Tendências temporais de internações de crianças por condições sensíveis à atenção primária em Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Giselle Lima de Freitas Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG-Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8118-8054
  • Thaís Rodrigues de Souza Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG-Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7613-9365
  • Francisco Carlos Félix Lana Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG-Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9043-3181
  • Fernanda Penido Matozinhos Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG-Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1368-4248
  • Alexandra Dias Moreira Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, MG-Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7459-1657
  • Ricardo Alexandre Arcêncio Universidade de São Paulo - USP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP-Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4792-8714

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.38797

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Saúde da Criança, Estudos de Séries Temporais

Resumo

Objetivo: analisar a tendência das internações por condições sensíveis à atenção primária em crianças menores de cinco anos de idade, no estado de Minas Gerais. Métodos: estudo ecológico de séries temporais utilizou registros do Sistema de Informação Hospitalar, período de 2008 a 2018. As análises de tendência foram realizadas pelo método de Prais-Winsten para verificar tendências: estacionárias (p > 0,05), decrescentes (p < 0,05 e coeficiente de regressão negativo) ou ascendentes (p < 0,05 e coeficiente de regressão positivo) por região de saúde e por grupo etário (até um ano e de um a quatro anos). Resultados: houve tendência decrescente de internações entre crianças no estado (variação percentual anual = -4,96%; p < 0,05), com redução de internações por gastroenterites infecciosas e complicações, pneumonias bacterianas e asma. Observou-se aumento de internações por anemia; doenças pulmonares e infecções de ouvido, nariz e garganta. Para crianças menores de um ano, foi observado que as internações por doenças preveníveis por imunização e condições sensíveis apresentaram tendência ascendente (ß=5,69 e p < 0,05), com destaque para a sífilis congênita. Conclusões: o cenário de Minas Gerais é similar ao de outros estados brasileiros, nos quais se observa redução de internação de crianças de até cinco anos, com aumento de internações por anemia, doenças pulmonares e infecção de ouvido, nariz e garganta. Ainda que existam melhorias nas práticas e políticas voltadas para a saúde da criança, os achados reforçam o planejamento de ações para o cuidado a agravos preveníveis na atenção primária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde Debate. 2018[citado em 2021 jul. 14];42(1):18-37. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S102

Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2013[citado em 2021 jul. 16];66(esp):158-64. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020

Pinto LF, Giovanella L. Do Programa à Estratégia Saúde da Família: expansão do acesso e redução das internações por condições sensíveis à atenção básica (ICSAB). Ciênc Saúde Colet. 2018[citado em 2021 jul. 16];23(6). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05592018

Pinto Junior EP, Aquino R, Dourado I, Costa LQ, Silva MGC. Internações por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde em crianças menores de 1 ano no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2021 abr. 2];25(7):2883-90. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.25002018

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 221, de 17 de abril de 2008. Publicar, na forma do Anexo desta Portaria, a Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Brasília: MS; 2008[citado em 2021 mar. 23]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0221_17_04_2008.html

Pedraza DF, Araújo EMN. Internações das crianças brasileiras menores de cinco anos: revisão sistemática da literatura. Epidemiol Serv Saúde. 2017[citado em 2021 abr. 17];26(1):169-82. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000100018

Wasum FD, Jantsch LB, Silva E, Rubert R, Silva J. Prevalência de internações hospitalares por diarreia e gastroenterite em menores de um ano. Braz J Hea Rev. 2018[citado em 2021 abr. 2];2(1):99-105. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/854/730

Organização Mundial da Saúde. Fórum das Sociedades Respiratórias Internacionais. O impacto global da doença respiratória. 2ª ed. México: Associação Latinoamericana de Tórax; 2017[citado em 2021 mar 14]. Disponível em: https://www.who.int/gard/publications/The_Global_Impact_of_Respiratory_Disease_POR.pdf

Prezotto KH, Chaves MMN, Mathias TAF. Hospitalizações sensíveis à atenção primária em crianças, segundo grupos etários e regionais de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2015[citado em 2021 abr. 14];49(1):44-53. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n1/pt_0080-6234-reeusp-49-01-0044.pdf

Freitas JLG, Silva PP, Moreira KFA, Cavalcante DFB, Souza MHN, Alves JC. Internações por condições sensíveis à atenção primária em crianças em Rondônia de 2008 a 2017. Cogitare Enferm. 2020[citado em 2021 abr. 2];25:e71904. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/71904

Lima ACMG, Nichiata LYI, Bonfim D. Perfil dos atendimentos por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde em uma Unidade de Pronto Atendimento. Rev Esc Enferm USP. 2019[citado em 2020 dez. 21];53:e03414. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017042103414

Vasconcelos MJO, Batista Filho M. Doenças diarreicas e hospitalizações em menores de cinco anos no estado de Pernambuco, Brasil, nos anos de 1997 e 2006. Rev Bras Epidemiol. 2008[citado em 2021 jul. 17];11(1):715-22. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000100012

Malachias I, Leles FAG, Pinto MAS. Plano diretor de regionalização da saúde de Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais; 2011[citado em 2021 abr. 2]. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/parceiro/regionalizacao-pdr2

Antunes JLF, Cardoso MRA. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol Serv Saúde. 2015[citado em 2021 fev. 6];24(3):565-76. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ress/v24n3/2237-9622-ress-24-03-00565.pdf

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação. Brasília: MS; 2018[citado em 2020 dez 02]. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2018/07/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Aten%C3%A7%C3%A3o-Integral-%C3%A0-Sa%C3%BAde-da-Crian%C3%A7a-PNAISC-Vers%C3%A3o-Eletr%C3%B4nica.pdf

Sousa JS, Campos RT, Silva AF, Bezerra FNR, Lira JS. Estimação e análise dos fatores determinantes da redução da taxa de mortalidade infantil no Brasil. Rev Bras Estud Urbanos Reg. 2016[citado em 2021 abr. 14];10(2):140-55. Disponível em: https://www.revistaaber.org.br/rberu/article/view/126/182

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Primária à Saúde. O que é a rede cegonha? Brasília: MS; 2013[citado em 2020 nov. 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/rede_cegonha.pdf

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. SES amplia ações do projeto Mães de Minas. Belo Horizonte; 2013[citado em 2021 jan. 30]. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/gripe/story/4304-ses-amplia-acoes-do-projeto-maes-de-minas

Santos LA, Oliveira VB, Caldeira AP. Internações por condições sensíveis à atenção primária entre crianças e adolescentes em Minas Gerais, 1999-2007. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2016[citado em 2021 abr. 2];16(2):179-88. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-93042016000200006

Lôbo IKV, Konstantyner T, Areco KCN, Vianna RPT, Taddei JAAC. Internações por condições sensíveis à atenção primária de menores de um ano, de 2008 a 2014, no estado de São Paulo, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2019[citado em 2021 fev. 19];24(9):3213-26. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.29932017

Proba AS, Costa FL, Ferreira LD, Borja-Cabrera GP. Impacto nos ingressos hospitalares por asma após distribuição de corticóides no município de Governador Valadares, Minas Gerais. J Appl Pharm Sci. 2016[citado em 2021 abr. 10];3(2):15-24. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/306961029_Impacto_nos_Ingressos_Hospitalares_por_Asma_apos_distribuicao_de_Corticoides_no_Municipio_de_Governador_Valadares_Minas_Gerais

Costa E, Caetano R, Werneck GL, Bregman M, Araújo DV, Rufino R. Estimativa de custo da asma em tratamento ambulatorial: estudo com dados de mundo real. Rev Saúde Pública. 2018[citado em 2021 abr. 2];52(27). Disponível em: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000153

Azeredo CM, Cotta RMM, Silva LS, Franceschini SCC, Sant’Ana LFR, Lamounier JA. A problemática da adesão na prevenção da anemia ferropriva e suplementação com sais de ferro no município de Viçosa (MG). Ciênc Saúde Colet. 2013[citado em 19 jul. 2021];18(3). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000300028

Pereira AM, Ivo OP. Causas do atraso do calendário vacinal em menores de dois anos. Rev Enferm Contemp. 2016[citado em 2021 mar. 4];5(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i2.1068

Beltrão RPL, Mouta AAN, Silva NS, Oliveira JEN, Beltrão IT, Beltrão CMF, et al. Perigo do movimento antivacina: análise epidemio-literária do movimento antivacinação no Brasil. Rev Eletrônica Acervo Saúde. 2020[citado em 2021 abr. 15];12(6):e3088. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/3088

Arquivos adicionais

Publicado

08-04-2022

Como Citar

1.
Freitas GL de, Souza TR de, Lana FCF, Matozinhos FP, Moreira AD, Arcêncio RA. Tendências temporais de internações de crianças por condições sensíveis à atenção primária em Minas Gerais, Brasil. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 8º de abril de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/38797

Edição

Seção

Pesquisa