Research with Life Stories in the Production of the History of Science Education: The Photobiographical Device as a Resource for the Understanding of Social Experiences

Resumo

The activation of diversified historical sources and methodological approaches have been requested to the production of a new socio-historical knowledge concerning the historical constitutions of the school subjects of science and biology. This approach allows the understanding of controversies and disputes about these subjects. The present paper aims to present and problematize the use of an investigative resource developed in the field of Social sciences and still unusual in the science education studies with historical perspectives: the photobiography. This device combines references from Sociology, History of Education and Curriculum. In the paper, the photobiography dialogues with a research on the social trajectory of a science teacher whose professional practices were in tune with the assumptions of the “Science Education Innovation Movement” of the 1960s and 1970. The photobiography device is used for triggering memories and the production of other meanings of science teaching at that milieu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abrantes, A. C. S., & Azevedo, N. (2010). O Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura e a institucionalização da ciência no Brasil, 1946–1966. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 5(2), 469–492.

Ayres, A. C. M., & Selles, S. E. (2012). História da formação de professores: diálogos com a disciplina escolar ciências no ensino fundamental. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 14, 95–107.

Ayres, A. C. M., Lima-Tavares, D., Ferreira, M. S., & Selles, S. L. (2012). Licenciaturas de curta duração (1965 e 1974) e disciplina escolar ciências: aproximações sócio-históricas. In S. E. Selles, & M. Cassab. (Orgs.). Currículo, docência e cultura (pp. 53–74). Editora da UFF.

Azevedo, M. (2020). Entre a bancada e a sala de aula – A experimentação no período de ouro do Ensino de Ciências. Appris Editora.

Azevedo, M., Selles, S. E., & Lima-Tavares, D. (2016). Relações entre os movimentos reformistas educacionais do ensino de ciências nos Estados Unidos e Brasil na década de 1960. Educação em Foco, 21, 237–257. https://doi.org/10.22195/2447-524620162119665

Barra, V. M., & Lorenz, K. M. (1986). Produção de materiais didáticos de ciência no Brasil, período: 1950 a 1980. Ciência e Cultura, 38(12), 1970–1983.

Berteaux, D. (2009). Metodologia do Relato de Vida em Sociologia. In N. M. Takeuti, & C. Niewiadomski (Orgs.). Reinvenções do sujeito social: teorias e práticas biográficas (pp. 23–32). Sulina.

Bertaux, D. (2014). A vingança do curso de ação contra a ilusão cientificista. Civitas, 14(2), 250 – 271.

Bourdieu, P. (1996). A ilusão biográfica. In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral (pp. 183–191). Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Bourdieu, P., & Bourdieu, M. C. (2006). O camponês e a fotografia. Rev. Sociol. Polit, 26, 31–39.

Bruno, F. (2014). Fotobiografia: uma proposta antropológica e estética. Revista Espaço Acadêmico, 163, 9–20.

Burke, P. (2014). O Testemunho das Imagens. In: P. Burke. Testemunha Ocular: história e imagem (pp. 11–24). EDUSC.

Cassab, M. (2010). A produção em História das Disciplinas Escolares pela escrita de pesquisadores brasileiros. Revista Brasileira de História da Educação, 23, 225–251.

Cassab, M. (2015). O movimento renovador do ensino das ciências: entre renovar a escola secundária e assegura o prestígio social da ciência. Revista Tempos e Espaços em Educação, 8, 19–35. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.3938

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177–229.

Cunha, L. A., & Góes, M. (2002). O golpe na educação. 11. ed. Jorge Zahar.

Delgado, L. A. N. (2011). História Oral: memória, tempo, identidades. 2. ed. Autêntica.

Delory-Momberger, C. (2012). Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, 17(51), 523–536.

Dubar, C. (1998). Trajetórias sociais e formas identitárias: alguns esclarecimentos conceituais e metodológicos. Educação & Sociedade, 19(62), 13–30.

Fonseca, M. V. R., Xavier, M. T., Vilela, C. L., & Ferreira, M. S. (2013). Panorama da produção brasileira em história do currículo e das disciplinas acadêmicas e escolares (2000–2010): entre a História da Educação e a Sociologia do Currículo. Revista Brasileira de História da Educação, 13, 193–225.

Forquin, J. C. (1992). Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, 1(5), 28–49.

Fracalanza, H. (2009). Histórias do ensino de Biologia no Brasil. In S. E. Selles, M. S. Ferreira, M. A. Barzano, & E. P. Q. Silva (Orgs). Ensino de Biologia: histórias, saberes e práticas formativas (pp. 25–48). EdUFU.

Fracalanza, H., Amaral, I. A., & Gouveia, M. S. F. (1987). O ensino de ciências no primeiro grau. Atual, 124 p.

Gomes, M. M. (2006) Conhecimentos ecológicos em livros didáticos de ciências: aspectos sócio-históricos de sua constituição. (Tese de Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Gomes, M. M., Selles, S. E., Lopes, A. C. (2013). Currículo de Ciências: estabilidade e mudança em livros didáticos. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), 39, 477–492. https://doi.org/10.1590/S1517-97022013000200013

Goodson, I. F. (1992). Dar voz ao professor: as histórias de vida dos professores e seus desenvolvimentos profissionais. In A. Nóvoa (Org.). Vidas de professores (pp. 63–78). Porto.

Goodson, I. F. (1997). A Construção Social do Currículo. Educa.

Goodson, I. F. (2007). Questionando as reformas educativas: a contribuição dos estudos biográficos a educação. Pro-posições, 18, (2), 17–37.

Goodson I. F. (2015) Narrativas em educação: a vida e a voz dos professores. Porto Editora.

Joutard, P. (2000). Desafios à História oral do século XXI. In M. M. Ferreira, T. Fernandes, & V. Alberti. (Orgs). História Oral: desafios para o século XXI (pp. 31–46). Fundação Getúlio Vargas.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85–93.

Le Goff, J. (1996). Memória e História. Editora da UNICAMP.

Lelis, I. A. O. M. (2014). A construção social da profissão docente no Brasil: uma rede de histórias. In M. Tardif, & C. Lessard (Orgs.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais (pp. 54–66). 6 ed. Vozes.

Lelis, I. A. O. M, & Nascimento, M. G. C. A. (2010). Trajetórias de professores: a pesquisa com histórias de vida. In A. W. P. Mendonça (Org.). História e Educação: dialogando com as fontes (pp. 253–272). 1 ed. Forma e Ação.

Levi, G. Usos da biografia (1996). In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral (pp. 167–182). Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Lopes, S. M. C. N. (2013). Professores inesquecíveis: docência e prestígio no Instituto de Educação do Rio de janeiro dos anos 1950–60. In Anais do VII Congresso Brasileiro de História da Educação. Cuiabá, MT.

Lopes, S. M. C. N. (2016). Os notáveis do Instituto de Educação: professores catedráticos do curso normal nos anos 1950–60. Educação em Foco (Juiz de Fora), 21, 157–183. https://doi.org/10.22195/2447-524620162119727

Lorenz, K. M. (2004) As Reformas do Ensino das Ciências no Ensino Secundário Brasileiro nas Décadas de 1960 e 1970. Revista Portuguesa de Pedagogia, 39(1), 97–112.

Loriga, S. (1998). A biografia como problema. In J. Revel (Org.). Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Lozano, J. E. A. (1996). Prática e Estilos de Pesquisa Histórica Oral Contemporânea. In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Marandino, M., Selles, S. E., & Ferreira, M. S. (2010). Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. Cortez.

Nora, P. (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, 10, 07–28.

Nunes, C. (2004). Memória e História da Educação: entre práticas e representações. Educação em Foco - História da Educação, 07(12), 01–17.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3–15.

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Estudos Históricos, 15(10), 200–212.

Portelli, A. (1997). O que faz a História Oral diferente. Projeto História, 14, 25–39.

Santos, M. C. F., & Selles, S. E. (2014). A produção da disciplina escolar história natural na década de 1930: os livros didáticos de Waldemiro Potsch para o ensino secundário. Cadernos de Pesquisa em Educação, 19, 45–68. https://doi.org/10.22535/cpe.v1i39.10729

Scarton, J. G. E., & Selles, S. E. (2012). Narrativas docentes de práticas em educação ambiental na Escola Municipal Camilo Castelo Branco. In Anais do VI Encontro Regional de Ensino de Biologia do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Rio de Janeiro, RJ.

Vieira, C. O. F., Vieira, N. B. P., & Silva, W. M. V. (1970). Cadernos MEC: Iniciação à ciência. MEC/FENAME.

Vieira, C. O. F., Vieira, N. B. P., & Silva, W. M. V. (1972) Iniciação à ciência: guia metodológico para cadernos MEC. MEC/FENAME.
Publicado
2020-08-10
Como Citar
Borba, R. C. do N., & Selles, S. E. (2020). Research with Life Stories in the Production of the History of Science Education: The Photobiographical Device as a Resource for the Understanding of Social Experiences. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 403-428. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u403428
Seção
Artigos