Aharon Appelfeld: uma língua materna em exílio

Palavras-chave: Língua. Judeidade. Exílio.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar algumas incidências da língua materna na vida do escritor Aharon Appelfeld (1932–2018), a partir de sua experiência como judeu de língua alemã perseguido pelo regime nazista na Europa e refugiado de guerra em Israel. A questão da língua materna na vida de Appelfeld é sentida de forma complexa, afetada, principalmente pela perda de sua mãe durante a guerra e pelo caos linguístico no qual se encontrou até a sua chegada na ainda Palestina com o desafio de ter que incorporar para si uma nova língua.

Biografia do Autor

Maria Celina Peixoto Lima, Universidade de Fortaleza (Unifor)
Professora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza.
Marcio Acselrad, Unifor - Universidade de Fortaleza
Professor da Universidade de Fortaleza.
Natália Maria de Mendonça Trompieri Hateau, Unifor - Universidade de Fortaleza
Mestre em Psicologia pela Universidade de Fortaleza.

Referências

AMATI-MEHLER, J., ARGENTIERI, S., CANESTRI, J. A babel do inconsciente. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

APPELFELD, A. Historia de una vida. Editora Espa, 1999.

____. Entrevista com Aharon Appelfeld. Em Cadernos de Língua e Literatura Hebraica, n. 2. São Paulo: Humanitas, p. 125-139. Entrevista a Nancy Rozenchan, 1999.

____. Questions & Answers: A Conversation With Aharon Appelfeld. Haaretz. Apr 05, 2010. Entrevista a David B. Green. disponível em: http://www.haaretz.com/jewish/books/questions-answers-a-conversation-with-aharon-appelfeld-1.283933, 2010.

____. A Conversation With Aharon Appelfeld. Entrevista e direção a Shachaf Dekel. disponível em: https://www.meidale.com/videoinstallation, 2011.

BAUMAN, Z. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

BEGLEY, L. O mundo prodigioso que tenho na cabeça: Franz Kafka: um ensaio biográfico. São Paulo: Cia. das letras, 2010.

BOGOMOLETZ, D. Aharón Appelfeld e o entortamento das almas. Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG, 1(1), 31-41. doi:http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.1.1.31-41, 2007.

CARLOS, L. A mátria e o mal em Natália Correia. Via Atlântica, 0(7), 71-81. doi: http://dx.doi.org/10.11606/va.v0i7.49788, 2004.

DĂRĂBUŞ, C. Aharon Appelfeld: língua e identidade. Alea : Estudos Neolatinos, 16(1), 127-134. https://dx.doi.org/10.1590/S1517-106X2014000100009, 2014.

FORNER, N. S. O tema da jornada em Aharon Appelfeld e Meir Shalev. WebMosaica revista do instituto cultural judaico marc chagall v.5 n.2. recuperado em: http://www.seer.ufrgs.br/webmosaica/article/viewFile/45023/28503, 2013.

GINZBURG, J. Linguagem e trauma na escrita do testemunho. In: Salgueiro,W. (Org.). O testemunho na literatura: representações de genocídios, ditaduras e outras violências. Vitória: Edufes, 2011.

GUINSBURG, J. Uma língua-passaporte: o Ídiche. Revista USP, 15, 145-149. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i15p145-149, 1992.

JERUSALINSKY, Alfredo. O sujeito infantil e a infância do sujeito. Estilos da clínica, São Paulo, IPUSP, n.4, 1998.

KAPLAN, M. A. The making of the jewish middle class: women, family, and identity in imperial germany. Oxford: Oxford University Press, 1991.

KRAUSZ, L. S. Victor Klemperer e a restauração da língua alemã no pós-guerra. Ângulo, 120, pp. 48-52. Recuperado de: http://www.publicacoes.fatea.br/index.php/angulo/article/view/754, 2014.

KOLTAI, K. Traumas decorrentes dos deslocamentos forçados. Revista Diversitas, 1(1), 131-137. Recuperado em: https://www.revistas.usp.br/diversitas/article/view/58379/61380, 2013.

MELMAN, Charles. Imigrantes: incidências subjetivas das mudanças de língua e país. São Paulo: Escuta, 1992.

MER, B. Aharon Appelfed: um escritor ídiche em hebraico. Publicado em 21 de junho de 2016, edição de 25 de junho de 2016. Recuperado em: http://yiddish.forward.com/articles/197536/aaron-applefeld-a-yiddish-writer-in-hebrew/, 2016.

NINA, C. A palavra usurpada: exílio e nomadismo na obra de Clarice Linspector. Coleção memória das letras,15.Porto Alegre, EDIPUCRS, 2003.

NISKIER, A. Os méritos da Haskalá: Moacyr Scliar entrevista Arnaldo Niskier. WebMosaica, 3(1), 97-100. Recuperado de:http://www.seer.ufrgs.br/webmosaica/article/view/22367, 2011.

ROTH, P. O complexo de Portnoy. São Paulo: Cia. da Letras, 1969.

STEINER, G. The hollow miracle Notes on the German Language. The Reporter. Recuperado de: http://www.unz.org/Pub/Reporter-1960feb18-00036, 1960.

SZUCHMAN, E. Memórias, línguas e identidade. Identificação linguístico-cultural na condição judaica. In H. Lewin (Org.), Judaísmo e modernidade: suas múltiplas inter-relações (pp. I-VI). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

UNITED STATES HOLOCAUST MUSEUM . Enciclopédia do Holocausto: Campos Nazistas. encontrado em: https://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10005144, 1993.

Publicado
2019-05-29
Como Citar
Lima, M. C. P., Acselrad, M., & Hateau, N. M. de M. T. (2019). Aharon Appelfeld: uma língua materna em exílio. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 13(24), 113-153. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/maaravi/article/view/14543