A Integração de Saberes e as Marcas dos Conhecimentos Tradicionais: Reconhecer para Afirmar Trocas Interculturais no Ensino de Ciências

Palavras-chave: Conhecimentos tradicionais, Integração de saberes, Interculturalidade, Ensino de Ciências, Educação do Campo

Resumo

O texto apresenta, analisa e discute algumas marcas/características presentes nos conhecimentos tradicionais relacionados à influência da Lua em práticas sociais  de camponeses mapeados etnograficamente por Licenciandos em Educação do Campo em comunidades da região Norte do Estado de Minas Gerais. Seu principal objetivo é defender a integração dos conhecimentos tradicionais no Ensino de Ciências a fim de afirmar trocas interculturais. A partir da perspectiva teórica da Educação Intercultural e dos conhecimentos tradicionais dos povos do campo, crescente na Educação em Ciências, o presente estudo insere-se como resultado de ações de ensino, pesquisa e extensão. Ao longo dos últimos anos, um grupo de professores e estudantes tem identificado um conjunto de características que perpassam o modo próprio de pensar e falar de licenciandos, assim como de moradores de comunidades do campo, estreitamente relacionadas às suas práticas sociais. Tais conhecimentos emergem em disciplinas e pesquisas realizadas no contexto do Curso de Licenciatura em Educação do Campo de uma universidade federal. As informações obtidas ilustram a existência de nove das dez marcas apontadas. Os conhecimentos destacados demonstram ainda uma rica e coletiva produção cultural que não pressupõem um julgamento ou critério de verdade. Paralelamente, esses conhecimentos tradicionais e suas marcas/características constituem-se como uma contraposição importante para o Ensino de Ciências na medida em que almejam ser reconhecidos como uma cultura produzida, dotada de características próprias que muitas vezes se aproximam daquelas da cultura científica.

Referências

Aikenhead, G. S. (2009). Educação científica para todos. Lisboa: Edições Pedago.

Aikenhead, G., & Michell, H. (2011). Bridging Cultures: indigenous and scientific ways of knowing nature. Toronto: Pearson.

Alentejano, P. R. (2003). As relações campo-cidade no Brasil do século XXI. Terra Livre, 2(21), 25–39.

Argueta, A. (2015). Os saberes e as práticas tradicionais: conceitos e propostas para a construção de um campo transdisciplinar. In C. Udry, & J. S. Eidt (Eds.), Conhecimento tradicional: conceitos e marco legal (pp. 177–199). Brasília: Embrapa.

Arroyo, M. G. (2014). Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bakhtin, M. (2010). Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Brandão, C. R. (2012). A comunidade tradicional. In J. B. A. Costa, & C. L. Oliveira (Orgs.), Cerrados, Gerais, Sertão: comunidades tradicionais nos sertões roseanos (pp. 363–380). São Paulo: Intermeios.

Brito, I. C. A. (2012). Geraizeiros em movimento. In J. B. A, Costa, & C. L. Oliveira (Orgs.), Cerrados, Gerais, Sertão: comunidades tradicionais nos sertões roseanos (pp. 335–349). São Paulo: Intermeios.

Candau, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 45–56. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782008000100005

Carrara, A. A. (2007). Reconversão Agroextrativista: perspectiva e possibilidades para o norte de Minas Gerais. (Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília, Brasília.

Chassot, A. (2016). Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí.

Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais, & Ministério Público de Minas Gerais. (2018). Direitos dos povos e das comunidades tradicionais. Recuperado de https://caa.org.br/media/publicacoes/PUBLICACAO_ESPECIAL_DIREITOS_DOS_POVOS_E_COMUNIDADES_TRADICIONAIS_oibAP6o.pdf

Crepalde, R. S., & Aguiar Jr., O. G. (2014) Abordagem intercultural na educação em ciências: da energia pensada à energia vivida. Educação em Revista, 30 (3), 43–61. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982014000300003

Crepalde, R. S., Klepka, V., & Halley, T. O. P. (2017). Interculturalidade e conhecimento tradicional sobre a Lua na formação de professores no/do campo. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 836–860. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p836

Cunha, M. C. (2009). Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico. In M. Carneiro da Cunha (Org.), Cultura com aspas (pp. 301–310). São Paulo: Cosac Naify.

Cunha, M. C., & Almeida, M. W. B. (2009). Populações tradicionais e conservação ambiental. In M. Carneiro da Cunha (Org.), Cultura com aspas (pp. 277–300). São Paulo: Cosac Naify.

El-Hani, C. (2018). Integrando conhecimentos científicos e tradicionais na conservação. Recuperado de https://darwinianas.com/2018/05/01/integrando-conhecimentos-cientificos-e-tradicionais-na-conservacao/

Flores, V., Barbisan, L. B., Finatto, M. J. B., & Teixeira, M. (2009). Dicionário de Linguística da Enunciação. São Paulo: Contexto.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). História do município Rio Pardo de Minas (MG). Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/rio-pardo-de-minas/historico

Kanu, Y. (2011). Integrating Aboriginal Perspectives into School Curriculum: Layering at Five Levels of Classroom Practice. In Y. Kanu (Org.), Integrating Aboriginal Perspectives into the school curriculum: purposes, possibilities and challenges (pp. 95–119). Toronto: University of Toronto Press.

Mauss, M. (2017). Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In M. Mauss (Org.), Sociologia e Antropologia (pp. 191–330). São Paulo: Ubu Editora.

Mortimer, E. (2001). Perfil conceptual: formas de pensar y hablar en las clases de ciencias. Infancia y aprendizaje, 24(4), 475–490. https://doi.org/10.1174/021037001317117402

Mortimer, E. F., Scott, P., Amaral, E. M. R., & El-Hani, C. N. (2014). Conceptual Profiles: Theoretical-Methodological Bases of a Research Program. In E. F. Mortimer, & C. N. El-Hani, (Orgs.), Conceptual Profiles: A Theory of Teaching and Learning Scientific Concepts (pp. 3–33). Dordrecht: Springer.

Nogueira, M. C. R. (2009). Gerais a dentro e afora: identidade e territorialidade entre os Geraizeiros do Norte de Minas Gerais. (Tese de Doutorado em Antropologia Social). Universidade de Brasília, Brasília.

Porto-Gonçalves, C. W. (2014). Descolonizar o pensamento, condição para a sustentabilidade: diálogo com Carlos Walter Porto-Gonçalves. Sustentabilidade em Debate,5(3), 159–168.

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2000). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência - Tecnologia - Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensino Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 110–132. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172000020202

Silva, A. T. R. (2015). A conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência. Estudos Avançados, 29(83), 233–259. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142015000100012

Xavier, P. M. A., & Flôr, C. C. C. (2015). Saberes populares e educação científica: um olhar a partir da literatura na área de ensino de ciências. Ensino em Pesquisa Educação em Ciências, 17(2), 308–328. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172015170202

Publicado
2019-05-21
Como Citar
Crepalde, R. dos S., Klepka, V., Halley, T. O. P., & Sousa, M. (2019). A Integração de Saberes e as Marcas dos Conhecimentos Tradicionais: Reconhecer para Afirmar Trocas Interculturais no Ensino de Ciências. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 275-297. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u275297
Seção
Artigos