Saúde ambiental

responsividade de um processo investigativo e a construção do conhecimento

Palavras-chave: Epistemologia, Saúde Ambiental, Ensino

Resumo

No Brasil, a expressão “saúde ambiental” é definida pelo Ministério da Saúde como uma área da saúde pública que, junto ao conhecimento científico, atua na formulação de políticas públicas relacionadas à interação entre a saúde humana e os fatores do meio ambiente natural. Como outras áreas específicas do ensino e da educação, busca, ainda, a consolidação do movimento para a qualificação desse conhecimento, no sentido de se tornar responsiva à população assistida. O objetivo deste trabalho foi construir um percurso pesquisacional participativo com o meio investigado, que possibilitasse entendimentos sobre a relação ciência e sociedade. Mantendo olhar crítico sobre tal movimento, entendemos que os métodos pesquisacionais e seus meios de significação, como construção de conhecimento para o desenvolvimento, encontram-se sob uma tensão de forças opostas: a natureza e a sociedade. Assim, esse processo investigativo levou-nos a problematizar essa natureza que os protagonistas colocam em seus discursos, construindo caminhos significativos às melhorias societárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Luiz Quandt, Instituto Federal Catarinense (IFC)

Possui graduação em Ciências Biológicas (2008) pela Universidade da Região de Joinville (Univille), mestrado (2012) e doutorado (2014) em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente é professor do Instituto Federal Catarinense (IFC). Tem experiência na área de Ciências Ambientais, atuando principalmente nos temas: saúde ambiental, educação ambiental e saúde coletiva.

Referências

AUGUSTO, L. G. S.; FLORENCIO, L.; CARNEIRO, R. M.. Saúde e Ambiente na Perspectiva da Saúde Coletiva. In: ______(Org.). Pesquisa (ação) em Saúde Ambiental. Recife: Editora Universitária-UFPE, v. 1, p. 3-6, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instrução Normativa n° 01. Regulamenta a Portaria GM/MS n° 1.172/2004 no que se refere às competências da União, estados, municípios e Distrito Federal na área de vigilância em Saúde ambiental. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2005.

BRÜGGER, Paula. Educação ou Adestramento Ambiental?2. ed. Revista e ampliada. Letras contemporâneas, 2004.

BURR, V. Social constructionism. London: Routledge, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2007.

GERGEN, K. J. Movimento do Construcionismo Social na Psicologia Moderna. American Psychologist, v. 40, n. 33, p. 266-275, março, 1985.

GONÇALVES, M. M.; GONÇALVES O. F. A psicoterapia como construção conversacional. In _____(Eds.). Psicoterapia, discurso e narrativa: A construção conversacional da mudança. Coimbra, Portugal: Quarteto. 2001.

HODSON, D. Hacia um trabalho más crítico del trabalho de laboratório. Enseñanza de lãs Ciencias, v. 12, n. 3, p. 299-313, 1994.

IBÁÑEZ, T. Municiones para dissidentes: realidad, verdad, política. Barcelona, España: Gedisa. 2001.

INGOLD, Timothy. Culture, nature, environment: steps to an ecology of life. In: The Perception of the Environment:Essays on Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

INGOLD, Timothy. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 6-25, jan./abr. 2010. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br>. Acesso em: 27 setembro de 2014.

IÑIGUEZ, L. Manual de análise do discurso em Ciências Sociais (p. 43-79). Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

KÖHNLEIN, J. F. K.; PEDUZZI, L. O. Q. Sobre a concepção empirista-indutivista no ensino de Ciências. In: VIANNA, D. M. et al. (Orgs.). Encontro de pesquisa em ensino de Física, Viii, 2002, Águas de Lindóia. Atas... São Paulo: Sociedade Brasileira de Física, 2002.

MATURANA, H. R.; VARELA, F. J. A Árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Campinas-SP: Editorial Psy II, 2011.

MOSCHETA, Murilo dos Santos. Responsividade como recurso relacional para a qualificação da assistência a saúde da população LGBT. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, 2011.

ORTIZ, Fernando. Contrapunteo cubano del azúcar y del tabaco. Havana: Editorial de Ciencias Sociales, 1983.

SILVEIRA, F. L. D.; OSTERMANN, F. A insustentabilidade da proposta indutivista de “descobrir a lei a partir de resultados experimentais”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, p. 7-27, jun. 2002.

SPINK, M. J. P.; GIMENES, M. G. G. Práticas discursivas e produção de sentido: apontamentos metodológicos para a análise de discursos sobre a saúde e a doença. Saúde e Sociedade, v. 3, n. 2, p. 149-171, 1994.

Publicado
2016-01-07
Como Citar
QUANDT, F. L. Saúde ambiental. Revista Docência do Ensino Superior, v. 5, n. 2, p. 153-182, 7 jan. 2016.
Seção
Artigos