Argumentação no Ensino de Ciências: Ponderações Analíticas a Luz da Teoria de Chaїm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u653685

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Argumentação, Controvérsia sociocientífica, Chaїm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar um Debate sobre uma controvérsia sociocientífica, referente aos alimentos transgênicos. Trata-se de uma pesquisa-ação, de natureza qualitativa, realizada junto a licenciandos de Biologia. O enredo formativo desenvolve-se a partir de um estudo de caso fictício, intitulado “O caso simulado do açaí transgênico na Amazônia”. Um conjunto de atividades suscitaram discussões e argumentações sobre o tema, levados ao Debate. Para análise e interpretação dos dados, utilizou-se como abordagem teórica a classificação dos argumentos segundo Perelman e Olbrechts-Tyteca, precisamente quanto a três grandes classes, quais sejam: argumentos quase-lógicos, argumentos baseados na estrutura do real e argumentos que fundamentam a estrutura do real. Em um plano complementar, classificamos os argumentos segundo diferentes dimensões argumentativas (científica, ambiental, social e econômica). Quanto aos resultados, em geral, podemos afirmar que os argumentos de autoridade apresentam relação quase que direta com a dimensão científica da argumentação, utilizados pelos apoiadores dos transgênicos. Já os argumentos pragmáticos foram mais utilizados pelos grupos contrários à introdução do açaí transgênico, buscando elucidar as consequências desfavoráveis decorrentes de tal empreendimento, inclusive em referência ao Princípio da Precaução e ao ambiente amazônico. A experiência propiciou aos futuros professores uma formação ambiental, que apresentou a possibilidade de abordagens complexas de objetos de estudo e de ensino, bem como chamou atenção para a necessidade de adoção de metodologias ativas de ensino, cuja centralidade está no sujeito aprendente, o que pode se constituir referência ao fazer docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguzzoli, R. L., Aramburú, J. V., Doval, J. L. M., & Antune, E. D. (2006). Capacitar para desenvolver: Como multinacionais estrangeiras no Brasil investem em sua mão-de-obra? In Anais eletrônicos do 30 ENANPAD. Salvador-BA.

Almeida, V. E. S. de, & Carneiro, F. (2010). Brasil é o país que mais usa agrotóxicos no mundo. Ecodebate Cidadania e Meio Ambiente. http://www.ecodebate.com.br/2010/07/08/brasil-e-o-pais-que-mais-usa-agrotoxicosno-mundo-artigo-de-fernando-ferreira-carneiro-e-vicente-eduardo-soares-e-almeida.

Araújo, I. M. M., & Oliveira, A. G. R. C. (2017). Agronegócio e agrotóxicos: Impactos à saúde dos trabalhadores agrícolas no nordeste brasileiro. Revista Trabalho, Educação e Saúde, 15(1), 117–129. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00043

Barbier, R. (2007). A pesquisa-ação. Liber Livro Editora.

Bernardo, J. R. R. (2015). Argumentação no ensino de ciências: Tendências, práticas e metodologia de análise. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc, Belo Horizonte, 17(1), 277–280. http://dx.doi.org/10.1590/1983-211720175170113

Braund, M., Scholtz, Z., Lubben, F., & Sadeck, M. (2007). Comparing the effect of scientific and socio-scientific argumentation tasks: Lessons from South Africa. School Science Review, Hatfield, 88(324), p. 67–76.

Breton. P., & Gauthier G. (2001). História das Teorias da Argumentação. Trad. Carvalho, M. Bizâncio.

Boavida, A. M. R. (2005). A argumentação em matemática investigando o trabalho de duas professoras em contexto de colaboração. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Departamento de Educação. Lisboa.

Borém, A., & Carneiro, J. E. S. Fluxo gênico. (2008). In A, Borém, & M. Del Giúdice (Orgs.), Biotecnologia e Meio Ambiente (pp. 405–420). Editora UFV.

Breton. P., & Gauthier G. (2001). História das Teorias da Argumentação. Trad. Carvalho, M. (157 p). Bizâncio.

Buarque, S. H. (2016). Aspectos do meio ambiente. https://monitordigital.com.br/aspectos-do-meio-ambiente.

Chiaro, S., & Leitão, S. (2005). O papel do professor na construção discursiva da argumentação em sala de aula. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 350–357. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000300009

Cuhra, M., Traavik, T., & Bøhn, T. (2013). Clone-and age-dependent toxicity of a glyphosate commercial formulation and its active ingredient in Daphnia magna. Ecotoxicology, Switzerland, 22(2), 251–262. https://dx.doi.org/10.1007/s10646-012-1021-1

Dallari, D. A. (2014). Viver em sociedade. 2. ed. Prospectiva. https://www.aacademica.org/otavioluizmachado/54.pdf

Diniz, A. S., & Santos, L. M. P. (2000). Hipovitaminose A e xeroftalmia. J. Pediatr, 76(Supl 3), 311–22.

Dionor, G. A., Conrado, D. M., Martins, L., & Nunes Neto, N. de F. (2020). Análise de propostas de ensino baseadas em QSC: Uma revisão da literatura na educação básica. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia,13(1), 197–224. https://dx.doi.org/10.5007/1982-5153.2020v13n1p197

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). (2003) Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas. EMBRAPA-Acre, https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/498802/1/doc90.pdf

Esteban, M. S. (2010). Pesquisa qualitativa em educação: Fundamentos e tradição. Artmed.

Evagorou, M., Guven, D., & Mugaloglu, E. (2014). Preparing Elementary and Secondary Pre-Service Teachers for Everyday Science. Science Education International, 25(1), p. 68–78.

Ferment, G., Melgarejo, L., Fernandes, G. B., & Ferraz, J. M. (2015). Lavouras transgênicas – riscos e incertezas: Mais de 750 estudos desprezados pelos órgãos reguladores de OGMs. Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Freitas, D. (2011). A perspectiva curricular Ciência, Tecnologia e Sociedade – CTS – no ensino de Ciência. In A. C. Pavão, & D. Freitas (Orgs.), Quanta ciência há no ensino de Ciências? (pp. 229–237). EdUFSCar.

Galvão, C., Reis, P., & Freire, S. (2011). A discussão de controvérsias sociocientíficas na formação de professores. Ciência & Educação, Bauru, 17(3), 505–522, https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132011000300001

Grácio, R. A. (2015). Auditório universal: Vocabulário de argumentação. http://www.ruigracio.com/VCA/AuditorioUniversal.htm.

Grácio, R. A. (1993). Introdução à tradução portuguesa da obra de Chaïm Perelman. O império retórico: Retórica e argumentação, (pp. 5–11). Edições ASA.

James, C. (1998). Global status and distribution of comercial trangenic crops in. Biotecnology and Development Monitor, (35), 9–12. http://www.biotech-monitor.nl/3504.htm

Lacey, H. (2006). A controvérsia sobre os transgênicos: Questões científicas e éticas. 1 ed. Ideias e Letras.

Lacey, H. (2008). Ciência, respeito à natureza e bem-estar humano. Sci. stud. 6(3), 297–327. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-31662008000300002

Lemgruber, M. S., & Rivelli, H. (2011). Nova retórica e ensino de Ciências: uma interseção nas analogias. Educação e Cultura Contemporânea, 8(17), 1–19.

http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/175/129

Maghari, B., & Ardekani, A. (2011). Genetically modified foods and social concerns. Avicenna Journal of Medical Biotechnology, 3(3), 109–117. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172018200110

Marcelino, L. V., & Marques, C. A. (2018). Controvérsias sobre os transgênicos nas compreensões de professores de Química. Revista Ensaio, 20, e9253, 1–21, https://dx.doi.org/10.1590/1983-21172018200110

Minayo, M. C. de. S. (2016). Trabalho de campo: contexto de observação, interação e descoberta. In Minayo, M. C. de. S. (Org.), Delandes, S. F., & Gomes, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade (pp.56–71). Vozes.

Ministério do Meio Ambiente. (2019). Princípio da Precaução. http://www.mma.gov.br/clima/protecao-da-camada-de-ozonio/item/7512

Modesto, K., & Martinez, C. (2010). Roundup® causes oxidative stress in liver and inhibits acetylcholinesterase in muscle and brain of the fish Prochilodus lineatus. Chemosphere, Amsterdã, 78(3), 294–299. https://dx.doi.org/10.1016/j.chemosphere.2009.10.047

Montella, M. (2012). Micro e macroeconomia. 2. ed. Atlas.

Oléron, P. L’ argumentation. (1996). Presses Universitaires de France.

Oliveira, H. R. (2012). Argumentação no Ensino de CIências: o uso de analogias como recurso para a construção do conhecimento. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de For a, MG.

Paine, J., Shipton, C. A., Chaggar, S., Howells, R. M., Kennedy, M. J., Vernon, G., Drake, R. (2005). Improving the nutritional value of Golden Rice through increased pro-vitamin A content. Nat Biotechnol, United Kingdom, 23(4), 482–7. http://dx.doi.org/10.1038/nbt1082

Paterniani, M. L. S. (2009). Culturas transgênicas e a conservação da biodiversidade. In Carpentieri-Pípolo, V. (Org.). Culturas transgênicas: uma abordagem de benefícios e riscos. EDUEL, 131–152.

Pavão, A. C. (2011). Ensinar ciências fazendo ciência. In Pavão, A. C., Freitas, D. (Orgs.). Quanta ciência há no ensino de Ciências? EDdUFSCar. p. 15–23.

Perelman, C. (1987). Argumentação. In Enciclopédia Einaudi. Imprensa Nacional, 11, 234–265.

Perelman, C. (1992). Lógica formal e lógica informal. Caderno de Filosofias - Argumentação, Retórica, Racionalidades, Coimbra, Associação de Prof.s de Filosofia, 5, 11–20.

Perelman, C. (1993). O império retórico: retórica e argumentação. Edições ASA.

Perelman, C., & Olbrechts-Tyteca, L. (2005). Tratado da argumentação: a nova retórica. Martins Fontes.

Plantin, C. (2008). A Argumentação: História, teorias, perspectivas. Trad. Marcos Marcionilo. Parábola.

Rossetti, J. P. (2016). Introdução à economia. 21 ed. Atlas.

Reis, D. C. (2010). Identificação da antracnose em palmeira juçara (Euterpe edulis mart.), no litoral norte do estado de São Paulo. (Trabalho de Conclusão de Curso). Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ.

Reis, P. G. R., & Galvão, C. (2004). Socio-scientific controversies and students’ conceptions about scientists. International Journal of Science Education, London, 26(13), 1621–1633. https://doi.org/10.1080/0950069042000205413

Reis, P. G. R., & Galvão, C. (2009). Teaching Controversial Socio-Scientific Issues in Biology and Geology Classes: A Case Study. Electronic Journal of Science Education, 13(1), p. 1–24.

Ruppenthal, R. (2017). A habilidade argumentativa e a capacidade de resolver problemas nos anos finais do ensino fundamental. (Tese) Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, da Universidade de Santa Maria, RS.

Sá, L. P., & Queiroz, S. L. (2010). Estudo de casos no Ensino de Química. Editora Átomo.

Sá, L. P. (2006). A argumentação no ensino superior de Química: investigando uma atividade fundamentada em estudos de caso. (Dissertação de Mestrado) Instituto de São Carlos da Universidade Federal de São Carlos, SP.

Sá, L. P. (2010). Estudo de casos na promoção da Argumentação sobre questões sócio-científicas no Ensino Superior de Química. (Tese) Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de São Carlos, SC.

Silva, C. C., & Gastal, M, L. (2011). Ensinando ciências e ensinando à respeito das ciências. In A. C. Pavão, & D. Freitas (Orgs.), Quanta ciência há no ensino de Ciências? (pp. 35–44). EdUFSCar.

Silva Junior, G. A. (2019). Elementos de exploração argumentativa docente na sala de aula: uma proposta de análise à luz da teoria de Perelman e Olbrechts-Tyteca. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Natal, RN.

Sousa, T., B. (2017). Técnicas argumentativas através da aprendizagem baseada em problema em um curso de férias. (Dissertação de Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas da Universidade Federal do Pará, PA.

Toulmin, S. E. (2006). Os usos do Argumento. 2 ed. Martins Fontes.

Vasconcelos, M. J. V., Carneiro, A. A., & Valiciente, F. H. (2011). In A. Borém, G. D. Almeida (Orgs.), Plantas Geneticamente Modificadas: Desafios e oportunidades para regiões tropicais (pp. 311–332). Suprema.

Vinhas, B. F., & Pereira, G. F. S. (2016). Alimentos transgênicos na sala de aula: Considerações para o ensino de Ciências Naturais. Verlag Editora.

Zdziarski, I., Edwards, J. W., Carman, J. A., & Haynes J. I. (2014). GM crops and the rat digestive tract: A critical review. Environment International, 73(2014), 423–433. http://dx.doi.org/10.1016/j.envint.2014.08.018

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Pereira, G. de F. dos S., Nunes, J. M. V., & Freitas, N. M. da S. (2020). Argumentação no Ensino de Ciências: Ponderações Analíticas a Luz da Teoria de Chaїm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 653-685. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u653685

Edição

Seção

Artigos