Diagnóstico ambiental de nascentes em uma bacia hidrográfica do Cerrado brasileiro

Autores

  • Fernanda Laurinda Valadares Ferreira Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Engenharia Agrícola. Viçosa, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3206-8467
  • Francielle de Cássia Coelho Vieira Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3656-1793
  • Izabelle de Paula Sousa Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Engenharia Agrícola. Viçosa, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5176-4612
  • Flávio Pimenta Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7147-7821
  • Leidivan Almeida Frazão Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6848-9007

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.20739

Palavras-chave:

Atividades antrópicas, Condições de degradação, Ações mitigadoras

Resumo

O processo de ocupação demográfica no Brasil em sua maioria é caracterizado pela falta de planejamento, ocorrendo de forma desordenada e com ocupações inadequadas, resultando em danos aos recursos naturais. Este processo é recorrente no Bioma Cerrado, atualmente a fronteira agrícola do país. Assim, objetivou-se com este trabalho, identificar as atividades antrópicas e classificar o estado de conservação nas áreas de nascentes e entorno de uma bacia hidrográfica inserida no bioma Cerrado, e propor medidas para prevenir e controlar os diferentes processos de degradações. No período de fevereiro a julho de 2016, foram realizadas visitas em 37 nascentes e seus entornos, localizadas na bacia do rio Santa Fé de Minas. Foram identificados impactos das ações antrópicas de forma direta ou indireta, classificando as áreas de acordo com o estado de conservação: preservada, antropizada e degradada. Todos os locais visitados possuíam algum tipo de interferência negativa proveniente de atividades antrópicas. As atividades de maior recorrência foram estradas não pavimentadas, monocultivo de eucalipto e bovinocultura. De acordo com a classificação, apenas 6% das áreas foram classificadas como preservadas, enquanto 70% estavam antropizadas e 24% degradadas. Os principais tipos de degradações encontrados foram erosões em diferentes estágios, compactação e assoreamento. Além disso, foi constatado que nenhuma prática conservacionista é adotada nas áreas. Portanto, para reduzir ou evitar futuras degradações na bacia foram propostas medidas mitigadoras, como o isolamento das nascentes e seu entorno, adequação de estradas e áreas de plantio de eucalipto, e manutenção das áreas de preservação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francielle de Cássia Coelho Vieira, Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil.



Izabelle de Paula Sousa, Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Engenharia Agrícola. Viçosa, MG. Brasil.



Referências

Aguiar, S.; Santos, L. de S.; Arêdes, N.; Silva, S. 2016. Redes-Bioma: Informação e Comunicação para ação sociopolítica em ecorregiões. Ambiente & Sociedade, 19:3, 231-248. Doi: https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC20140004V1932016

Albuquerque, R. de A.; Carvalho, F. A. de; Ximenes, T. C. F.; Lafayette, K. P. V. 2017. Temporal Evolution of Occupation and Land Use in na Area of Risk Slope’s in the City of Jabotão dos Guararapes – Brazil. Eletronic Journal of Geotechnical Engineering, 22:03, 809-818. Doi: http://www.ejge.com/2017/Ppr2017.0066ma.pdf

Almeida Filho, G. S. de. 2015. Controle de Erosão. Fundações & Obras Geotécnicas, 5:54, 66-81.

Araújo, L. E. de; Santos M. J. dos; Duarte, S. M.; Oliveira, E. M. 2009. Impactos ambientais em bacias hidrográficas – caso da bacia do Rio Paraíba. TECNO-LÓGICA, 13:2, 109-115. Doi: http://dx.doi.org/10.17058/tecnolog.v13i2.855

Ayer, J. E. B.; Olivetti, D.; Mincato, R. L.; Silva, M. L. N. 2015. Erosão hídrica em Latossolos Vermelhos distróficos. Pesquisa Agropecuária Tropical, 45:2, 180-191. Doi: https://doi.org/10.1590/1983-40632015v4531197

Brasil. 2012. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm >. Acesso em: 05 dez 2019.

Calaça, A.; Silva, D. A.; Oliveira, S. R.; Melo, F. R. de. 2018. Mammals recorded in isolated remnants of Atlantic Forest in southern Goiás, Brazil. Biota Neotropica, 19:1. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1676-0611-bn-2018-0575

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. 2002. Resolução nº3003, de 20 de março de 2002. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=299>. Acesso em: 05 dez 2019.

Capoane, V.; Santos, D. R. dos. 2013. Usos antrópicos em áreas de preservação permanente: estudo de caso em um assentamento de reforma agrária. Revista Extensão Rural, 20:7-23. Doi: https://periodicos.ufsm.br/extensaorural/article/view/8568

Carvalho, A. P. V.; Brumatti, D. V.; Dias, H. C. T. 2012. Importância do manejo da bacia hidrográfica e da determinação de processos hidrológicos. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável (RBAS), 2:2, 148-156. Doi: https://doi.org/10.21206/rbas.v2i2.177

Cota, L. Da S.; Amaral, D. R. B. 2018. A importância e os impactos oriundos da implantação de barragens de terra–estudo de caso: barragem Norida Vieira de Lima. Humanidades & Tecnologia Em Revista, 12, 66-83. Doi: https://www.finom.edu.br/assets/site/paginas/files/downloads/20180625150641.pdf#page=66

Cunha, M. C. Da; Thomaz, E. L.; Vestena, L. R. 2013. Erosion control measures of rural roads in the Rio das Pedras basin, Guarapuava, Paraná (Brazil). Sociedade & Natureza, 25:1, 107-118. Doi: https://doi.org/10.1590/S1982-45132013000100009

Dotterweich, M. 2012. High resolution gully erosion and sedimentation processes, and land use changes since the Bronze Age and future trajectories in the Kazimierz Dolny area (NałęczówPlateau, SE-Poland). Catena, 95:1, 50-62. Doi: https://doi.org/10.1016/j.catena.2012.03.001

Enriquez, G. A; Silva, D. P. Da; Pruski, F. F.; Griebeler, N. P.; Cecon, P. R. 2015. Erodibilidade e tensão crítica de cisalhamento no canal de drenagem de estrada rural não pavimentada. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19:2, 160-165. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n2p160-165

Fernandes, M. M.; Ceddia, M. B.; Francelino, M. R.; Fernandes, M. R. de M. 2015. Diagnóstico ambiental da faixa ciliar e qualidade de água de duas microbacias utilizadas para abastecimento humano. Irriga, 20:1, 128-138. Doi: https://doi.org/10.15809/irriga.2015v20n1p128

Ferreira, F. L. V.; Rodrigues, L. N.; Almeida, L. T. de; Teixeira, D. B. de S. 2020. Trend in hydrological series and changes in land use and land cover in the Guanhães, Minas Gerais river basin. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, 3:2, 447-459. Doi: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n2-004

Ferreira, R. Q. de S.; Batista, E. C.; Souza, P. A.; Souza, P. B.; Santos, A. F. dos. 2015. Diagnóstico ambiental do córrego Mutuca, Gurupi – TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 10:4, 08-12. Doi: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i4.3146

Galatto, S. L.; Alexandre, N, Z.; Pereira, J. L.; Patrício, T. B.; Vassiliou, M.; Fernandes, A. N.; Frassetto, J.; Valvassori, M. L. 2011. Diagnóstico ambiental de nascentes no município de Criciúma, Santa Catarina. Revista de Ciências Ambientais, 5:1, 39-56. Doi: http://dx.doi.org/10.18316/136

Garcia, Y. M; Campos, S.; Spadotto, A. J.; Campos, M. de; Silveira, G. R. P. de. 2015. Caracterização de conflitos de uso do solo em APPs na bacia hidrográfica do córrego Barra Seca (Pederneiras/SP). Revista Energia na Agricultura, 30:1, 68-73. Doi: https://doi.org/10.17224/EnergAgric.2015v30n1p68-73

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Informações completas, 2010. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br>. Acesso em: 05 jun 2019.

IGAM - Instituto Mineiro de Gestão das Águas. 2006. Plano diretor de recursos hídricos da bacia hidrográfica do Rio Paracatu: Resumo Executivo. Belo Horizonte: Instituto Mineiro de Gestão das Águas, 2006. 385 p. Doi: http://www.repositorioigam.meioambiente.mg.gov.br/handle/123456789/677

Köppen, W. 1936. Das geographische system der klimate. In: Handbuch der klimatologie, Köppen, W.; Geiger, R. (Eds.), GebruderBorntrager, Berlin, 1, 1–44, part C. Doi: http://koeppen-geiger.vu-wien.ac.at/pdf/Koppen_1936.pdf

Maeda, S.; Medrado, M. J. S. 2017. Plantações florestais comerciais e o solo. In: OLIVEIRA, Y. M. M. De; OLIVEIRA, E. B. de (ed.). Plantações florestais: geração de benefícios com baixo impacto ambiental. Brasília, DF: Embrapa. 2, 21-30. Doi: http://acr.org.br/download/biblioteca/01.pdf

Mendes, T. A.; Mariano, J. V.; Marques, P. H. G.; Santos, L. De P. S. 2016. Diagnóstico ambiental da área de preservação permanente da nascente do córrego Almeida utilizando ferramenta de geoprocessamento (Aparecida de Goiânia-GO). Ciência e Natura, 38:3. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X22867

Morais, R. C. De S.; Sales, M. C. L. 2017. Estimativa do potencial natural de erosão dos solos da bacia hidrográfica do Alto Gurguéia, Piauí-Brasil, com uso de Sistema de Informação Geográfica. Caderno de Geografia, 27:1, 84-105. Doi: https://doi.org/10.5752/p.2318-2962.2017v27nesp1p84

Mota, A. R.; Camargo, M. O.; Souza, P. A. de; Souza, P. B De.; Santos, A. F. dos. 2016. Diagnóstico ambiental no córrego Bacaba, Talismã-TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 11:1, 14-19. Doi: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v11i1.3893

Moura, V.; Silva, J. P. C.; Rosell, E. C. F.; Alves, W. W. de A. 2017. Análise multitemporal do uso e ocupação do solo em Áreas de Preservação Permanente (APP) na bacia do rio Piranha, São Miguel do Guaporé, Rondônia (RO), Brasil. Revista Geográfica Venezolana, 58:2, 414-429. Doi: https://www.redalyc.org/pdf/3477/347753793010.pdf

Nunes, H. K. B.; Gomes, M. L.; Paula, J. E. A. 2014. Assoreamento e formação de bancos de areia no leito do rio Parnaíba, na zona urbana de Teresina-Piauí. Revista Geonorte, 10:1, 156-160. Doi: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/1537/1419

Palivoda, A. P.; Povaluk, M. 2015. Avaliação do estado de conservação de nascentes localizadas em áreas rurais do município de Itaiópolis, SC. Saúde e Meio Ambiente, 4:1, 17-31. Doi: http://www.periodicos.unc.br/index.php/sma/article/view/609

Pinto, L.V. A. 2003. Caracterização física da sub-bacia do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG, e propostas de recuperação de suas nascentes.165. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras. Doi: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/28095

Pruski, F. F. 2009. Prejuízos decorrentes da erosão hídrica e tolerância de perdas de solo. In: Pruski, F. F. (ed.). Conservação do solo e água: práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica. 2. ed. Viçosa: Ed.: UFV. 1, 13-23.

Silva, A. J.; Monteiro, M. S. L.; Silva, M. V. 2015a. Contrapontos da consolidação do agronegócio no cerrado brasileiro. Sociedade e Território, 27:3, 95–114. Doi: https://periodicos.ufrn.br/sociedadeeterritorio/article/view/7302

Silva Junior, C. H. L.; Freire, A. T. G.; Mendes, J. J. 2015. Lógica Fuzzy e processo analítico hierárquico–AHP na avaliação da qualidade ambiental de nascentes. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 19:2, 292-303. Doi: 10.5902/2236117016849

Silva, J. De C.; Castro, V. R. de; Xavier, B. 2008. A. Cartilha do Fazendeiro Florestal. 2. ed. Viçosa: Ednilton Lopes Fialho, 44. Doi: http://www.ciflorestas.com.br/arquivos/doc_cartilha_2008_27219.pdf

Silva. J. L.; Tonello, K. C.; Valente, R. A.; Mingote, R. 2016. Diagnóstico ambiental como subsídio à restauração floresta e manutenção hidrológica da bacia do ribeirão dos Pinheirinhos, Brotas – SP. Irriga, 21:1, 1-13. Doi: https://doi.org/10.15809/irriga.2016v21n1p1-13

Silva, M. L. N.; Cândico, B. M.; Curi, N.; Batista, P. V. G. 2015b. Erosão hídrica em talhões e estradas florestas: monitoramento, causas e controle. Série técnica IPEF, 23:44. Doi: https://www.researchgate.net/publication/290434501_Erosao_hidrica_em_talhoes_e_estradas_florestais_monitoramento_causas_e_controle

Silva, T. G. N.; Gama, R. Da C.; Teixeira, L. G.; Santos, G. R. Dos; Sousa, R. M De; Souza, P. B. de. 2018. Diagnóstico ambiental de uma área de proteção permanente (app), Formoso do Araguaia–TO. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 16:2. Doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v16i2.4619

Taveira, L. S.; Diniz Jr, G. M. 2012. O impacto ambiental causado pela rede viária. In: Hammes, V. S. (ed.). Julgar: percepção do impacto ambiental. 3 ed. Brasília, DF: Embrapa, 251-254.

Vieira, C. L.; Verdum, R. 2015. Arenização e erosão hídrica no sudoeste do Rio Grande do Sul: análise dos agentes condicionantes e considerações básicas para intervenções mecânico-vegetativas. Revista de Geografia, 32:1. Doi: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/view/229134/23533

Vital, M. H. F. 2007.Impacto Ambiental de Florestas de Eucalipto. Revista do BNDES, 14:28, 235-276. Doi: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/12554

Publicado

2020-09-25

Como Citar

Ferreira, F. L. V., Vieira, F. de C. C. ., Sousa, I. de P. ., Figueiredo, F. P. ., & Frazão, L. A. . (2020). Diagnóstico ambiental de nascentes em uma bacia hidrográfica do Cerrado brasileiro. Caderno De Ciências Agrárias, 12, 1–11. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.20739

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS