“Cabelo Bom/Ruim ou Bastonete de Queratina?” – Dimensão Estética de uma Controvérsia Étnico-Racial no Ensino de Química no Contexto da Educação Popular

Palavras-chave: relações étnico-raciais, Educação Popular, ensino e aprendizagem em Química

Resumo

O objetivo deste trabalho é investigar a construção de conceitos científicos escolares da disciplina de Química, a partir de uma controvérsia étnico-racial, cujo intuito foi promover, além da relação de ensino-aprendizagem, o engajamento político, visando uma formação crítica sobre o tema em tela. A principal premissa é a de que controvérsias presentes no contexto sociocultural do aprendiz são instrumentos motivadores com potencial para a mobilização do conhecimento científico escolar, bem como dos aspectos identitários relacionados às desigualdades culturais, sociais e econômicas historicamente construídas no Brasil. Os fundamentos teóricos e metodológicos da pesquisa estão apoiados nos pressupostos da perspectiva histórico-cultural. Os sujeitos da investigação eram participantes de um projeto de Educação Popular, e os objetos de análise foram o registro do relato de aula do professor e a entrevista com a aluna que mais se envolveu nas discussões da aula. Os resultados evidenciam o uso dos conteúdos químicos escolares como forma de validar o posicionamento dos estudantes frente à controvérsia proposta, bem como os aspectos éticos e políticos relacionados às questões étnico-raciais, sob o ponto de vista expresso no relato do professor e na entrevista.

Biografia do Autor

Beatriz Vivian Schneider-Felicio, Universidade de São Paulo / Programa de Pós-graduação Interunidades em Ensino de Ciências

Beatriz Vivian Schneider Felicio concluiu a Graduação em Licenciatura em Química pela FFCLRP da Universidade de São Paulo em 2008. É mestre em Ensino de Ciências com ênfase em Ensino de Química pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências (IF/IQ/IB/FE) da Universidade de São Paulo. É Doutora em Ensino de Ciências com ênfase em Ensino de Química pela mesma instituição. Atuou como tutora do curso de Especialização em Ensino de Ciências oferecido pela FEUSP e Secretaria da Educação de São Paulo, na plataforma Redefor em 2010 e 2011. Atuou como tutora do Curso de Licenciatura em Ciências da USP/UNIVESP em 2014 e 2015. É professora efetiva de química na rede Estadual; é professora voluntária e pesquisadora colaboradora do Centro de Investigações em Metodologias Alternativas Conexão (CIEMAC); participou em discussões e trabalhos dos seguintes grupos: Grupo de Pesquisa Ciência, Comportamento e Ambiente (GPCCA), da USP de Ribeirão Preto; Grupo de Estudos e Pesquisa em Interculturalidade e Educação em Ciências (GEPIC), da UFTM de Uberaba; Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências e Complexidade (ECCo) do IFUSP de São Paulo. Sua linha de interesse é o estudo de relações entre o Ensino de Ciências/Química e a temática socioambiental sob a perspectiva sócio-histórico-cultural de ensino e aprendizagem.

Referências

Aikenhead, G. S. (1994). What is STS science teaching? In J., Solomon, & G., Ainkenhead, STS education: international perspectives and reform. New York: Teachers College Press, 47–59.

Aikenhead, G. S. (2009). Educação científica para todos. Tradução de Maria Teresa Oliveira. Portugal: Edições Pedagogo.

Brick, E. M., Pernambuco, M. M. C. A., Silva, A. F. G., & Delizoicov, D. (2014). Paulo Freire: interfaces entre Ensino de Ciências Naturais e Educação do Campo. In M. C. D. A., Molina, (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o Ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do Trabalho Docente Interdisciplinar. Brasília: NEAD, 267p.

Camillo, J., & Mattos, C. (2014). Educação em ciências e a teoria da atividade cultural-histórica: contribuições para a reflexão sobre tensões na prática educativa. Revista Ensaio. Belo Horizonte, 16(1), p. 211–230.

Candau, V. M. (2014). A didática e a formação de educadores – da exaltação à negação: a busca da relevância. In Candau, V. M. (org.). Didática em questão. (36a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Candela, A. A.(1999). Ciencia en aula: los alumnos entre la argumentación y el consenso. México: Paidós.

Davidov, V., & Markova, A. (1987). La concepcion de la actividad de estudio de los escolares In V., Davidov, & M., Shuare, La psicología evolutiva y pedagogía en la URSS: antología. Moscú: Editorial Progreso, p. 316–336.

Driver, R., Asokoh Leach, J., Mortimer, E., & Scott, P. (1999). Construindo o conhecimento científico em sala de aula. Tradução de Eduardo Fleury Mortimer. Química Nova na Escola, 9.

Fraser, M. T. D., & Gondim, S. M. G. (2004). Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, Ribeirão Preto, 14(28), p. 139–152. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2004000200004.

Freire, P. (1967). Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. (17a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra. 107 p.

Gadotti, M. (2012). Educação popular, educação social, educação comunitária. In Congresso Internacional de Pedagogia Social, n. 1, São Paulo, 2012. Anais do Congresso Internacional de Pedagogia Social. São Paulo: USP.

Gilbert, J. K., Boulter, C. J., & Elmer, R. (2000). Positioning Models in Science Education and in Design and Technology Education. In J. K., Gilbert, & C. J., Boulter, (Eds.), Developing Models in Science Education. Dordrecht: Kluwer, 3–17. Recuperado de https://doi.org/10.1007/978-94-010-0876-1_1.

Grossi, F. V. (1984). Popular education: Latin American experience. International Review of Education, 30, 303–314. https://doi.org/10.1007/BF00597907.

Jara, O. (2010). Educación popular y cambio social en America Latina. Community Development Journal, Oxford, 45(3).

Kato, D. S. (2011). O papel dos cursinhos populares nos acessos e mudanças de perspectivas de seus participantes. Cadernos CIMEAC, 1, p. 5–24, https://doi.org/10.18554/cimeac.v1i1.1430.

Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 10 jan. 2003. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.639.htm.

Leontiev, A. N. (1978). O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Moraes.

Leontiev, A. N. (1983). Actividad, conciencia, personalidad. (2a ed.). Havana: Pueblo y Educacion.

Moretti, V. D., & Moura, M. O. de. (2011). Professores de matemática em atividade de ensino: contribuições da perspectiva histórico-cultural para a formação docente. Ciência & Educação (Bauru), 17(2). 435–450. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132011000200012.

Munanga, K., & Gomes, N. L. (Orgs). (2006). O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global. (Coleção para entender).

Narita, F. Z. (2014). Temas, conceitos e processos em Educação Popular: uma discussão a partir das ciências sociais. Cadernos CIMEAC, 4(2). 41–57. https://doi.org/10.18554/cimeac.v4i2.1467.

Parecer CNE/CP n.º 3, de 10 de março de 2004: Diretrizes Curriculares

Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de

História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Conselho Nacional de Educação, Ministério da Educação, Brasília. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne(a)rquivos/pdf/003.pdf.

Pedretti, E. (2003). Teaching science, technology, society and environment (STSE) education: preservice teachers’ philosophical and pedagogical landscapes. In Zeidler, D. L. (Org.). The role of moral reasoning on socioscientific issues and discourse in science education. Nederlands: Kluwer Academic Publishers, 219–239.

Sadler, T. D., Amirshokoohi, A., Kazempour, M., & Allspaw, K. M. (2006). Socioscience and Ethics in Science Classrooms: Teacher Perspectives and Strategies. Journal of Research in Science Teaching, 43,353–376. https://doi.org/10.1002/tea.20142.

Santos, W. L. P. (2007). Contextualização no Ensino de Ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino, 1 (especial).

Verrangia, D. (2014). Educação Científica e Diversidade Étnico-Racial: O Ensino e a Pesquisa em Foco. Interacções, 31, 02–27.

Vigotski, L. S. (2007). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. (2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Wartha, E. J., & Rezende, D. B (2011). Os níveis de representação no Ensino de Química e as categorias da semiótica de Pierce. Investigações em Ensino de Ciências, 16(2,) p. 275–290.

Publicado
2019-11-20
Como Citar
kato, D. S., & Schneider-Felicio, B. V. (2019). “Cabelo Bom/Ruim ou Bastonete de Queratina?” – Dimensão Estética de uma Controvérsia Étnico-Racial no Ensino de Química no Contexto da Educação Popular. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 623-647. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u623647
Seção
Artigos