Caracterização morfofisiológica de sementes de diferentes cultivares de soja armazenadas sob condições não controladas

Palavras-chave: Qualidade. Armazenamento. Caracteristicas genéticas. Germinação. Glycine max (L.) Merril.

Resumo

É de fundamental importância a utilização de sementes de qualidade para obtenção de uniformidade, plantas vigorosas e, por conseguinte boa produtividade. Estando a qualidade de sementes de soja, diretamente relacionada aos atributos físicos, genéticos, sanitários e fisiológicos, objetivou-se com este trabalho, avaliar as características morfofisiológica e a qualidade de sementes de diferentes cultivares de soja armazenadas durante três meses sob condições não controladas. Foram avaliadas 24 cultivares de soja, em delineamento inteiramente casualizado, quanto a classificação física e morfológica, quanto ao peso de 100 sementes, umidade, teste de peroxidase, germinação, vigor e massa secada raiz e hipocótilo. Após o armazenamento sob condições não controladas a cultivar NS5959IPRO apresentou maior porcentagem de vigor e germinação (99%) e maior peso de massa seca de hipocótilo. Das 24 cultivares avaliadas, 14 se enquadram no limite mínimo de qualidade de sementes para comercialização mesmo sob condições de armazenamento não controladas quanto a temperatura e umidade do ar.

Referências

Alencar, E. R.; Faroni, L. R. D.; Lacerda Filho, A. F.; Peternelli, L. A.; Costa, A. R. 2009. Qualidade dos grãos de soja armazenados em diferentes condições. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e
Ambiental 13: 606–6013. Doi: http://doi.org/10.1590/S1415-43662009000500014.

Alvares, C.A.; Stape, J.L.; Sentelhas, P.C.; Gonçalves, J.L. de M.; Sparovek, G. 2013. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728. Doi: http://dx.doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

Cavalcante, V. S.; Santos, V. R.; Santos Neto, A. L.; Santos, M. A. L.; Santos, C. G.; Costa, L. C. 2012. Biomassa e extração de nutrientes por planta de cobertura. Revista Brasileira de Engenharia agrícola e Ambiental 16: 521-528.Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662012000500008.

Costa. N. P.; Mesquita, C. M.; Maurina, A. C.; França-Neto, J. B.; KrzyzanowskI, F. C.; Henning, A. A. 2011. Qualidade fisiológica, física e sanitária de sementes de soja produzidas no Brasil. Revista Brasileira de Sementes, Brasília 25:128-132. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222003000100020.

Ellis, R. H.; Hong, T. D.; Roberts, E. H.; Soetisna, U. 1991. Seed storage behaviour in Elaeis guineenses. Journal of Experimental Botany 1: 99-104. Doi: https://dx.doi.org/10.1017/S0960258500000726.

Freitas, M. C. M. 2011. A cultura da soja no brasil: o crescimento da produção brasileira e o surgimento de uma nova fronteira agrícola. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer 7: 1-12.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2009. Regras para análise de sementes / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento [MAPA]. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2009. Instrução normativa nº 45, de 17 de setembro de 2013 [MAPA]. Disponível em < http://www.agricultura.gov.br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumos-agricolas/sementes-e-mudas/publicacoes-sementes-e-mudas > Acesso em 14 jun de 2019.

Munizzi, A; Braccini.; A.L.; Rangel, MA. S; Scapim; CA; Albrecht, L.P. 2010. Qualidade de sementes de quatro cultivares de soja, colhidas em dois locais no estado de Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Sementes 32: 176-185. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222010000100020.

Munsell soil color charts [MUNSELL SOIL COLOR COMPANY]. 1975. Baltimore.

Pádua, G. P.; Zito, R. K.; Arantes, N. E.; França – Neto, J. B. 2010. Influência do tamanho da semente na qualidade fisiológica e na produtividade da cultura da soja. Revista Brasileira de Sementes 32: 009-016. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222010000300001.

Rabel, M.; Vieira, E. S. N.; Lana, U. G. P.; Paiva, E.; Sehnem, M. A. S.; Schuster, I. 2010. Marcadores moleculares microssatélites na avaliação de sementes de soja com variação na coloração do hilo. Revista Brasileira de Sementes 32: 019-025. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222010000200002.

R Core Team. R. 201. A language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing.

Santos, A. S.; Souza, E. M.; Féboli, A.; Nogueira, D. C. 2017. Teste de vigor em sementes de três cultivares de soja. Revista Conexão Eletrônica 14: 1-12.

Santos, E. L.; Póla, J. N.; Barros, A. S. R.; Prete, C. E. C. 2007. Qualidade fisiológica e composição química das sementes de soja com variação na cor do tegumento. Revista Brasileira de Sementes 29: 20-26. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222007000100003.

Silva, R. J. L.; Bonacina, R. 2014. Caracterização de cultivares de soja por meio de testes da peroxidase utilizando o método do tegumento e da semente inteira. Revista Eletrônica da Faculdade de Ciências Exatas e da Terra 3: 19-27.

Smaniotto, T. A. S.; Resende, O.; Marçal, K. A. F.; Oliveira, D. E. C.; Simon, G. A. 2014. Qualidade fisiológica de sementes de soja armazenadas em diferentes condições. Revista Brasileiro de Engenharia Agrícola e Ambiental 18: 446 – 453. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662014000400013.

Soares, M.M.; Oliveira, G.L.; Soriano, P.E.; Sekita, M.C.; Sediyama, T. 2013. Performance os soybean plantas as function of seed size: II. Nutricional stress. Journal os Seed Science 35: 419-427. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S2317-15372013000400002.

Vinhal-Freitas, I. C.; NuneS Junior, J. E. G.; Segundo, J. P.; Vilarinho, M. S. 2011. Germinação e vigor de sementes de soja classificadas em diferentes tamanhos. Agropecuária Técnica 32: 108-114. DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v32i1.9567.
Publicado
2019-07-11
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS