Exame Clínico Objetivo Estruturado na avaliação formativa

percepção de estudantes de Medicina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.24884

Palavras-chave:

Avaliação educacional, Competência clínica, Educação médica, Educação baseada em competências, Exame Clínico Objetivo Estruturado

Resumo

A formação em medicina demanda o desenvolvimento de competências pelos estudantes, exigindo-lhes mobilização de conhecimentos, habilidades e atitudes para lidarem com situações da prática profissional. O Exame Clínico Objetivo Estruturado (OSCE) constitui-se em estratégia para avaliar competências em ambientes simulados. Este estudo, uma pesquisa quantitativa, descritiva e transversal, teve por objetivo avaliar a percepção dos estudantes do sétimo e do oitavo períodos de um curso de Medicina sobre alguns fatores que interferiram no seu desempenho durante o OSCE. A amostra, não probabilística por conveniência, foi constituída por 101 estudantes, representando 64,7% do universo. A coleta de dados foi realizada virtualmente através de um formulário Google Forms, enviado aos estudantes por meio de seus endereços eletrônicos. Concluiu-se que a percepção dos estudantes foi positiva em relação ao exame, ainda que ajustes se revelem necessários, sinalizando para a viabilidade e factibilidade de novas edições do OSCE no curso de Medicina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilson Chaves Junior, Universidade de Vassouras (UV), Vassouras, RJ, Brasil.

Médico pela Universidade Severino Sombra (1977). Mestre em Cirurgia pela Escola Paulista de Medicina (2006). Especialista em Cirurgia pelo Conselho Federal de Medicina (1989). Professor do Curso de Graduação em Medicina da Universidade de Vassouras. Coordenador Adjunto do Curso de Graduação em Medicina da Universidade de Vassouras. Discente do CEDEM/USP.

Maria Cristina Almeida de Souza, Universidade de Vassouras (UV), Vassouras, RJ, Brasil.

Cirurgiã-dentista pela Faculdade de Odontologia de Valença (1992). Doutora em Clínicas pelo C.P.O. São Leopoldo Mandic (2012). Especialista em Saúde Coletiva pelo C.P.O. São Leopoldo Mandic (2007). Docente do curso de graduação em Medicina da Universidade de Vassouras. Docente do mestrado Profissional em Ciências Aplicadas em Saúde da Universidade de Vassouras. Discente do CEDEM/USP.

João Carlos de Souza Côrtes Junior, Universidade de Vassouras (UV), Vassouras, RJ, Brasil.

Médico pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1997). Doutor (2006) e mestre (2001) em Biologia Celular e Molecular. Pró-Reitor de Ciências Médicas da Universidade de Vassouras. Professor do curso de Medicina da Universidade de Vassouras e professor na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Discente do CEDEM/USP.

Paula Pitta de Resende Côrtes, Universidade de Vassouras (UV), Vassouras, RJ, Brasil.

Médica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1997). Mestre em Patologia Experimental pela UFF (2004). Coordenadora adjunta do curso de Medicina da Universidade de Vassouras. Professora assistente da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Discente do CEDEM/USP.

Milton de Arruda Martins, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Médico pela Faculdade de Medicina da USP (1977). Doutor em Patologia pela Faculdade Medicina da USP (1987). Pós-doutorado na Harvard Medical School (1990). Professor Titular de Clínica Médica Geral da Faculdade de Medicina da USP e Diretor do Serviço de Clínica Geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Docente do CEDEM/USP.

Referências

ABBADE, Joélcio Francisco. O Mini-Exercício Clínico (Mini-CEX). In: TIBÉRIO, Iolanda de Fátima Lopes Calvo; DAUD-GALLOTTI, Renta Mahfuz; TRONCON, Luiz Ernesto de Almeida; MARTINS, Milton de Arruda. Avaliação Prática de Habilidades Clínicas em Medicina. São Paulo: Atheneu, 2012. p. 89-96.

ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Declaração de Helsinque. 18ª Assembleia Médica Mundial, Helsinque, Filândia, 1964. Disponível em: https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/declaracao_de_helsinque.pdf. Acesso em: 22 abr. de 2021.

ATARO, Getu; BESSA Solomon; ASAMINEW, Tsedeke. Experience and Challenges of Objective Structured Clinical Examination (OSCE): Perspective of Students and Examiners in a Clinical Department of Ethiopian University. Ethiopian-Journal of Health Science, Jimma, v. 30, n. 3, p. 417-426, 2020.

BEVAN, James.; RUSSELL, Benjamin; MARSHALL, Ben. A new approach to OSCE preparation – PrOSCEs. BMC Medical Education, [S.l.], v. 19, n. 126, p. 1-6, 2019. Disponível em: https://bmcmededuc.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12909-019-1571-5. Acesso em: 22 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.1186/s12909-019-1571-5.

BRASIL, Ministério da Educação. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 12 dez. 2012. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em 22 abr. 2021.

BRASIL, Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 20 jun. 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Med.pdf. Acesso em: 8 jun. 2020.

BUSTAMANTE, Marco et al. Hacia un nuevo instrumento de evaluación en la carrera de Medicina. Uso del método OSCE. Revista Médica de Chile, Santiago, v. 128, n. 9, p. 1039-1044, 2000. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0034-98872000000900013.

CHAVES JUNIOR, Nilson. Relato de experiência com a utilização do OSCE pela disciplina Fundamentos de Cirurgia no curso de Medicina da USS. In: VIII JORNADA SEVERINO SOMBRA. Revista Fluminense de Extensão Universitária, Vassouras, v. 8, n. 2, p. 107, 2018. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RFEU/issue/view/146. Acesso em: 10 jun. de 2020.

CHAVES, Luís Henrique K. et al. Percepção do estudante sobre a implantação do método OSCE no curso de Odontologia em uma universidade particular. Revista da ABENO, [S.l.], v. 19, n. 2, p. 63-70, 2019. DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i2.790.

EBERHARD, Lydia et al. Analysis of quality and feasibility of an objective stuctured clinical examination. European Journal of Dental Education, [S.l.], v. 15, n. 3, p. 172-8, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1600-0579.2010.00653.x.

FERREIRA, Érica Matos Reis et al. O exame clínico objetivo estruturado no curso de Fisioterapia: o olhar do professor. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 10, p. 1-8, 2020. DOI: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.15084.

FRANCO, Camila Ament Giuliani dos Santos et al. OSCE para Competências de Comunicação Clínica e Profissionalismo: Relato de Experiência e Meta-Avaliação. Revista Brasileira de Educação Médica, [S.l.], v. 39, n. 3, p. 433-441, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n3e02832014.

GONTIJO, Eliane Dias; ALVIM, Cristina Gonçalves; REIS, Zilma Silveira Nogueira. O Desafio da Avaliação na Formação Médica por Competência. Revista Internacional em Língua Portuguesa, [S.l.], n. 33, p. 111-118, 2018. Disponível em: http://www.rilp-aulp.org/index.php/rilp/article/view/RILP2018.33.8. Acesso em: 11 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.31492/2184-2043.RILP2018.33/pp.111-118.

GUPTA, Piyush; DEWAN, Pooja; SINGH, Tejinder. Objective Structured Clinical

Examination (OSCE) Revisited. Indian Pediatrics, Nova Delhi, v. 47, n. 11, p. 911-20, 2010. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21149898/. Acesso em: 11 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s13312-010-0155-6.

IDRIS, Saadeldin Ahmed et al. Students’ Perception of Surgical Objective Structured Clinical Examination (OSCE) at Final Year MBBS, University of Khartoum, Sudan. Medicine Journal, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 17-20, 2014.

KILLINGLEY, Jo; DYSON, Sue. Student midwives’ perspectives on efficacy of feedback after objective structured clinical examination. British Journal of Midwifery, [S.l.], v. 24, n. 5, p. 362-

, 2016. DOI: https://doi.org/10.12968/bjom.2016.24.5.362.

MEGALE, Luiz; GONTIJO, Eliane D.; MOTA, Joaquim Antônio César. Competências Clínicas Essenciais em Pediatria: estão os estudantes aptos a executá-las?. Revista Brasileira de Educação Médica, [S.l.], v. 36, n. 4, p. 478-88, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022012000600006.

NASIR, Abdulrasheed A. et al. Medical students’ perception of objective structured clinical examination: a feedback for process improvement. Journal of Surgical Education, [S.l.], v. 71, n. 5, p. 701-706, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jsurg.2014.02.010.

NEVES, Reinaldo de Souza; BARROS, Ângela Ferreira.; ESPER, Márcia Maria de Araújo; BEZERRA, Thiago José Nunes. Avaliação do exame clínico objetivo estruturado (OSCE) por estudantes e docentes de graduação em enfermagem. Revista Comunicação em Ciências da Saúde, Brasília, v. 27, n. 4, p. 309-316, 2016. DOI: https://doi.org/10.51723/ccs.v27i04.55.

NULTY, Duncan D. et al. Best practice guidelines for use of OSCEs: maximising value for student learning. Nurse Education Today, v. 1, n. 31, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.nedt.2010.05.006.

PERRENOUD, Phillipe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SAMPAIO, Arabela Maria Barbosa; PRICINOTE, Silvia Cristina Marques Nunes; PEREIRA, Edna Regina Silva. Avaliação clínica estruturada. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Brasília, v. 5, n. 2, p. 410-426, 2014.

SIDDIQUI, Faisal Ghani. Final year MBBS students’ perception for observed structured clinical examination. Journal of College of Physicians and Surgeons Pakistan, Karachi, v. 23, n. 1, p. 20-24, 2013.

SILVA, Dyone Karla Barbosa et al. Percepções de estudantes de medicina sobre o OSCE: análise de seu papel como instrumento de avaliação formativa em uma universidade na Amazônia. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, São Paulo, v. 2, n. 5, p. 66-85, 2019. Disponível em: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/percepcoes-de-estudantes. Acesso em: 9 jun. 2020. DOI: http://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/percepcoes-de-estudantes.

SMEE, Sydney. Skill based assessment. British Medical Journal, Londres, v. 326, n. 7.391, p. 703-706, 2003. DOI: http://doi.org/10.1136/bmj.326.7391.703.

SOUZA, Ruy Guilherme Silveira. Atributos Fundamentais dos Procedimentos de Avaliação. In: TIBÉRIO et al. Avaliação Prática de Habilidades Clínicas em Medicina. São Paulo: Atheneu, 2012.

TIBÉRIO, Iolanda de Fátima Lopes Calvo et al. Avaliação Prática de Habilidades Clínicas em Medicina. São Paulo: Atheneu, 2012.

UNIVERSIDADE DE VASSOURAS. Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Vassouras, RJ. Jan. 2019. Disponível em: https://www.universidadedevassouras.edu.br/arquivos/graduacao/medicina/2019-1/PPC_MEDICINA.pdf. Acesso em: 11 jul. 2020.

UNIVERSIDADE DE VASSOURAS. Parecer no.3.908.676, de 10 de março de 2020. Comitê de Ética em Pesquisas, Vassouras, RJ. 10 mar. 2020. Disponível em: https://www.universidadedevassouras.edu.br/pesquisa. Acesso em: 22 abr. 2021.

WILBY, Kyle John; DIAB, Mohammad. Key challenges for implementing a Canadian - based objective structured clinical examination (OSCE) in a Middle Eastern context. Canadian Medical Education Journal, Ottawa, v. 7, n. 3, p. 74-79, 2016. Disponível em: https://journalhosting.ucalgary.ca/index.php/cmej/article/view/36720/pdf. Acesso em: 11 jun. 2020.

ZARTMAN, Rosemarie R. et al. Using OSCE based evaluation: curricular impact over time. Journal of Dental Education, [S.l.], v. 66, n. 12, p. 1323 1330, 2002. DOI: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/j.0022-0337.2002.66.12.tb03605.x.

ZIMMERMANN, Marlene Harger. Avaliação Clínica Objetiva Estruturada (OSCE) com feedback efetivo e o vídeo feedback: sua interface no ensino e na aprendizagem. 2019. Tese (Doutorado em Ensino de Ciência e Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2019. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br:8080/jspui/bitstream/1/4169/1/PG_PPGECT_D_Zimmermann%2C%20Marlene%20Harger_2019.pdf. Acesso em: 22 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

CHAVES JUNIOR, N.; SOUZA, M. C. A. de; CÔRTES JUNIOR, J. C. de S.; CÔRTES, P. P. de R.; MARTINS, M. de A. Exame Clínico Objetivo Estruturado na avaliação formativa: percepção de estudantes de Medicina. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 11, p. 1–16, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.24884. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/24884. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos