A composição dos dias de jogos da Arena do Grêmio na vida de moradores e não moradores das imediações do estádio

Main Article Content

Daiane Grillo Martins
Alan Goularte Knuth

Resumo

Nos dias de jogos de futebol, a apropriação dos territórios por torcedores pode se estender para além do interior dos estádios, ocupando suas imediações. Realizamos uma pesquisa etnográfica com o objetivo de compreender a apropriação das imediações da Arena do Grêmio, nos períodos que antecedem os jogos, bem como a descrição de aspectos da vida de moradores e não moradores das imediações do estádio. Consideramos que o território dos dias de jogos na Arena compõe as vidas de moradores das imediações do estádio, de outros bairros de Porto Alegre/RS, cidades e estados. São gremistas, torcedores aliados, guardadores, catadores, comerciantes e demais sujeitos que se relacionam entre si. O território é constituído pelas nuances de suas ambiguidades, pela multiplicidade das inter-relações de sociabilidade e pelas relações comerciais, significados e pertencimentos inerentes à apropriação e dominação do espaço, tramadas nas redes da multiterritorialidade.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Martins, D. G., & Knuth, A. G. (2021). A composição dos dias de jogos da Arena do Grêmio na vida de moradores e não moradores das imediações do estádio. FuLiA / UFMG, 5(2), 13–34. https://doi.org/10.35699/2526-4494.2020.21822 (Original work published 30º de janeiro de 2021)
Seção
DOSSIÊ

Referências

ANGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BAUMAN, Zygmunt; MAY, Tim. Aprendendo a pensar com a Sociologia; tradução Alexandre Werneck. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BIANCH, Greison. Agentes e práticas da organização capitalista do espaço o espetáculo do bairro Humaitá. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

DAMO, Arlei Sander. Senso de jogo. Esporte e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 1, p. 1-43, 2006.

DAMO, Arlei Sander. Futebol e identidade social: uma leitura antropológica das rivalidades entre torcedores e clubes. Porto Alegre, Ed. Universidade/ UFRGS, 2002.

DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Aderaldo & Rothschild: Anpocs, 2007.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

GONÇALVES, Marcelino Andrade. O trabalho no lixo. Tese de Doutorado em Geografia. Presidente Prudente: FCT/UNESP, 2006.

GOMES. Edlaine de Campos; MENEZES, Rachel Aisengart. Etnografias possíveis: “estar” ou “ser” de dentro. Ponto Urbe, Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, 2008.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

HAESBAERT, Rogério. Território e multiterritorialidade: um debate. Geographia, ano IX, n. 17, 2007.

MARTINS, Daiane Grillo; KNUTH, Alan Goularte. Manifestações torcedoras e território: configurações das imediações da Arena do Grêmio, Revista Movimento, Porto Alegre, v. 26, 2020.

MARTINS, Daniella Paula. O Humaitá de ontem, de hoje e de amanhã. Dissertação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2010.

MARTINS, Heloísa Helena de Souza. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 289-300, 2004.

MASCARENHAS, Gilmar. Construindo a pátria de chuteiras: elementos para uma geografia da difusão do futebol no Brasil. In: SCHÄFFER, Neiva et al. (Orgs). Ensinar e Aprender Geografia. Porto Alegre: AGB, 1998, p. 93-103.

MASCARENHAS, Gilmar. A Geografia e os esportes: uma pequena agenda e amplos horizontes. Conexões – Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, v. 1, n. 2, p. 47-61, 1999.

MASCARENHAS, Gilmar. À Geografia dos esportes: uma introdução. Scripta Nova – Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona, n. 35, 1999b.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora Unesp, 2006.

RODRIGUES, Francisco Carvalho dos Santos. Amizade, trago e alento – A Torcida Geral do Grêmio (2001-2011) da rebeldia à institucionalização: mudanças na relação entre torcedores e clubes no campo esportivo brasileiro. 142 p. Dissertação. Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado, fundamentos teórico e metodológico da geografia. Hucitec. São Paulo, 1988.

SILVA, Helio. A situação etnográfica: andar e ver. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 15, n. 32, p. 171-188, 2009.

SILVA, Silvio Ricardo da. A construção social da paixão no futebol: o caso do Vasco da Gama. In: DAOLIO, Jocimar. (Org). Futebol, cultura e sociedade. Campinas, SP: autores associados, 2005.

SOUZA, Eduardo Araripe Pacheco de. Fazer alianças, uma escolha determinante entre o protagonismo e a invisibilidade dos grupos organizados de torcedores de futebol no Brasil. Tese. Programa de pós-graduação em Antropologia da UFPE, Recife, 2016.

TOLEDO. Luiz Henrique de. Quase lá: a Copa do Mundo no Itaquerão e os impactos de um megaevento na socialidade torcedora. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 19, n. 40, p. 119-148, 2013.