Influência do espaçamento em primeira e segunda rotação de eucalipto manejado sob regime de curta rotação

Palavras-chave: Alto fuste, Talhadia, Características dendrométricas, Propriedades da madeira

Resumo

Este estudo teve como objetivo avaliar características dendrométricas e propriedades da madeira do clone 1277 (E. grandis x E. camaldulensis), em duas rotações, manejado em curta rotação em Jataí-GO. Utilizou-se o delineamento em blocos casualizados com seis espaçamentos (3,0 m x 0,5 m; 3,0 m x 1,0 m; 3,0 m x 1,5 m; 3,0 m x 2,0 m; 3,0 m x 2,5 m e 3,0 m x 3,0 m) e três repetições. Em cada rotação, avaliou-se: diâmetro a 1,30 m de altura do solo (DAP), altura total (HT), volume total (VT), densidade básica (DB), poder calorífico superior (PCS) e teores de carbono (C), hidrogênio (H) e oxigênio (O) presentes na madeira. Os dados foram analisados por meio da análise de variância e para efeitos significativos realizou-se o teste de Scott-Knott (a = 5%). O teste t pareado (a = 5%) foi empregado para comparação entre a primeira e a segunda rotação, avaliando-se as características em cada espaçamento. Na primeira rotação, apenas o DAP e VT foram influenciados pelos espaçamentos enquanto que, na segunda rotação, os espaçamentos influenciaram o DAP, o VT e os teores de C, O e H. Em ambas rotações, o DAP foi maior nos espaçamentos mais amplos com maior produção volumétrica ocorreu no espaçamento mais adensado. Comparando as duas rotações, verificou-se, que para grande parte das características avaliadas, houve diferença significativa em todos os espaçamentos, com decréscimos em todas as variáveis dendrométricas e teores de C e H e acréscimo na DB, PCS e teor de O.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edmilson Santos Cruz, Universidade Federal de Jatai, Curso de Engenharia Florestal, Câmpus Jatobá. Jataí, GO. Brasil
     

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. 1984. NBR 8633: carvão vegetal - determinação do poder calorífico. ABNT, Rio de Janeiro.

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. 2003. NBR 11941: madeira - determinação da densidade básica. ABNT, Rio de Janeiro.

Barros, N. F.; Faria, G. E.; Novaes, R. F.; Lima, J. C.; Teixeira, J. L. 2002. Produção e estado nutricional de povoamentos de Eucalyptus grandis, em segunda rotação, em resposta à adubação potássica. Revista Árvore, 26: 577-584.

Bech, N.; Jensen, P. A.; Dam-Johansen, K. 2009. Determining the elemental composition of fuels by bomb calorimetry and the inverse correlation of HHV with elemental composition. Biomass and Bioenergy, 33: 534-537. Doi: https://doi.org/10.1016/j.biombioe.2008.08.015.

Behling, A.; Sanquetta, C. R.; Caron, B. O.; Schmidt, D.; Elli, E. F.; Corte, A. P. D. 2014. Teores de carbono orgânico de três espécies arbóreas em diferentes espaçamentos. Pesquisa Florestal Brasileira, 34: 13-19. Doi: https://doi.org/10.4336/2014.pfb.34.77.562.

Botelho, S. A. 1998. Espaçamento. p. 381-405. In: Scolforo, J. R. S. Manejo florestal. UFLA/FAEPE, Lavras.

Campos, J. C. C.; Leite, H. G. 2017. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 5.ed. UFV, Viçosa.

Couto, L.; Müller, M. D. 2008. Florestas energéticas no Brasil. p. 93-111. In: Cortez, L. A. B.; Lora, E. E. S.; Gómez, E. O. Biomassa para energia. Unicamp, Campinas.

Demirbas, A. 1997. Calculation of higher heating values of biomass fuels. Fuel, 76: 431-434. Doi: https://doi.org/10.1016/S0016-2361(97)85520-2.

Demirbas, A. 2004. Combustion characteristics of different biomass fuels. Progress in Energy and Combustion Science, 30: 219-230. Doi: https://doi.org/10.1016/j.pecs.2003.10.004.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa. 2018. Sistema brasileiro de classificação de solos. 5 ed. EMBRAPA-SPI, Brasília.

Faria, G. E.; Barros, N. F.; Novais, R. F.; Lima, J. C.; Teixeira, J. L. 2002. Produção e estado nutricional de povoamentos de Eucalyptus grandis, em segunda rotação, em resposta à adubação potássica. Revista Árvore, 26: 577-584.

Gonçalves, J. L. M.; Alvares, C. A.; Behling, M.; Alves, J. M.; Pizzi, G. T.; Angeli, A. 2014. Produtividade de plantações de eucalipto manejadas nos sistemas de alto fuste e talhadia, em função de fatores edafoclimáticos. Scientia Florestalis, 42: 411-419.

Guedes, I. C. L.; Coelho Júnior, L. M.; Oliveira, A. D.; Mello, J. M.; Rezende, J. L. P.; Silva, C. P. C. 2011. Economic analysis of replacement regeneration and coppice regeneration in eucalyptus stands under risk conditions. Cerne, 17: 393-401. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602011000300014.

Indústria Brasileira de Árvores – IBÁ. 2017. Relatório 2017. Disponível em: https://www.iba.org/publicacoes/relatorios.

Indústria Brasileira de Árvores – IBÁ. 2019. Relatório 2019. Disponível em: https://www.iba.org/publicacoes/relatorios.

Klock, V.; Muñiz, G. I. B.; Hernandez, J. A.; Andrade, A. S. 2005. Química da madeira. 3.ed. UFPR, Curitiba. Disponível em: https://bit.ly/2SqOS0p.

Leite, F. P.; Barros, N. F.; Novais, R. F.; Sans, L. M. A.; Fabres, A. S. 1997. Crescimento de Eucalyptus grandis em diferentes densidades populacionais. Revista Árvore, 21: 313-321.

Leles, P. S. S.; Reis, G. G.; Reis, M. G. F.; Morais, E. J. 2001. Crescimento, produção e alocação de matéria seca de Eucalyptus camaldulensis e Eucalyptus pellita sob diferentes espaçamentos na região de cerrado, MG. Scientia Forestalis, 59: 77-87.

Lopes, E. D.; Laia, M. L.; Santos, A. S.; Soares, G. M.; Leite, R. W. P.; Martins, N. S. 2017. Influência do espaçamento de plantio na produção energética de clones de Corymbia e Eucalyptus. Floresta, 47: 95-104. Doi: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v47i1.47141.

Macedo, I. C. 2003. Estado da arte e tendências tecnológicas para energia CTEnerg, Brasília. Disponível em: https://bit.ly/2S9ayiM.

Melo, R. X. 2016. Avaliação de um sistema florestal de curta rotação de Eucalyptus spp. em função da desbrota e adubação. Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 52f. Dissertação Mestrado. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/138336.

Müller, M. D.; Couto, L.; Neves, J. C. L. 2005a. Produção de biomassa e balanço nutricional de plantações de eucalipto clonal em diferentes densidades de plantio no município de Itamarandiba-MG. Biomassa & Energia, 2: 91-101.

Müller, M. D.; Couto, L.; Leite, H. G.; Brito, J. O. 2005b. Avaliação de um clone de eucalipto estabelecido em diferentes densidades de plantio para produção de biomassa e energia. Biomassa & Energia, 2: 177-186.

Nordin, A. 1994. Chemical elemental characteristics of biomass fuels. Biomass and Bioenergy, 6: 339-347. Doi: https://doi.org/10.1016/0961-9534(94)E0031-M.

Paixão, F. A.; Soares, C. P. B.; Jacovine, L. A. G.; Silva, M. L.; Leite, H. G.; Silva, G. F. 2006. Quantificação do estoque de carbono e avaliação econômica de diferentes alternativas de manejo em um plantio de eucalipto. Revista Árvore, 30: 411-420.

Paula, L. E. R.; Trugilho, P. F.; Napoli, A.; Bianchi, M. L. 2011. Characterization of residues from plant biomass for use in energy generation. Cerne, 17: 237-246. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602011000200012.

Paulino, E. J. 2012. Influência do espaçamento e da idade na produção de biomassa e na rotação econômica em plantio de eucalipto. Diamantina: Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 54f. Dissertação Mestrado. Disponível em: https://bit.ly/38fEHmc.

Pereira, J. M. M.; Santos, G. P. 2008. Aspectos socioeconômicos do setor florestal brasileiro. Informe Agropecuário, 29: 7-13.

Prevedello, J.; Kaiser, D. R.; Reinert, D. J.; Vogelmann, E. S.; Fontanela, E.; Reichert, J. M. 2013. Manejo do solo e crescimento inicial de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden em argissolo. Ciência Florestal, 23: 129-138. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/198050988447.

Protásio, T. P.; Bufalino, L.; Tonoli, G. H. D.; Couto, A. M.; Trugilho, P. F.; Guimarães Júnior, M. 2011. Relação entre o poder calorífico superior e os componentes elementares e minerais da biomassa vegetal. Pesquisa Florestal Brasileira, 31: 122-133. Doi: http://dx.doi.org/10.4336/2011.pfb.31.66.113.

Protásio, T. P.; Neves, T. A.; Reis, A. A.; Trugilho, P. F. 2014. Efeito da idade e clone na qualidade da madeira de Eucalyptus spp. visando à produção de bioenergia. Ciência Florestal, 24: 465-477. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/1980509814587.

Ragland, K. W.; Aerts, D. J.; Baker, A. J. 1991. Properties of wood for combustion analysis. Bioresource Technology, 37: 161-168. Doi: https://doi.org/10.1016/0960-8524(91)90205-X.

Reiner, D. A.; Silveira, E. R.; Szabo, M. S. 2011. O uso do eucalipto em diferentes espaçamentos como alternativa de renda e suprimento da pequena propriedade na região do sudeste do Paraná. Synergismus Scyentífica, 6: 1-7.

Reis, A. A.; Protásio, T. P.; Melo, I. C. N. A.; Trugilho, P. F.; Carneiro, A. C. O. 2012. Composição da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus urophylla em diferentes locais de plantio. Pesquisa Florestal Brasileira, 32: 277-290. Doi: https://doi.org/10.4336/2012.pfb.32.71.277.

Rocha, M. F. V.; Vital, B. R.; Carneiro, A. C. O.; Carvalho, A. M. M. L.; Nogueira, G. S.; Couto, L. 2012. Efeito da idade e do espaçamento nas propriedades da madeira para energia. Biomassa & Energia, 5: 27-33.

Scolforo, J. R. S. 2008. O mundo eucalipto: os fatos e mitos de sua cultura. Mar de Idéias, Rio de Janeiro.

Sereghetti, G. C.; Lanças, K. P.; Sartori, M. S.; Rezende, M. A.; Soler, R. R. 2015. Efeito do espaçamento no crescimento e na densidade básica da madeira de Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis em florestas de ciclo curto. Energia na Agricultura, 30: 257-262. Doi: https://doi.org/10.17224/EnergAgric.2015v30n3p257-262.

Silva, P. H. M.; Angeli, A. 2006. Implantação e manejo de florestas comerciais. Disponível em: https://bit.ly/3791LBm.

Stape, J. L.; Binkley, D.; Ryan, M. G.; Fonseca, R. A.; Loos; R. A.; Takahashi, E. N.; Silva, C. R.; Silva, S. R.; Hakamada, R. E.; Ferreira, J. M. A.; Lima, A. M. N.; Gava, J. L.; Leite, F. P.; Andrade, H. B.; Alves, J. M.; Silva, G. G. C.; Azevedo, M. R. 2010. The Brazil eucalyptus potential productivity project: influence of water, nutrients and stand uniformity on wood production. Forest Ecology and Management, 259: 1684-1694. Doi: https://doi.org/10.1016/j.foreco.2010.01.012.

Trugilho, P. F.; Silva, J. R. M.; Mori, F. A.; Lima, J. T.; Mendes, L. M.; Mendes, L. F. B. 2005. Rendimentos e características do carvão vegetal em função da posição radial de amostragem em clones de Eucalyptus. Cerne, 11: 178-186.

Valle, M. L. A. 2009. Propriedades da madeira de eucalipto de primeira e segunda rotação, visando a sua utilização como madeira preservada. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa. 80f. Dissertação Mestrado em Ciência Floresta. Disponível em: https://bit.ly/39h6AtV.

Vechi, A.; Magalhães Júnior, C. A. O. 2018. Aspectos positivos e negativos da cultura do eucalipto e os efeitos ambientais do seu cultivo. Revista Valore, 3: 495-507. Doi: https://doi.org/10.22408/reva312018101495-507.
Publicado
2020-07-31
Como Citar
Guimarães, V. M., Soares, T. S., & Cruz, E. S. (2020). Influência do espaçamento em primeira e segunda rotação de eucalipto manejado sob regime de curta rotação. Caderno De Ciências Agrárias, 12, 1-10. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.19247
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS