Trabalhadoras negras e o letramento racial crítico na universidade

um olhar a partir da UFMG

Autores

  • Cristina Aparecida Pimenta dos Santos Ângelo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9127-5242
  • Luciana Gomes da Luz Silva Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6570-7048
  • Dyego de Oliveira Arruda Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet-RJ), Valença, RJ, Brasil e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9514-284X

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.39519

Palavras-chave:

letramento racial crítico, mulheres negras, escrevivência, antirracismo

Resumo

Este artigo objetiva analisar práticas de letramento racial crítico que emergem da atuação de trabalhadoras negras da carreira de Técnico-Administrativo em Educação (TAE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em termos metodológicos, a pesquisa foi estruturada a partir das escrevivências de cinco trabalhadoras negras da carreira TAE da UFMG que foram entrevistadas ao longo do ano de 2021. Além disso, essas escrevivências, em termos metodológicos, foram cotejadas com as experiências das coautoras deste artigo, também mulheres negras e trabalhadoras da carreira TAE. Em suma, foi possível perceber, ao longo da pesquisa, que há um repertório vasto de práticas pedagógicas e políticas que emergem das trabalhadoras TAEs negras na UFMG e configuram iniciativas de letramento racial crítico. Essas ações, além de tensionarem a lógica do racismo e da colonialidade, também estimulam outros grupos socialmente invisibilizados a se organizarem, (re)existirem e lutarem por reconhecimento nos vários espaços da vida social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Aparecida Pimenta dos Santos Ângelo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Possui Mestrado em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet-RJ) e Bacharelado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Atualmente, é servidora da carreira de Técnico Administrativo em Educação (TAE) na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Possui experiência em pesquisas sobre relações étnico-raciais, políticas públicas e ações afirmativas.

 

Luciana Gomes da Luz Silva, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Possui Mestrado em Educação e Docência pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), além de Bacharelado e Licenciatura em Psicologia também pela UFMG.  Atualmente, é servidora pública da carreira de Técnico Administrativo em Educação (TAE) na UFMG. Possui experiência em pesquisas sobre relações étnico-raciais, educação e ações afirmativas.

 

Dyego de Oliveira Arruda, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet-RJ), Valença, RJ, Brasil e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Possui Doutorado em Administração de Organizações pela Universidade de São Paulo (USP). É professor do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-Raciais do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (PPRER/Cefet-RJ) e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPED/UFRJ). Possui experiência em pesquisas sobre políticas públicas e ações afirmativas.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

ÂNGELO, Cristina Aparecida Pimenta dos Santos. Política de Ações Afirmativas: reflexões sobre a inclusão e mobilidade social a partir de trajetórias de mulheres negras trabalhadoras da carreira de Técnico Administrativo em Educação – TAE na UFMG. Dissertação (Mestrado em Relações Étnico-raciais) – Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, CEFET/RJ, Rio de Janeiro, 2022.

BRASIL. Lei n° 11.096, de 13 de janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos e dá outras providências. Presidência da República, Brasília, DF. 13 jan. 2005.

BRASIL. Lei nº 10.558, de 13 de novembro de 2002. Cria o Programa Diversidade na Universidade e dá outras providências. Presidência da República, Brasília, DF. 13 nov. 2002.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Presidência da República, Brasília, DF. 29 ago. 2012.

BRASIL. Lei nº 12.990, de 9 de junho de 2014. Presidência da República, Brasília, DF. 9 jun. 2014.

COUTINHO, Gabriela. Letramento racial crítico nos anos iniciais do Colégio Pedro II: narrativas docentes sobre práticas pedagógicas de reexistência. In: III COPENE SUDESTE, 3., 2019. Vitória. Anais [...]. Vitória: COPENE, 2019. p. 1-11.

EVARISTO, Conceição. Escrevivências e seus subtextos. In: DUARTE, Constância; NUNES, Isabella (org.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 26-46.

FERREIRA, Aparecida; GOMES, Cássio. Letramento racial crítico: falta representatividade negra em materiais didáticos e na mídia. Uniletras, Ponta Grossa, v. 41, n. 1, p. 123-127, 2019. Entrevista.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GONZAGA, Yone Maria. Gestão universitária, diversidade étnico - racial e políticas afirmativas: o caso da UFMG. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte, 2017.

GONZAGA, Yone Maria. Trabalhadores e trabalhadoras técnico administrativos em Educação na UFMG: relações raciais e a invisibilidade ativamente reproduzida. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte, 2011.

MARÇAL, José Antônio. Política afirmativa no Brasil: uma luta histórica do Movimento Negro. In: SANTOS, Juliana; COLEN, Natália; JESUS, Rodrigo Ednilson de (org.). Duas décadas de políticas afirmativas na UFMG: debates, implementação e acompanhamento. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018. p. 21-34.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1, 2018.

NONATO, Bréscia; NOGUEIRA, Cláudio; LIMA, Liliane; OTONI, Shirley. Mudanças no perfil dos estudantes da UFMG: desafios para a prática docente. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 10, p. 1-21, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/20463. Acesso em: 13 mar. 2022.DOI: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.20463.

PEREIRA, Ariovaldo; LACERDA, Simei. Letramento racial crítico: uma narrativa autobiográfica. Travessias, Cascavel, v.13, n. 3, p. 90-106, 2019. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23612. Acesso em: 23 fev. 2022.

QUILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro, Cobogó, 2019.

SANTOS, Adilson. Políticas de ação afirmativa, novo ingrediente na luta pela democratização do ensino superior: a experiência da Universidade Federal de Ouro Preto. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação) – Faculdade de Educação, UERJ, Duque de Caxias, 2011.

SILVA, Kelly. Os Letramentos de empoderamento feminino negro: a Educação de Jovens e Adultos e os processos de aprendizados na rede social Facebook. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte, 2017.

SILVA, Luciana Gomes da. Trabalhadoras negras da Universidade Federal de Minas Gerais: o que muda a partir da implementação da Lei 12990/2014. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte, 2021.

VIEIRA, Bárbara. Letramento racial: da emergência de uma formulação. Revista Espaço Acadêmico, v. 21, p. 53-64, 2022. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/60366. Acesso em: 20 mar. 2022.

icone

Downloads

Publicado

11-11-2022

Como Citar

ÂNGELO, C. A. P. dos S.; SILVA, L. G. da L. .; ARRUDA, D. de O. Trabalhadoras negras e o letramento racial crítico na universidade: um olhar a partir da UFMG. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 12, p. 1–18, 2022. DOI: 10.35699/2237-5864.2022.39519. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/39519. Acesso em: 2 dez. 2023.

Edição

Seção

Seção especial: universidade e inclusão