A escrita feminina na coletânea "Onze em campo e um banco de primeira”

Conteúdo do artigo principal

Augusto Sarmento-Pantoja

Resumo

O presente estudo se concentra em analisar, formas da resistência na coletânea: Onze em campo e um banco de primeira, publicado em 1998. Neste estudo observamos como as escritoras brasileiras construíram suas leituras da realidade política, social e cultural brasileira sob as lentes femininas do futebol. A obra apresenta o olhar, de 13 escritores e três escritoras, sobre a temática do futebol, com textos que vão muito além das quatro linhas, pois expressam os efeitos do fim do regime ditatorial na sociedade brasileira, além das questões sobre a política, cultura e as paixões envoltas ao futebol. Nos deteremos a analisar os contos: “Aguenta coração”, de Hilda Hilst, “Escanteio”, de Ana Maria Martins e “Que horas são?”, de Edla Van Steen, em busca de compreender como o tema do futebol será narrado para expressar várias outras formas de resistência ao autoritarismo social e de resistências em suas escritas, e como as autoras constroem significações e resistências em um campo temático, no qual as mulheres ainda têm sido alijadas e subalternizadas, nesse sentido, trataremos também da recuperação do debate sobre a proibição do futebol feminino em 1941, como resultado da expansão da participação de mulheres no esporte, evidenciado nos jornais, por conta da realização das primeiras partidas no estado de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SARMENTO-PANTOJA, A. A escrita feminina na coletânea "Onze em campo e um banco de primeira”. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 9, n. 2, p. 159–184, 2024. DOI: 10.35699/2526-4494.2024.49230. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/49230. Acesso em: 14 jul. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Augusto Sarmento-Pantoja, Universidade Federal do Pará

Professor Adjunto IV, de Literatura, da Universidade Federal do Pará (UFPA), Faculdade de Letras (FALE) e Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), no Instituto de Letras e Comunicação (ILC). Realizou Pós-doutorado em 2019-2020-2021, no Centro de Estudos Comparatista, da Universidade de Lisboa (ULisboa), em Portugal. Doutor em Teoria e História da Literatura pela Universidade de Campinas (UNICAMP). Mestre em Letras - Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Líder do grupo de Pesquisa Estéticas, Performances e Hibridismos (ESPERHI) e pesquisador do grupo Estudos de Narrativas de Resistência (NARRARES). Coordenou o Programa de Pós-Graduação Cidades, Territórios e Identidades (PPGCITI) e foi o vice-coordenador do Programa de Pós-graduação em Letras - PPGL. Tem experiência com diversas modalidades de Arte, com ênfase em Dramaturgia, Cinema e Literatura, atuando principalmente nas seguintes áreas: teoria literária, literatura brasileira, literatura portuguesa, teatro, cinema, procedimentos metodológicos em língua e literatura, Recepção crítica, cultura, semiótica literária, articulações da literatura com outras artes e performance. Pesquisador de Teatro e suas implicações na contemporaneidade; Teatro Clássico; Teatro de Resistência; Teatro de Expressão Amazônica; Trauma; Testemunho; Narrativa de Resistência; Performance; Espetacularização; Narratividade e Visualidade na Amazônia

Share |

Referências

A BATALHA. Rio de Janeiro, 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Quando é dia de futebol. Rio de Janeiro: Record, 2002.

BOSI, A. Narrativa e resistência. In: Literatura e Resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BOSI, Alfredo. Narrativa e resistência. Itinerário, Araraquara, n. 10, 1996.

BRASIL, Decreto-lei nº 3.199, de 14 de abril de 1941. Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o país. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/del3199.htm.

BRECHT, Bertolt. Antologia poética. Rio de Janeiro: ELO Editora, 1982.

CORREIO DA TARDE. São Paulo, 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

CORREIO PAULISTANO. São Paulo, 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

COSTA, Flávio Moreira da; MARTINS, Ana Maria (Orgs.). Onze em campo e um banco de primeira. Rio de Janeiro: Relume-Dumara, 1998.

DIÁRIO DA NOITE. Rio de Janeiro. 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

DIÁRIO DE NOTÍCIAS. Rio de Janeiro, 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

FOLHA DA NOITE. São Paulo, 1940. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

HILST, Hilda. Da Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MUSEU DO FUTEBOL. Fiori Gigliotti. Disponível em: https://museudofutebol.org.br/crfb/personalidades/507170.

SARMENTO-PANTOJA, Augusto. Resistência das existências: leituras de existências femininas apagadas. Revista Moara, n. 61, 2022.

RIBEIRO, Luana dos Santos; SARMENTO-PANTOJA, Augusto. Resistências clandestinas. Margens: v. 16. n. 27, 2022. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18542/rmi.v16i27.10596.

SARMENTO-PANTOJA, Tânia. Fora da caixa. Resistência como desvio. Revista Moara, n. 61, 2022.