. Infection control among dentists in private practice in Durban. SADJ. 2001; 56:580-4.
25. Garcia LP, Blank VLG, Blank N. Aderência a medidas de proteção individual contra a hepatite B entre cirurgiões-dentistas e auxiliares de
consultório dentário. Rev Bras Epidemiol. 2007; 10:525-35.
26. Farias ABL, Albuquerque FB, Prado MG, Cardoso, SO. Identificação de cuidados preventivos contra as hepatites B e C em cirurgiões-dentistas da cidade do Recife. Rev Fac Odontol P Alegre. 2007; 48:43-7.
27. Rose DA. Usage patterns and perforation rates for 6,396 gloves from intra-operative procedures at San Francisco General
Hospital. Infect Control Hosp Epidemiol. 1994;35:349.
28. Veronesi L, Bonanini M, Dall’Aglio P. Health hazard evaluation in private dental practices: a survey in a province of northern Italy. Acta
Biomed Ateneo Parmense. 2004; 75:50-5.
29. Nunes MF, Freire MCM. Aids e odontologia: conhecimentos e atitudes dos cirurgiõesdentistas. ROBRAC. 1999; 26:7-10.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Ferreira, R. C., Martins, A. M. E. de B. L., Mota, D. L., Pereira, R. D., Santos, N. C., & Queiroz, Índia O. de A. (2016). Uso de equipamentos de proteção individual entre cirurgiões-dentistas de Montes Claros, Brasil. Arquivos Em Odontologia, 46(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3532
Seção
Artigos