Cuidados de enfermagem a pacientes com temperatura corporal elevada: revisão integrativa

Autores

  • Patrícia de Oliveira Salgado ViçosaMG, Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem , Brasil
  • Ludmila Christiane Rosa Silva Belo HorizonteMG, Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem , Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Brasil
  • Priscila Marinho Aleixo Silva Belo HorizonteMG, UFMG, Escola de Enfermagem , Curso de Enfermagem, Brasil
  • Isabella Rodrigues Alves Paiva
  • Tamara Gonçalves Rezende Macieira GainesvilleFL, Universidade da Florida, USA
  • Tânia Couto Machado Chianca Belo HorizonteMG, UFMG, Escola de Enfermagem , Departamento de Enfermagem Básica, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2015.49610

Palavras-chave:

Febre, Cuidados de Enfermagem, Enfermagem, Temperatura Corporal, Diagnóstico de Enfermagem

Resumo

Revisão integrativa para identificar as evidências disponíveis na literatura sobre os melhores cuidados de enfermagem para o paciente com temperatura corporal elevada. A busca foi realizada nas bases de dados PubMed/MedLine, LILACS, CINAHL e Cochrane Reviews. A amostra foi constituída de 16 estudos. Os estudos foram avaliados em relação ao nível de evidência e grau de recomendação. Os artigos da amostra são de revisão sistemática, ensaio clínico randomizado, estudo de caso, descritivo, transversal, qualitativo, relato de experiência e quase-experimental. As melhores evidências referem-se aos cuidados com crianças e adultos com febre. Existe uma carência de estudos com delineamento experimental que testem os cuidados de enfermagem recomendados na literatura a pacientes com temperatura corporal elevada nas diferentes faixas etárias, principalmente com idosos. Sugere-se o desenvolvimento de pesquisas clínicas que analisem os cuidados de enfermagem a pacientes adultos com o diagnóstico de enfermagem de hipertermia, especialmente relacionados à utilização de métodos físicos, como realização de banho morno, aplicação de compressas mornas, bolsas de gelo e ventilação do ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Douglas CR. Tratado de fisiologia: aplicada às ciências médicas. 6ª ed. Rio de

Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.

Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 12ª ed. Rio de Janeiro:

Elsevier; 2011.

Laganá MTC, Faro ACM, Araujo TL. A problemática da temperatura corporal,

enquanto um procedimento de enfermagem: conceitos e mecanismos

reguladores. Rev Esc Enf USP. 1992; 26(2):173-186.

Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2012-

Porto Alegre: Artmed; 2013.

Acley BJ, Ladwig GB. Nursing Diagnosis Handbook: an evidence-based guide

to planning care. Saint Louis: Mosby; 2007.

Dinarello CA, Gelfand JA. Febre e hipertermia. In: Harrison TR, Fauci AS.

Harrison medicina interna. 17ª ed. Rio de Janeiro: McGraw – Hill; 2008. p.112-6.

Alves JGB, Marques NDCA, Marques CDCA. Tepid sponging plus dipyrone

versus dipyrone alone for reducing body temperature in febrile children. São

Paulo Med J. 2008; 126(2):107-11.

Worfolk JB. Heat waves: their impact on the health of elders. Geriatr Nurs.

; 21:70-7.

Scrase W, Tranter S. Improving evidence-based care for patients with pyrexia.

Nurs Stand. 2011; 25(29):37-41.

Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv

Nurs. 2005; 52(5):546-53.

Beyea SC, Nicoll LH. Writing an integrative review. AORN J. 1998; 67(4):877-80.

Santos CMC, Pimenta CAM, Nobre MRC. A estratégia PICO para a

construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-Am

Enferm. 2007; 15(3):508-11.

Vasques CI, Rodrigues CC, Reis PED, Carvalho, EC. Nursing care for hodgkin’s

lymphoma patients subject to chemotherapy: an integrative review. Online

Braz J Nurs. 2008; 7(1). [Citado em 2013 ago. 28]. Disponível em: ttp://www.

objnursing.uff.br//index.php/nursing/article/view/1416

Phillips B, Ball C, Sackett DL, Badenoch D, Straus S, Haynes B, et al. Oxford

Centre for Evidence-based Medicine Levels Evidence. 2001. [Cited 2013 Sep

. Available from: http://www.cebm.net/index.aspx?o=1025

Stetler C, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, et al.

Utilization-focused integrated reviews in a nursing service. Appl Nurs Res.

; 11:195-206.

Thompson HJ, Kagan SH. Clinical management of fever by nurses: doing

what works. J Adv Nurs. 2011; 67(2):359-70.

Bisetto LHL, Cubas MR, Malucelli A. A prática da enfermagem frente aos

eventos adversos pós-vacinação. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(5):1128-34.

Giusti ACBS, Pellison F, Mendes WSR, Melo LL. Criança com displasia

ectodérmica: diagnósticos e intervenções de enfermagem baseados em

NANDA e NIC. Arq Ciênc Saúde. 2006; 13(1):39-43.

Loke AY, Chan HCL, Chan TM. Comparing the effectiveness of two types

of cooling blankets for febrile patients. Nurs Crit Care. 2005; 10 (5):247-54.

Watts R, Robertson J, Thomas G. Nursing management of fever in children: a

systematic review. Int J Nurs Pract Suppl. 2003; 9(1): S1-S8.

Edwards HE, Courtney MD, Wilson JE, Monaghan SJ, Walsh AM. Fever

management practises: what pediatric nurses say. Nurs Health Sci. 2001;

(3):119-30.

Henker R, Rogers S, Kramer DJ, Kelso L, Kerr M, Sereika S. Comparison of fever

treatments in the critically ill: a pilot study. Am J Crit Care. 2001; 10(4):276-80.

Watts R. Management of the child with fever. Best Practice. 2001; 5(5):1-6.

[Citado em 2013 Sep 10]. Disponível em: http://connect.jbiconnectplus.org/

ViewSourceFile.aspx?0=4323

Jones SG. Nursing practice for HIV/AIDS fever care: a descriptive study. J

Assoc Nurses AIDS Care. 1998; 9(5):53-60.

Montesinos RC, Arias MC, Morejón JLT, Arrieta GD. Método físico para la

regulación de la temperatura corporal. Rev Cubana Enferm. 1997; 13(2): 80-5.

Grossman D, Keen MF, Singer M, Asher M. Current nursing practices in fever

management. Medsurg Nurs. 1995; 4(3):193-8.

Thomas V, Riegel B, Andrea J, Murray P, Gerhart A, Gocka I. National survey

of pediatric fever management practices among emergency department

nurses. J Emerg Nurs. 1994; 20(6):505-10.

Caruso CC, Hadley BJ, Shukla R, Frame P, Khoury J. Cooling effects and

comfort of four cooling blanket temperatures in humans with fever. Nurs

Res. 1992; 41(2):68-72.

Kinmonth AL, Fulton Y, Campbell MJ. Management of feverish children at

home. BMJ. 1992; 305(6862):1134-6.

Akers PA. An algorithmic approach to clinical decision making. Oncol Nurs

Forum. 1991; 18(7):1159-63.

Newman J. Evaluation of sponging to reduce body temperature in febrile

children. Can Med Assoc J. 1985; 15; 132(6):641-2.

Araújo TL, Faro ACM, Laganá MTC. Temperatura corporal: planejamento da

assistência de enfermagem na verificaçäo da temperatura; no atendimento

da febre e da hipertemia maligna. Rev Esc Enferm USP. 1992; 26(3):315-24.

Bulechek GM, Dochterman JM, Butcher HK. Classificação das intervenções

de enfermagem (NIC). 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010. 901p

Publicado

01-03-2015

Como Citar

1.
Salgado P de O, Silva LCR, Silva PMA, Paiva IRA, Macieira TGR, Chianca TCM. Cuidados de enfermagem a pacientes com temperatura corporal elevada: revisão integrativa. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de março de 2015 [citado 15º de julho de 2024];19(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49610

Edição

Seção

Revisao Sistematica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.