Ensino de Ciências por Investigação e o Desenvolvimento de Práticas: Uma Mirada para a Base Nacional Comum Curricular

Palavras-chave: Ensino de ciências por investigação, práticas científicas e epistêmicas, Base Nacional Comum Curricular

Resumo

Neste artigo, apresentamos e discutimos o ensino de ciências em que os estudantes possam desenvolver sua autonomia intelectual, sendo agentes ativos do processo de aprendizagem, reconhecendo conhecimentos e características da atividade científica. Para tanto, construímos um panorama da atividade científica a partir da discussão de trabalhos de sociologia das ciências. Como decorrência, analisamos estudos da área de pesquisa em ensino de ciências que tratam do papel das práticas científicas e epistêmicas para a promoção da alfabetização científica. Estes estudos fundamentam a análise do documento curricular de Ciências da Natureza presente na recém-publicada Base Nacional Comum Curricular. Ao final, apresentamos impressões sobre elementos que precisam ser considerados para a efetiva concretização dos pressupostos deste documento em sala de aula.

Biografia do Autor

Lucia Helena Sasseron, Universidade de São Paulo / USP
Professora Doutora do Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo - EDM/FEUSP

Referências

Berland, L. K., & Hammer, D. (2012). Framing for scientific argumentation. Journal of Research in Science Teaching, 49(1), p. 69–84.
Bybee, R. W., & DeBoer, G. E. (1994). Research on Goals for the Science Curriculum, In Gabel, D. L. (ed.), Handbook of Research in Science Teaching and Learning (p. 357–387). New York, NY: McMillan.
Carvalho, A. M. P. (2013) Ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. (pp. 1–20). São Paulo, SP: Cengage Learning.
Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177–229.
Dewey, J. (1971). Experiência e educação, São Paulo: Nacional.
Duschl, R. A. (2008). Science education in three-part harmony: balancing conceptual, epistemic and social learning goals. Review of Research in Education, 32(1), p. 268–291.
Ferraz, A. T., & Sasseron, L. H. (2017). Espaço interativo de argumentação colaborativa: condições criadas pelo professor para promover argumentação em aulas investigativas. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 19, p. 1–25. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172017190117.
Ford, M. J. (2015). Educational implications of choosing “practice” to describe Science in Next Generation of Science Standards. Science Education, 99(5), p. 1041–1048.
Fourez, G. (1994). Alphabétisation Scientifique et Technique – Essai sur les finalités de l’enseignement des sciences. Bruxelas, Bélgica: DeBoeck-Wesmael.
Freiberg, H. L. (2015). Dissertação (Mestrado em Educação), Elementos catalisadores para a promoção da negociação de sentidos. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.
Freire, P. (1967). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.
Hurd, P. D. (1998). Scientific literacy: new minds for a changing world. Science Education, 82(3), p. 407–416.
Jiménez-Aleixandre, M. P., & Crujeiras, B. (2017) Epistemic practices and scientific practices in science education. In Taber, K. S, & Akpan, B. (Eds.). Science Education: an International Course Companion, p. 69-80.
Kelly, G. J. (2008). Inquiry, activity and epistemic practice. In Duschl, R. A., & Grandy, R. E. (Eds.), Teaching Scientific Inquiry: recommendations for research and implementation (p. 288–291). Rotterdam, Holand: Taipei Sense Publishers.
Knorr-Cetina, K. (1999) Epistemic cultures. Princeton: Princeton University Press.
Latour, B., & Woolgar, S. (1986). Laboratory life: the construction of scientific facts.Princenton: Princeton University Press.
Longino, H. E. (1990). Science as social knowledge: values and objectivity in science inquiry. Princeton: Princeton University Press.
Longino, H. E. (2002). The fate of knowledge. Princeton: Princeton University Press,.
Machado, V. F., & Sasseron, L. H. (2012). As perguntas em aulas investigativas de ciências: a construção teórica de categorias. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 12(1), p. 29–44.
MEC, Ministério da Educação (2017). Base Nacional Comum Curricular, Brasília: Secretaria da Educação Básica.
Osborne, J. (2014). Teaching Scientific Practices: Meeting the Challenge of Change, Journal of Science Teacher Education, 25(2), 177–196, doi: 10.1007/s10972-014-9384-1
Osborne, J. (2016). Defining a knowledge base for reasoning in Science: the role of procedural and epistemic knowledge. In Duschl, R. A., & Bismarck, A. S. (eds.), Reconceptualizing STEM Education: the central role of practice. New York, NY: Routledge.

Pickering, A. (1992). Science as practice and culture, Chicago: University of Chicago Press.
Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2008). Almejando a Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo, Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), p.333–352.
Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização Científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola, Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(no. Especial), p.49–67.
Solino, A. P. (2017). Tese (Doutorado em Educação), Problemas potenciais significadores em aulas investigativas: contribuições da perspectiva histórico-cultural. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP.
Souza, T. N. (2015). Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências), Engajamento disciplinar produtivo e o ensino por investigação: estudo de caso em aulas de Física no Ensino Médio. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.
Stroupe, D. (2015). Describing “Science Practice” in Learning Settings, Science Education, 99(5), p. 1033–1040.
Stroupe, D. (2014). Examining Classroom Science Practice Communities: How Teachers and Students Negotiate Epistemic Agency and Learn Science-as-Practice. Science Education, 98(3), p. 487–516.
Windschitl, M., Thompson, J., & Braaten, M. (2008). Beyond the scientific method: Model-Based Inquiry as a new paradigm of preference for school science investigations. Science Education, 92(5), p. 941–967.
Young, M. (2007). Para que servem as escolas?, Educação e Sociedade, 28(101), p. 1287–1302.
Publicado
2018-12-15