Equipamentos alternativos para o ensino de Química para alunos com deficiência visual

Autores

  • Adeilton Pereira Maciel Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1787-6039
  • Antonio Batista Filho Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil.
  • Gilza Maria Piedade Prazeres Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2016.2106

Palavras-chave:

Materiais alternativos, Ensino de Química, Educação inclusiva

Resumo

Neste trabalho reportamos uma experiência didáticopedagógica realizada numa turma de Instrumentação para o Ensino de Química do curso de licenciatura em Química da Universidade Federal do Maranhão. Como trabalho de conclusão da disciplina, os discentes deveriam propor e construir equipamentos de pequeno porte para serem utilizados no auxílio ao ensino de Química para alunos com deficiência visual. A turma era composta por oito alunos, que apresentaram os equipamentos que desenvolveram. Um dos discentes destacou-se na execução da atividade, produzindo a balança de um prato e um medidor de volume de líquidos, os quais podem ser utilizados facilmente por alunos com deficiência visual. Aqui mostramos como os equipamentos foram feitos e como podem ser utilizados, seguindo um roteiro experimental proposto pelo aluno de licenciatura em Química.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adeilton Pereira Maciel, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil.

Químico industrial e mestre em Química pela UFPB, doutor em Química pela UFSCar, Especialista em Educação a Distância, SENAC. Atualmente é professor-associado II da Universidade Federal do Maranhão, lotado no Departamento de Química, coordena a área de ensino de Química. Docente permanente nos Programas de Pós-Graduação em Energia e Ambiente; Química e RENORBIO.

Antonio Batista Filho, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil.

Acadêmico do curso de licenciatura em Química na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Curso em fase de conclusão, oitavo período. Profissional autônomo no ramo de transportes rodoviário de materiais.

Gilza Maria Piedade Prazeres, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil.

Professora adjunta da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Possui graduação em Química Industrial pela UFMA; mestre e doutora em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordenou o curso de Química Licenciatura da UFMA. Atualmente atua nas áreas de divulgação científica, ensino de Química e biocombustíveis.

Referências

CHRISPINO, A. Ensinando Química experimental com metodologia alternativa. Química Nova, v. 12, n. 2, p. 187-191, 1989.

FIELD’S, K. A. P.; CAVALCANTE, K. L.; MORAIS, W. C. S.; BENITE, C. R. M.; BENITE, A. M. C. Ensino de Química para deficientes visuais: sobre intervenção pedagógica em instituição de apoio. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16, 2012, Salvador, [Anais...]. Disponível em: <http://www.eneq2012.qui.ufba.br/modulos/ submissao/Upload/42492.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S. (Coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GAUCHE, R.; SILVA, R. R.; BAPTISTA, J. A.; SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S.; MACHADO, P. F. L. Formação de professores de Química: concepções e proposições. Química Nova na Escola, n. 27, p. 26-29, 2008.

GUIMARÃES, C. C. Experimentação no ensino de Química: caminhos e descaminhos rumo à aprendizagem significativa. Química Nova na Escola, v. 31, n. 3, p. 198-202, 2009.

MACIEL, A. P.; LIMA, J. B. Alternativas para o ensino de química na educação básica: a experiência no cotidiano da docência em química. São Luís: EDUFMA, 2011.

MALONE, L.; LUCCHI, L. Multisensory science education: meeting special challenges. In: CORRICK, B. (Org.). Teaching handicapped student’s science. Washington: NEA, 1981.

MINER, D. L.; NIEMAN, R.; SWANSON, A. E. B.; WOODS, M. Teaching Chemistry to students with disabilities: a manual for high schools, colleges, and graduate programs. 4th Edition. American Chemical Society, Washington, D.C., 2001.

NEPOMUCENO, T. A. R.; ZANDER, L. D. Uma análise dos recursos didáticos táteis adaptados ao ensino de ciências a alunos com deficiência visual inseridos no ensino fundamental. Revista do Instituto Benjamin Constant, Rio de Janeiro, v. 1, n. 58, p. 49-63, 2015.

PONTES, A. N.; SERRÃO, C. R. G.; de FREITAS, C. K. A.; dos SANTOS, D. C. P.; BATALHA, S. S. A. O ensino de Química no nível médio: um olhar a respeito da motivação. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 14, 2008, Curitiba [Anais...]. Disponível em: <http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0428-1.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

SÁ, E. D.; CAMPOS, I. M.; SILVA, M. B. C.; Atendimento educacional especializado em deficiência visual. Brasília: MEC; SEESP, 2007.

Downloads

Publicado

2016-10-10

Como Citar

MACIEL, A. P.; BATISTA FILHO, A.; PRAZERES, G. M. P. Equipamentos alternativos para o ensino de Química para alunos com deficiência visual. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 153–176, 2016. DOI: 10.35699/2237-5864.2016.2106. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/2106. Acesso em: 2 dez. 2020.

Edição

Seção

Artigos