Diálogos Interculturais entre Conhecimentos Tradicionais e Conhecimentos Científicos em uma Comunidade Geraizeira: um Olhar Freiriano na Licenciatura em Educação do Campo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2021u11291155

Palavras-chave:

Diálogos Interculturais, Paulo Freire, Educação do Campo, Formação de Professores de Ciências, Conhecimentos Ecológicos Tradicionais

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar as potencialidades de diálogos interculturais focados no ensino de ciências, a partir de um olhar freiriano ao percurso formativo e vivências de uma aluna do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (Lecampo/UFTM), pertencente a uma comunidade tradicional Geraizeira. Para tanto, foi realizada uma imersão etnográfica escolar na comunidade geraizeira de Pindaíba, em Rio Pardo de Minas-MG, com a finalidade de conhecer e experienciar sua realidade e modo de vida. A partir disso, emergiram três categorias de análise que desvelam a importância do genuíno diálogo entre culturas, no sentido proposto por Freire, quando pensamos a formação de professores e professoras de Ciências em contextos de Educação do Campo. Como resultados encontrados percebemos que a vivência e compartilhamento de conhecimentos tradicionais em uma comunidade é uma dinâmica muito presente entre os moradores e são compartilhados de geração para geração, como presenciado no cultivo de café sombreado. Por fim, concluímos que o reconhecimento em que a valorização se manifesta pela experiência entre espaços e tempos permite a construção de pontes entre os conhecimentos tradicionais em diálogo com os conhecimentos científicos construídos na escola/universidade e maximizados pela dinâmica da Pedagogia da Alternância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Corsino Sandron, Secretaria Municipal de Educação

Mestre (2018-2020) pelo  Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).Graduada em Pedagogia para Licenciados pela Universidade de Franca (UNIFRAN) em 2018.Graduada em Licenciatura em Química pelo Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Araraquara em 2012. Atualmente é membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Interculturalidade e Educação em Ciências (GEPIC) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Durante o projeto de Iniciação Científica foi bolsista CNPQ e atuou na área de Química Ambiental (contaminantes orgânicos em matrizes ambientais) e Química Analítica (cromatografia gasosa) no Grupo de Estudos em Saúde Ambiental e Contaminantes Orgânicos (GRESCO) Departamento de Química Analítica da UNESP. Atualmente é servidora do município de Uberaba-MG (Oficial de gestão Educacional/Auxiliar de secretaria). Em 2017 atuou como professora designada no Estado de Minas Gerais. De 2011 a 2014 exerceu o cargo de Analista Químico na empresa Keller Ambiental.

Marilisa Bialvo Hoffmann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora do Departamento de Ensino e Currículo/Faculdade de Educação (FACED) e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde/ Instituto de Ciências Básicas da Saúde (ICBS) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Doutora e Mestre em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI. Líder do Grupo SEMEIA- Seminários de Estudo/Investigação/Ação na Formação de Professores de Ciências da UFRGS. Membro da Associação Brasileira de Ensino de Ciências (ABRAPEC) e atualmente, diretora da Regional Sul da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio). Possui experiência docente na Educação Básica (Anos Iniciais/Ensino Fundamental/Ensino Médio) e no Ensino Superior. Principais interesses de pesquisa: Formação de professores de Ciências e Biologia, Educação do Campo e Ensino de Ciências, Docência no Ensino Superior.

Referências

Andrade, B. S., Andrade, B. S., Hoffmann, M. B., & Schirmer, S. B. (25–28 de junho, 2019). Educação do Campo e a pesquisa em Ensino de Ciências: uma análise nos ENPEC. XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (XII ENPEC). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte.

André, M. E. D. A. (2005). Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Liberlivros.

Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C.(2004). Por uma educação do campo. Vozes.

Betto, F. (1981). O que é Comunidade Eclesial de Base. http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/freibetto/livro_betto_o_que_e_cebs.pdf

Brick, E. M., Pernambuco, M. M., Silva, A. F. G., & Delizoicov, D. (2014). Paulo Freire: interfaces entre Ensino de Ciências Naturais e Educação do Campo. In M. C. Molina (Org.), Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar (1ª ed., pp. 23–60). MDA.

Candau, V. M. (2003). Didática e multiculturalismo: uma aproximação. In V. M. Lisita & L. F. Sousa (Orgs.), Políticas educacionais, práticas escolares e alternativas de inclusão escolar. XI Endipe/Alternativa/DP&A.

Freire, P. (1986). Medo e Ousadia — O Cotidiano do Professor. Paz e Terra.

Freire, P. (2003). Pedagogia do Oprimido (36ª ed.). Paz e Terra.

Freire, P. (2010). Extensão ou Comunicação? (14ª ed.). Paz e Terra.

Melzer, E. E. M., Brick, E. M., & Hoffmann, M. B. (2021). Desafios e potencialidades da área de ciências da natureza nas licenciaturas em Educação do Campo (Ledoc) do sul do Brasil. Revista da FAEEBA — Educação e Contemporaneidade, 30(61), 178–192. https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n61.p178-192

Molina, M. (2015). Expansão das licenciaturas em Educação do Campo: desafios e potencialidades. Educar em Revista, 0(55), 145–166. https://doi.org/10.1590/0104-4060.39849

Molina, A., & Mojica, L. (2011). Alteridad, diversidad cultural y enseñanza de las ciencias: Perspectivas de los profesores. Educación y Ciudad, 21(3), 30–44. https://doi.org/10.36737/01230425.n21.104

Molina, A., & Mojica, L. (2013). Enzeñanza como puente entre conocimentos científicos escolares y conocimientos ecológicos tradicionales. magis, Revista Internacional de Investigación en Educación, 6(12), 37–53. https://revistas.javeriana.edu.co/index.php/MAGIS/article/view/7200

Nogueira, M. C. R. (2009). Gerais a dentro e a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais (Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal). Repositório Institucional da UnB. https://repositorio.unb.br/handle/10482/4614

Oliveira, R. R. (2018). Consequências da chegada da monocultura do eucalipto: investigando mudanças nas relações de trabalho e nas relações com a terra na comunidade Pindaíba — Rio Pardo de Minas. (Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais).

Pereira, S. S., Miranda, E. R. S., & Lemes, A. F. G. (2020). Os saberes geraizeiros em sala de aula: algumas proposições a partir da perspectiva freiriana. In A. F. G. Lemes, C. H. S. Castro, C. S. Almeida, & O. O. Fraile (Org), Os vales que educam: 10 anos de alternâncias, autonomia e diálogos na Educação do Campo (pp. 51–80). Pedro & João Editores.

Restrepo, E. (2018). Etnografía: Alcances, técnicas y éticas. Fondo Editorial de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos.

Toledo, V. M., & Barrera-Bassols, N. (2015). A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. Expressão Popular.

Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) (2014). Projeto Pedagógico Curso de Graduação em Licenciatura do Campo (Lecampo). http://www.uftm.edu.br/licenciatura-em-educacao-do-campo/projeto-pedagogico

Veloso, G. A., Fonseca, A. I. A., Reis, E. F. R., & Vieira, G. R. A. L. (2011). A monocultura do eucalipto no município de Rio Pardo de Minas e seus impactos na produção agroecológica das populações tradicionais. Cadernos de Agroecologia, 6(2), 11–16. http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/12638

Whitaker, D. C. A. (2008). Educação rural: da razão dualista, à razão dialética. Retratos De Assentamentos, 11(1), 295–304. https://retratosdeassentamentos.com/index.php/retratos/article/view/26

Downloads

Publicado

2021-09-19

Como Citar

Kato, D. S., Sandron, D. C., & Hoffmann, M. B. (2021). Diálogos Interculturais entre Conhecimentos Tradicionais e Conhecimentos Científicos em uma Comunidade Geraizeira: um Olhar Freiriano na Licenciatura em Educação do Campo. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, e33693, 1–. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2021u11291155

Edição

Seção

Dossiê Centenário de Paulo Freire