A Temática Ambiental nos Cursos de Licenciatura em Física de Instituições de Ensino Superior Públicas Situadas no Estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u4169

Palavras-chave:

temática ambiental, formação de professores, licenciatura em física, educação

Resumo

Com este trabalho, objetivamos caracterizar as atividades acadêmicas – desenvolvidas no âmbito da pesquisa, ensino e extensão universitária – que possibilitam a incorporação da temática ambiental a cursos de Licenciatura em Física. Para tanto, nos inspirando nos procedimentos propostos pela Análise de Conteúdo, analisamos os Projetos Pedagógicos e as transcrições das entrevistas semiestruturadas realizadas com os coordenadores de 15 cursos de Licenciatura em Física, oferecidos por Instituições de Ensino Superior públicas localizadas no estado de São Paulo. Através da categoria denominada de “Lócus de inserção da temática ambiental no curso de Licenciatura em Física”, constatamos que, apesar de três cursos explorarem a temática ambiental em atividades de pesquisa e extensão, o ensino é o espaço que viabiliza a presença do tema nos cursos analisados. Neste último caso, enquanto que em oito cursos optou-se por abordar a temática ambiental de forma pontual, em uma ou duas disciplinas específicas, nos demais a temática é explorada em disciplinas variadas, o que valoriza sua característica transversal e possibilita o desenvolvimento de atividades interdisciplinares. Embora tenhamos nos deparado com algumas limitações, reconhecemos os esforços dos cursos analisados para o tratamento da temática ambiental no processo de formação inicial do professor de Física. Concluímos que não existe um padrão entre as estratégias utilizadas para inserção da temática ambiental nesses cursos que, a partir de interpretações da Física e do ensino de Física, acrescidas das concepções da formação de professores de Física articuladas às pretensões da própria instituição, propõem abordagens diferenciadas para a temática ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandsznajder, F. (2000). O Método nas Ciências Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. 3. reimp. da 1. ed. de 2016. São Paulo: Edições 70.

Carvalho, I. C. M. (2012). Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6. ed. São Paulo: Cortez.

Carvalho, L. M. (2001). A Educação Ambiental e a formação de professores. In MEC, Panorama da Educação Ambiental no ensino fundamental (pp. 55–83). Brasília, DF: Secretaria de Educação Fundamental.

Carvalho, L. M. (2006). A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In H. S. Cinquetti, & A. Logarezzi (Orgs.), Consumo e resíduos: fundamentos para o trabalho educativo (pp. 19–41). São Carlos, SP: EdUFSCAR.

Carvalho, L. M., Cavalari, R. M. F., & Santana, L. C. (2002). O processo de ambientalização curricular da UNESP – Campus de Rio Claro: diagnóstico e perspectivas. In A. M. Geli, M. Junyent, & S. Sánchez (Orgs.), Ambientalización curricular de los estudios superiores 3: Diagnóstico de la Ambientalización Curricular de los Estudios Superiores (pp. 131–165). Girona, ESP: Universitat de Girona - Red ACES.

Carvalho, L. M., Cavalari, R. M. F., & Silva, D. S. (2015). Ambientalização nas instituições de ensino superior: as teses e dissertações em Educação Ambiental desenvolvidas no Brasil. In A. F. S. Guerra (Orgs.), Ambientalização e sustentabilidade nas universidades: subsídios, reflexões e aprendizagens (pp. 47–63). Itajaí, SC: Editora da Univali.

Castro, R. S. (2001). A formação de professores em Educação Ambiental possibilita o exercício desta no ensino formal? In MEC, Panorama da Educação Ambiental no ensino fundamental (pp. 49–53). Brasília, DF: Secretaria de Educação Fundamental.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, A. M. (2011). Ensino de Ciências: Fundamentos e Métodos. 4. ed. São Paulo: Cortez.

Fraser, M. T. D., & Gondim, S. M. G. (2004). Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, 14(28), p. 139–152. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2004000200004

González-Gaudiano, E. (2005). Interdisciplinaridade e educação ambiental: explorando novos territórios epistêmicos. In M. Sato, & I. C. S. Carvalho (Orgs), A educação ambiental: pesquisas e desafios (pp. 119–133). Porto Alegre, RS: Artmed.

Guimarães, M. (2004). A formação dos educadores ambientais. Campinas: Papirus.

Jacobi, P. (2006). Educação ambiental e o desafio da sustentabilidade socioambiental. O Mundo da Saúde, 30(4), 524–531. http://dx.doi.org/10.15343/0104-7809.200630.4.1

Jacobi, P. R., Tristão, M., & Franco, M. I. G. C. (2009). A função social da educação ambiental nas práticas colaborativas: participação e engajamento. Caderno Cedes, 29(77), 63–79. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622009000100005

Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

Lei n. 9.795 de 27 de abril de 1999 (1999). Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

Marques, L. (2016). Capitalismo e Colapso Ambiental. 2. ed. rev. ampl. Campinas: Editora da Unicamp.

MEC (1998). Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental.

Moreira, A. F. (2005). O processo curricular do ensino superior no contexto atual. In I. P. A. Veiga, & M. L. P. Naves (Orgs.). Currículo e avaliação na educação superior (pp. 1–24). Araraquara, SP: Junqueira & Marin.

Morin, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. 5. ed. Porto Alegre: Sulina.

Oliveira, M. G., & Carvalho, L. M. (2012). Políticas públicas de formação de professores e de Educação Ambiental: possíveis articulações? Revista Contemporânea de Educação, 7(14), 252–275. https://doi.org/10.20500/rce.v7i14.1671

Oliveira, M. G. (2011). Cursos de Pedagogia em Universidades Federais Brasileiras: políticas públicas e processos de ambientalização curricular. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, Rio Claro.

Pavesi, A., & Freitas, D. (2013). Desafios para a ambientalização curricular no ensino superior brasileiro. Enseñanza de Las Ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, extra(4), 2678–2682.

Penagos, W. M. M. (2012). Ambientalización curricular en la educación superior: un estudio cualitativo de las ideas del profesorado. Revista de Currículum y Formación del Profesorado, 16(2), 77–103.

Pereira, C. A. (2016). A inserção da temática meio ambiente nos cursos de licenciatura do IFMG: análise das possibilidades a partir dos projetos políticos pedagógicos e da visão dos coordenadores. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Reis, D. A., Silva, L. F., & Figueiredo, N. (2015). As complexidades inerentes ao tema mudanças climáticas: desafios e perspectivas para o Ensino de Física. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(3), 535-554. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172015170301

Resolução CNE/CP n. 2/2012 de 15 de junho de 2012 (2012). Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: MEC/CNE.

Resolução CNE/CP n. 2/2015 de 1 de julho de 2015 (2015). Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: MEC/CNE.

Rink, J. (2014). Ambientalização curricular na educação superior: tendências reveladas pela pesquisa acadêmica brasileira (1987–2009). (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Rocha, A. F. V. (2013). A inserção da temática ambiental no ensino superior: uma análise nos cursos de formação de professores em Ciências e Matemática da UFG. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Roth, W., & Lee, S. (2002). Scientific literacy as collective práxis. Public Understanding of Science, 11, 33–56. https://doi.org/10.1088/0963-6625/11/1/302

Sadler, T. D., & Murakami, C. D. (2014). Socio‐scientific Issues based Teaching and Learning: Hydrofracturing as an Illustrative context of a Framework for Implementation and Research. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(2), 331–342.

Severino, A. J. (2010). Ensino e aprendizagem na universidade: a pesquisa como princípio pedagógico da formação geral. In E. M. A. Pereira (Orgs.), Universidade e Currículo: perspectivas de Educação Geral (pp. 117–134). Campinas, SP: Mercado de Letras.

Silva, D. S. (2016). Ambientalização curricular em cursos de Ciências Biológicas: o caso da Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, Rio Claro.

Watanabe, G. (2012). Aspectos da complexidade: contribuições da Física para a compreensão do tema ambiental. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Zimmermann, E., & Carlos, J. Z. (2005). Interdisciplinaridade e ensino de física: quais as possibilidades? In XVI Simpósio Nacional de Ensino de Física (p. 1–5), Rio de Janeiro, RJ.

Downloads

Publicado

2020-01-31

Como Citar

Reis Leite, D. A., & Silva, L. F. (2020). A Temática Ambiental nos Cursos de Licenciatura em Física de Instituições de Ensino Superior Públicas Situadas no Estado de São Paulo. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 41-69. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u4169

Edição

Seção

Artigos