Visões de professores formadores sobre a formação e exercício da docência do professor de química

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.34573

Palavras-chave:

Formação de professores, Educação química, Professor formador

Resumo

A presente investigação insere-se no campo de estudos e pesquisas da formação de professores, focalizando em especial a formação de educadores químicos. Nesse contexto, apresenta-se como objetivo entender a função do professor de química em sua profissionalidade, à luz das compreensões dos docentes de um curso de licenciatura em Ciências de uma universidade pública do estado de São Paulo. Para tanto, com base em pressupostos da pesquisa qualitativa, foram entrevistados seis professores formadores por meio de entrevistas semiestruturadas. As análises foram construídas a partir dos seguintes eixos: i) Entendimento sobre o que é ser professor de química; ii) A profissão forjada na própria trajetória de vida. Os resultados apontam para a valorização da formação inicial, para a relevância das relações aluno-professor e para o entendimento do professor sobre sua identidade profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabrielle Gomes Ferreira, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Diadema, SP, Brasil.

Graduada em Ciências – Habilitação em Química pela Universidade Federal de São Paulo, campus Diadema. Professora de Química para ensino médio.

Thiago Antunes-Souza, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Diadema, SP, Brasil.

Professor adjunto da Universidade Federal de São Paulo atuando no curso de Ciências – Licenciatura do campus Diadema. Formado em Química-Licenciatura pela Universidade Metodista de Piracicaba e doutor em Educação pela mesma instituição, dedica-se ao campo de pesquisa e estudos da formação inicial e continuada de professores de química.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BELO, Edileusa do Socorro Valente; GONÇALVES, Tadeu Oliver. A identidade profissional do professor formador de professores de matemática. Revista Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 299-315, maio/ago. 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/9404. Acesso em: 20 jan. 2021.

BRITO, Rosa Maria Cavalcanti. O professor, a aprendizagem significativa e a avaliação: base para o sucesso escolar do aluno. In: SEMINÁRIOS REGIONAIS DA ANPAE, 7., 2012, Recife. Anais [...]. Recife, 2012. Disponível em: https://www.seminariosregionaisanpae.net.br/numero1/1comunicacao/Eixo03_38/Rosa%20Maria%20Cavalcanti%20Brito_int_GT3.pdf. Acesso em: 23 jan. 2021.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011.

GARCIA, Maria Manuela Alves; HYPOLITO, Álvaro Moreira; VIEIRA, Jarbas Santos. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan./abr. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000100004.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Revista de Ciências da Educação, São Paulo, n. 8, p. 7-22, jan./abr. 2009. Disponível em: http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/130. Acesso em: 23 nov. 2020.

MENDES, Thamiris Cristine; BACCON, Ana Lúcia Pereira. Profissão Docente: O que é ser Professor?. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12., 2015, Paraná. Anais [...]. Paraná: EDUCERE, 2015. p. 39786-39803. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/17709_7650.pdf. Acesso em: 25 nov. 2020.

MIGUEL, Fernanda Valim Côrtes. A entrevista como instrumento para investigação em pesquisas qualitativas no campo da linguística aplicada. Revista Odisseia, Natal, n. 5, p. 1-11, jan./jun. 2012. Disponível em: http://www.periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/2029. Acesso em: 1 dez. 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Trabalho de campo: contexto de observação, interação e descoberta. In: DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 61-77.

MUNSBERG, João Alberto Steffen; SILVA, Denise Regina Quaresma da. Constituição docente: formação, identidade e professoralidade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 14., 2014, Novo Hamburgo. Anais [...]. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2014. p. 1-14. Disponível em: https://www.feevale.br/Comum/midias/c735bc84-d79f-4e7a-9ef3-51415c94f684/CONSTITUI%C3%87%C3%83O%20DOCENTE%20FORMA%C3%87%C3%83O,%20IDENTIDADE%20E%20PROFESSORALIDADE.pdf. Acesso em: 25 nov. 2020.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (coord.). Os Professores e a sua Formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 13-33.

NÓVOA, António. Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995.NÓVOA, António. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/198053144843.

NÓVOA, António. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/198053144843.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Teachers matter: attracting, developing and retaining effective teachers. Education and Training Policy. Paris: OECD Publishing, 2005. 12 p. DOI: https://doi.org/10.1787/9789264018044-en. Disponível em: https://www.oecd.org/education/school/34990905.pdf. Acesso em: 28 jan. 2021.

PAVAN, Ruth. Currículo, a construção das identidades de gênero e a formação dos professores. Revista Contrapontos – Eletrônica, v. 13, n. 2, p. 102-109, maio/ago. 2013. DOI: https://doi.org/10.14210/contrapontos.v13n2.p102-109.

ROLDÃO, Maria do Céu. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-103, abr. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782007000100008.

SANTOS FILHO, José Camilo dos. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In: GAMBOA, Silvio Sánchez (org.). Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SCHNETLZER, Roseli Pacheco; ANTUNES-SOUZA, Thiago. A. O desenvolvimento da pesquisa em educação e o seu reconhecimento no campo científico da química. Educação Química en Punto de Vista, Foz do Iguaçu, v. 2, n. 1, p. 1-19, 2018. DOI: https://doi.org/10.30705/eqpv.v2i1.1049.

SILVA, Osmair Benedito da; QUEIROZ, Salete Linhares. Mapeamento da pesquisa no campo da formação de professores de química no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências, v. 21, n. 1, p. 62-93, mar. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n1p62.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2005.

VALLE, Ione Ribeiro. Carreira do magistério: uma escolha profissional deliberada?. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 87, n. 216, p. 178-187, maio/ago. 2006. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.87i216.792.

Downloads

Publicado

03-10-2021

Como Citar

FERREIRA, G. G.; ANTUNES-SOUZA, T. Visões de professores formadores sobre a formação e exercício da docência do professor de química. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 11, p. 1–18, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.34573. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/34573. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos