Caracterização dos atendimentos de um pronto-socorro público segundo o sistema de triagem de manchester

Autores

  • Alessandra Dias Costa Silva Hospital Risoleta Tolentino Neves - HRTN, Belo Horizonte MG , Brasil, Hospital Risoleta Tolentino Neves - HRTN, Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-4313-8638
  • Tânia Couto Machado Chianca Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-8313-2791
  • Danielle Resende Pádua Hospital Risoleta Tolentino Neves - HRTN, Belo Horizonte MG , Brasil, Hospital Risoleta Tolentino Neves - HRTN, Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9263-3934
  • Gilberto de Lima Guimarães Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0001-6027-372X
  • Bruna Figueiredo Manzo Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-0064-9961
  • Allana dos Reis Correa Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Enfermagem Básica. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-2208-958X

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49793

Palavras-chave:

Serviço Hospitalar de Emergência, Serviços Médicos de Emergência, Triagem, Admissão do Paciente, Enfermagem em Emergência, Qualidade da Assistência à Saúde

Resumo

Objetivo: caracterizar os atendimentos de pacientes classificados pelo Sistema de Triagem de Manchester (STM) em um hospital público de grande porte. Metodologia: trata-se de estudo descritivo com abordagem quantitativa que analisou 52.657 atendimentos com classificação de risco realizada à admissão no Pronto-Socorro no ano de 2015. Os dados foram coletados nos prontuários eletrônicos e submetidos à análise descritiva pelo programa Statistical Package for Social Sciences versão 19.0. Resultados E Discussão: predominou população do sexo masculino (54,2%), mediana de 33 anos de idade (IQ: 19-51). As faixas etárias mais frequentes foram adultos jovens entre 19 e 29 anos (20,7%) e idosos (16,4%). Os níveis de prioridades clínicas mais frequentes foram urgente/amarelo (45,6%) e pouco urgente/verde (33,4%) e os fluxogramas mais acessados foram problema de extremidades (31,4%) e “mal-estar em adulto (10,1%). O tempo entre o registro e a classificação teve mediana de 6,2 minutos (IQ: 2,8-13). Quanto ao tempo entre a classificação de risco e o primeiro atendimento, a mediana em minutos foi de 20,1 (IQ: 9,3-33,7) para emergência/vermelho, 18,5 (IQ:10,9-33,2) para muito urgente/laranja, 58,2 (IQ:30,2-111,2) para urgente/amarelo, 92,7 (46,9-177,3) para pouco urgente/verde e 103,4 (IQ:41,5-209,6) para não urgente/azul. Predominou como desfecho a alta após consulta/medicação (61,3%). Conclusão: a reavaliação dos fluxos e processos relacionados à classificação de risco e ao atendimento inicial tem o intuito de melhorar a precisão dos registros e do tempo de primeiro atendimento, o que pode contribuir para uma assistência mais qualificada e resolutiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Sala de Apoio a Gestão Estratégica (SAGE). Indicadores de Mortalidade: número de óbitos por grupo de causas. Brasília: Ministério da Saúde; 2016[citado em 2017 jan. 27]. Disponível em: http://sage.saude.gov.br/#

Ministério da Saúde (BR). Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013[citado em 2016 out. 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_instrutivo_rede_atencao_urgencias.pdf

Stang AS, Crotts J, Johnson DW, Hartling L, Guttmann A. Crowding measures associated with the quality of emergency department care: a systematic review. Acad Emerg Med. 2015[citado em 2016 out. 25]; 22(6):643-56. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25996053

Coutinho AAP, Cecílio LCO, Mota JAC. Classificação de risco em serviços de emergência: Uma discussão da literatura sobre o Sistema de Triagem de Manchester. Rev Med Minas Gerais. 2012[citado em 2016 out. 22];22(2):188-98. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/101

Ministério da Saúde (BR). Grupo Brasileiro de Classificação de Risco. Diretrizes para implementação do Sistema Manchester de Classificação de Risco nos pontos de atenção às urgências e emergências [Internet]. Belo Horizonte: Grupo Brasileiro de Classificação de Risco; 2015[citado em 2017 jan. 31]. Disponível em: http://gbcr.org.br/public/uploads/filemanager/source/54c127352e3b2.pdf

Azeredo TR, Guedes HM, Rebelo RAA, Chianca TC, Martins JC. Efficacy of the Manchester Triage System: a systematic review. Int Emerg Nurs. 2015[citado em 2016 nov. 07];23(2):47-52. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25087059

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.600, de 07 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2011[citado em 2016 jun. 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1600_07_07_2011.html

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN Nº 423/2012: Normatiza, no âmbito do Sistema COFEN/Conselhos Regionais de Enfermagem, a participação do Enfermeiro na Atividade de Classificação de Risco. 2016[citado em 2016 jun. 05]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-4232012_8956.html

Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais. Parecer Técnico nº01, de 09 de março de 2016. Dimensionamento da Equipe de Enfermagem e impossibilidade da dispensa de pacientes na Classificação de Risco dos serviços de urgência e emergência. 2016[citado em 2017 nov. 03]. Disponível em: https://sig.corenmg.gov.br/sistemas/file/doc/parecer_cate/2016_6_1.pdf

Souza CC, Toledo AD, Tadeu LFR, Chianca MCT. Classificação de risco em Pronto Socorro: concordância entre um protocolo institucional brasileiro e Manchester. Rev Latino-Am Enferm. 2011[citado em 2016 jun. 02];19(1):26-33. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/4285/5447

Pinto Júnior D, Salgado PO, Chianca TCM. Validade preditiva do protocolo de classificação de risco de Manchester: avaliação da evolução dos pacientes admitidos em um pronto atendimento. Rev Latino-Am Enferm. 2012[citado em 2016 jun. 02];20(6):1041-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n6/pt_05.pdf

Guedes HM, Martins JCA, Chianca TCM. Valor de predição do Sistema de Triagem de Manchester: avaliação dos desfechos clínicos de pacientes. Rev Bras Enferm. 2015[citado em 2016 jun. 04];68(1):45-51. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000100045&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Storm-Versloot MN, Vermeulen H, Lammeren NV, Luitse JSK, Goslings JC. Influence of the Manchester Triage System on waiting time, treatment time, length of stay and patient satisfaction; a before and after study. Emerg Med J. 2014[citado em 2016 dez. 08];31(1):13-8. Disponível em: http://emj.bmj.com/content/31/1/13.full

Chianca TCM, Costa RM, Vidigal MV, Silva LCR, Diniz GA, Araújo JHV, Souza CC. Tempos de espera para atendimento usando Sistema de Triagem de Manchester em um hospital de urgência. REME - Rev Min Enferm. 2016[citado em 2016 nov. 04];20:e988. Disponível em: 10.5935/1415-2762.20160058

Gonçales PC, Pinto DJ, Salgado PO, Chianca TCM. Relação entre estratificação de risco, mortalidade e tempo de permanência em um hospital de urgência. Invest Educ Enferm. 2015[citado em 2016 jul. 05]; 33(3):424-31. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S0120-53072015000300005&script=sci_arttext&tlng=pt

Ribeiro RM, Cesarino CB, Ribeiro RCHM, Rodrigues CC, Bertolin DC, Pinto MH, Beccaria LM. Caracterização do perfil de emergências clínicas no pronto atendimento de um hospital de ensino. REME - Rev Min Enferm. 2014[citado em 2017 jan. 12];18(3): 533-8. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/944

Ministério da Saúde (BR). Grupo Brasileiro de Classificação de Risco. Nota técnica classificação de risco paciente idoso. 2016[citado em 2017 jan. 12]. Disponível em: http://gbcr.org.br/public/uploads/filemanager//source/visualizar.pdf

Acosta AM, Lima MA. Características de usuários frequentes de serviços de urgência: revisão integrativa. Rev Eletrônica Enferm. 2013[citado em 2017 jan. 12];15(2):564-73. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v15/n2/pdf/v15n2a31.pdf

Caccia-Bava MCG, Pereira MJB, Rocha JSY, Martinez EZ. Prontoatendimento ou atenção básica: escolhas dos pacientes no SUS. Medicina (Ribeirão Preto). 2011[citado em 2017 jan. 14];44(4):347-54. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/47446/51174

Silva RMB, Sano RY, Toledo LC, Pereira TMC. Distribuição sazonal espacial e caracterização dos traumas em uma cidade do sul de Minas Gerais. Ver Cienc Saúde. 2016[citado em 2017 jan. 24];6(2):1-16. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/309003151_Distribuicao_Sazonal_Espacial_e_Caracterizacao_dos_Traumas_em_uma_Cidade_do_Sul_de_Minas_Gerais_Seasonal_and_Spatial_Distribution_of_Trauma_in_a_Town_in_Southern_Minas_Gerais

Diniz AS, Silva AP, Souza CC. Demanda clínica de uma unidade de pronto atendimento, segundo o protocolo de Manchester. Rev Eletrônica Enferm. 2014[citado em 2016 dez. 12]; 16(2):312-20. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v16/n2/pdf/v16n2a06.pdf

Guedes HM, Souza KM, Lima PO, Martins JCA, Chianca TCM. Relação entre queixas apresentadas por pacientes na urgência e o desfecho final. Ver Latino-Am Enferm. 2015[citado em 2017 jan. 24];23(4):587-94. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/105655

Guedes HM, Almeida AGP, Ferreira FO, Vieira GJ, Chianca TCM. Classificação de Risco: retrato de população atendida num serviço de urgência brasileiro. Referência. 2014[citado em 2017 jan. 25];4(1):37-44. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIVn1/serIVn1a05.pdf

Becker JB, Lopes MCBT, Pinto MF, Campanharo CRV, Barbosa DA, Batista REA. Triagem no Serviço de Emergência: associação entre as suas categorias e os desfechos do paciente. Rev Esc Enferm USP. 2015[citado em 2017 jan. 27];49 (5):783-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n5/pt_0080-6234-reeusp-49-05-0783.pdf

Dalbem GG, Unicovsky MAR. A natureza das lesões traumáticas ocasionadas pela violência física em pacientes atendidos em serviço de emergência de um hospital público. Enferm Foco. 2012[citado em 2017 jan. 28];2(3):81-7 Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/260/148

Publicado

01-08-2019

Como Citar

1.
Silva ADC, Chianca TCM, Pádua DR, Guimarães G de L, Manzo BF, Correa A dos R. Caracterização dos atendimentos de um pronto-socorro público segundo o sistema de triagem de manchester. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de agosto de 2019 [citado 13º de abril de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49793

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>