“Tudo é um jogo” diferentes contornos da relação entre violência e futebol em dois escritores da Amazônia brasileira

Conteúdo do artigo principal

Tânia Sarmento-Pantoja

Resumo

Uma das características mais proeminentes da literatura produzida nas últimas décadas é a relação de partilha que a ficção estabelece com as matérias historiográficas, seja para agregar e ressignificar o dado histórico, seja para evidenciar a precariedade ou a violência como fenômenos sociais, recortados de certas realidades, aspectos que nos parecem bastante adequados para uma reflexão – sempre atual – sobre futebol como mediador especulativo. Nesse sentido, o presente estudo analisa a produção de dois escritores que trazem diferentes cenários sociais da Amazônia brasileira para suas narrativas literárias, aliados à captura do universo futebolístico. Esses escritores são Clei Souza, com o conto “O jogo”, que integra a coletânea O suicidado e outras histórias (2021) e Ademir Braz, com o conto “Finalzinho de carreira”, que está na coletânea A bela dos moinhos azuis (2015). Seja no tratamento minucioso que Braz dá às precariedades que assolam a forma de vida amazônida; seja nas experiências insuportáveis, coladas à vida (violentamente) interrompida, no caso dos recortes propostos por Souza; em ambos os contos, o futebol se comunica ou é comunicado através das diatribes de alguma forma de violência, facilmente identificada na integração com os cenários sociais e, portanto, posicionado em uma chave residual e espectral na cultura e na sociedade brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SARMENTO-PANTOJA, T. “Tudo é um jogo”: diferentes contornos da relação entre violência e futebol em dois escritores da Amazônia brasileira. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 9, n. 2, p. 131–144, 2024. DOI: 10.35699/2526-4494.2024.49221. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/49221. Acesso em: 14 jul. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

BARREIRA, César. Crimes por encomenda: violência e pistolagem no cenário brasileiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política, 1998.

BARROS, Clarissa D. A beleza e a feiura na contemporaneidade. Diálogos, n. 9, 2013.

BRAZ, Ademir. “Finalzinho de carreira”. In: ______. A bela dos moinhos azuis. Marabá: Editorial Iguana, 2015.

ECO, Umberto. História da feiura. Rio de Janeiro: Editora Record, 2015.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Apagar os rastros, recolher os restos. In: GINZ-BURG, Jaime; SEDLMAYER, Sabrina. (Org.). Walter Benjamin: rastro, aura e história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

OLIVEIRA, Nelson. As existências mínimas e o cadafalso. In: SOUZA, Clei. O suicidado e outras histórias. Belém: Mezanino Editorial, 2021.

SALGADO, Vitor Lourenço Rodriguez. Bolas de papel: sociedade, gênero e território em contos de futebol argentinos. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatinas da UFRJ, Rio de Janeiro, 2018.

SILVA, Idelma Santiago da. Fronteiras culturais: alteridades de migrantes nor-destinos e sulistas na região de Marabá. Espaço Plural, v. 7, n. 15, 2006.

SILVA, Marcimendes M. da. Suicídio: trama da comunicação. Ed. Livrus, 2017.

SILVA, Verônica Guimarães Brandão da. A cultura brasileira do feio: por uma noção de beleza ampliada. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UnB, Brasília, 2017.

SOUZA, Clei. O suicidado e outras histórias. Belém: Mezanino Editorial, 2021.

STRATICO, Fernando. O texto abjeto e performativo do futebol e da poesia. Aletria, v. 22, n. 2, 2012.

RIGHETO, Carla. Árbitros: vilões ou mediadores do espetáculo? Dissertação (Mestrado), Faculdade de Educação Física, UNICAMP, Campinas, 2016.