O time como comunidade luminosa: "A turma da Rua Quinze" e "Aventura no Império do Sol"

  • Tânia Sarmento-Pantoja Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Futebol, Cinema, Literatura, Desaparecimento.

Resumo

Este artigo analisa A turma da Rua Quinze (1989), de Marçal Aquino, e Aventura no império do Sol (1989), de Silvia Cintra Franco, romances originariamente publicados pela Coleção Vaga-Lume. Em ambos observamos que o jogo – representado pelo futebol e o voleibol – está incorporado ao cotidiano e mesmo ao patrimônio cultural dos personagens, como “elemento estruturante” (CORNELSEN, 2012) de uma educação para vida, que envolve uma ética das relações pessoais e a formação para a sobrevivência, na medida em que mesmo pertencendo a um time, os personagens passam a atuar como uma “comunidade luminosa” (FIGUEIREDO, 2016).

Biografia do Autor

Tânia Sarmento-Pantoja, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Pará (1995), mestrado em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (1999) e doutorado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005). Atualmente, é professora Associada I I da Universidade Federal do Pará atuando na Graduação e na Pós-Graduação. Possui experiência na área de Letras, com ênfase em narrativas de resistência produzidas nos séculos XX e XXI. Desenvolve pesquisa nos seguintes tópicos: narrativa de resistência, narrativa pós-ditatorial, metaficção historiográfica. Foi Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Literatura Comparada - ABRALIC (2014-2015). É Bolsista Produtividade em Pesquisa - CNPQ (CALL 2). É líder do Grupo de Pesquisa NARRARES - Estudos sobre narrativa de resistência.

Publicado
2018-06-11