A prática educativa do enfermeiro preceptor no processo de formação

o ensinar e o cuidar como participantes do mesmo processo

Palavras-chave: Enfermagem, Programa Saúde da Família, Preceptoria, Desenvolvimento de pessoal

Resumo

Objetivo: compreender o processo de trabalho do enfermeiro preceptor na perspectiva da prática integrada e do papel que ela exerce na formação em saúde. Método: qualitativo, descritivo e exploratório, efetivado por meio de observação livre e entrevistas. Dados submetidos à análise de conteúdo temático. Participaram 13 enfermeiros preceptores que atuam na Estratégia Saúde da Família (ESF) do município de Teresópolis, no Rio de Janeiro. Resultados: há necessidade de fortalecimento do intercâmbio e da integração entre os serviços de saúde com a instituição de ensino que utiliza os espaços da ESF para a formação, bem como para que componentes teóricos e práticos sejam complementares, possibilitando que os futuros profissionais reconheçam e trabalhem no atendimento das demandas de saúde. Duas categorias foram geradas: o enfermeiro preceptor como construtor de vínculos: novo olhar e fazer na realidade do Sistema Único de Saúde (SUS); a prática integrada na ESF como espaço de inovação e de formação do enfermeiro. Conclusão: evidenciou-se que o enfermeiro preceptor, ao ser o profissional que cuida de indivíduos e, concomitantemente, forma os futuros profissionais, vivencia um profícuo e dinâmico movimento de ensino e de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Betânia Machado Faraco Oliveira, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Enfermeira, mestre em Ensino na Saúde pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Especialista em Gestão em Saúde e Controle de Infecção Hospitalar, Vigilância Sanitária, Administração Hospitalar, Programa de Saúde da Família. Tem experiência profissional tanto na assistência de enfermagem quanto na gestão dos serviços de saúde.

Donizete Vago Daher, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Professora associada da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense (UFF); pós-doutoranda pela Faculdade de Enfermagem da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (FE/UERJ) e pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC, Portugal), doutora em Saúde Coletiva pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas (FCM/UNICAMP); mestre em Educação pela UERJ, especialista em Metodologia do Ensino Superior; Administração de Serviços de Enfermagem e Geriatria e Gerontologia Interdisciplinar.

Referências

ALBUQUERQUE, V. S.; GOMES, A. P.; REZENDE, C. H. A.; SAMPAIO, M. X.; DIAS, O. V., LUGARINHO, R. M. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica. v. 32, n. 3, p. 356-362, 2008.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, n. 204, 24 out. 2011, p. 55.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária e Promoção da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2007.

FINKLER, M. Formação ética em Odontologia: realidades e desafios. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Saúde,Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

MORETTI-PIRES, R.O. Complexity in family healthcare and the training of future healthcare professionals. Interface - Comunic., Saúde, Educ., Botucatu , v. 13, n. 30, p. 153-66, jul./set. 2009.

NASCIMENTO, D. D. G.; OLIVEIRA, M. G. C. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em saúde da família. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 814-27, 2010.

RIBEIRO, E. C. O. Exercício da preceptoria: espaço de desenvolvimento de práticas de educação permanente. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, Rio de Janeiro, v. 11 (Supl. 1), p. 77-81, 2012.

TANJI, S.; MONTEIRO, D. S. C. M.; ALBUQUERQUE, V. S.; FELIPPE, K. C.; MARTUCHELLI, M. Processo de mudança curricular do curso de graduação em Enfermagem da UNIFESO: potencialidades e vulnerabilidades. Enfermería Global, Universidad de Murcia, v. 1, n. 13, p. 1-12, 2008.

Publicado
2016-05-23
Como Citar
OLIVEIRA, B. M. F.; DAHER, D. V. A prática educativa do enfermeiro preceptor no processo de formação. Revista Docência do Ensino Superior, v. 6, n. 1, p. 113-138, 23 maio 2016.
Seção
Artigos