Avaliação dos comitês de prevenção de óbitos maternos, fetais e infantis de uma região do estado de minas gerais, brasil

Autores

  • Letícia Alves Rodrigues Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, Superintendência Regional de Saúde de Belo Horizonte, Belo Horizonte MG , Brasil, Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, Superintendência Regional de Saúde de Belo Horizonte. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6693-7715
  • Eunice Francisca Martins Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e saúde Pública. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-2014-8470
  • Regina Amélia Lopes Pessoa Aguiar UFMG, Faculdade de Medicina, Belo Horizonte MG , Brasil, UFMG, Faculdade de Medicina. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-2470-3539
  • Izabela Rocha Dutra Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Departamento de Enfermagem, Diamantina MG , Brasil, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM, Departamento de Enfermagem. Diamantina, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-4170-3741
  • Adriano Marçal Pimenta Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e saúde Pública, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e saúde Pública. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0001-7049-7575

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49965

Palavras-chave:

Avaliação em Saúde, Mortalidade Infantil, Mortalidade Materna, Mortalidade Perinatal, Vigilância em Saúde Pública, Enfermagem em Saúde Comunitária

Resumo

Introdução: a redução da mortalidade materna e infantil é prioridade internacional e nacional devido ao alto potencial de evitabilidade desses óbitos. Os Comitês de Prevenção de Óbitos Maternos, Fetais e Infantis se configuram como um importante mecanismo de vigilância da mortalidade materna e infantil. Objetivo: avaliar a estrutura, processos e resultados dos comitês de prevenção de óbitos nos municípios da Unidade Regional de Saúde de Belo Horizonte-MG segundo porte populacional. Método: tratase de estudo avaliativo desenvolvido na Regional de Saúde de Belo Horizonte no ano de 2015. Utilizou-se questionário aplicado às referências técnicas municipais responsáveis pela vigilância dos óbitos maternos, fetais e infantis. Os municípios foram analisados quanto à adequação às normas nacionais e estaduais, nos domínios estrutura, processo e resultado, segundo categorias de porte populacional. Para a avaliação de cada domínio foram somados os itens adequados, estabelecendo-se um escore de adequação. Resultados: foram avaliados 38 municípios e constatados diversos níveis de adequação dos comitês, sendo os piores percentuais para a estrutura (5,3% como adequados) e os municípios de menor porte. Nos domínios processo e resultado, o percentual de adequação foi 30,6%. Conclusão: as inadequações evidenciadas revelaram a necessidade de se estruturar os comitês municipais com provisão de investimentos financeiros, técnicos e profissionais, de forma a otimizar sua capacidade operacional e de resposta ao óbito ocorrido. Outra melhoria necessária é a expansão das ações técnicas e políticas dos comitês em conjunto com o controle social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Leal MC, Szwarcwald CL, Almeida PVB, Aquino EML, Barreto ML, Barros F, et al. Reproductive, maternal, neonatal and child health in the 30 years since the creation of the Unified Health System (SUS). Ciênc Saúde Coletiva. 2018[citado 2019 jun. 12];23(6):1915-28. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.03942018

World Health Organization. 2016. Strengthening country capacity on maternal and perinatal death surveillance and response. Genova: WHO; 2016[citado em 2018 ago 21]. Disponível em: http://www.searo.who.int/entity/child_adolescent/topics/child_health/mdsr.pdf?ua=1

Ministério da Saúde (BR). Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. Brasília: MS; 2009[citado 2018 jul. 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_obito_infantil_fetal_ 2ed.pdf

Ministério da Saúde (BR). Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno. Brasília: MS ; 2009[citado 2018 jul. 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidem_obito_materno.pdf

United Nations. Transforming our world: the 2030 Agenda for Sustainable Development. 2015[citado 2018 ago. 15]. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/21252030%20 Agenda%20for%20Sustainable%20Development%20web.pdf

Teixeira MG, Costa MCN, Carmo EH, Oliveira WK, Penna GO. Health surveillance at the SUS: development, effects and perspectives. Ciênc Saúde Colet. 2018[citado 2018 set. 14];23(6):1811-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232018000601811&script=sci_arttext&tlng=en

Berg CJ. From identification and review to action - maternal mortality review in the United States. Semin Perinatol. 2012[citado 2018 set. 14];36(1):7-13. Disponível em: https://www.science direct.com/science/article/abs/pii/S0146000511001492?via%3Dihub

Kurinczuk JJ1, Draper ES, Field DJ, Bevan C, Brocklehurst P, Gray R, et al. Experiences with maternal and perinatal death review in the UK-the MBRRACE-UK programme. BJOG. 2014[citado 2018 set. 14];121(s4):41-6. Disponível em: https://obgyn.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/1471-0528.12820

Agaro C, Beyeza-Kashesya J, Waiswa P, Sekandi JN, Tusiime S, Anguzu R, Kiracho EE. The conduct of maternal and perinatal death reviews in Oyam District, Uganda: a descriptive cross-sectional study. BMC Women's Health. 2016[citado 2018 abr. 21];16:38. Disponível em: https://bmcwomenshealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12905-016-0315-5

Secretaria de Estado de Saúde (MG). Resolução SES/MG n° 5016, de 18 de novembro de 2015. Restabelece a organização dos Comitês Estadual, Regionais, Municipais, Compartilhados e Hospitalares de Prevenção de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal e dá outras providências. Diário do Executivo. 2015[citado 2018 ago. 22]. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/images/noticias_e_eventos/00_2015/12_dezembro/2015_RESOLUCAO-SES-MG-N-5-016.pdf

Kok B, Imamura M, Kanguru L, Owolabi O, Okonofua F, Hussein J. Achieving accountability through maternal death reviews in Nigeria: a process analysis. Health Policy Plan. 2017[citado 2018 nov. 18];32:1083-91. Disponível em: https://academic.oup.com/heapol/article/32/8/1083/3897344

Melo CM, Aquinotis Soares MQ, Bevilacqua PD. Death surveillance as an indicator of the quality of health care for women and children. Ciênc Saúde Coletiva. 2017; 22(10):3457-65. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320172210.19652017

Dutra IR, Andrade GN, Rezende EM, Gazzinelli A. Investigação dos óbitos infantil e fetal no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Reme - Rev Min Enferm. 2015[citado em 2018 maio 21];19(3):597-611. Disponível em: http://www.revenfbvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-27622015000300006

Venâncio SI, Paiva R. O processo de implantação dos Comitês de Investigação do Óbito Infantil no Estado de São Paulo. Rev Bras Saúde Materno-Infantil. 2010[citado 2018 set. 15];10(3):369-75. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292010000300010

Biswas A, Halim A, Rahman F, Eriksson C, Dalal K. The economic cost of implementing maternal and neonatal death review in a district of Bangladesh. J Public Health Res. 2016[citado 2019 jan. 18];5:729. Disponível em: https://www.jphres.org/index.php/jphres/article/view/729/325

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Plano Diretor de Regionalização da Saúde de Minas Gerais (PDR/MG). Belo Horizonte; 2011[citado 2018 dez. 17]. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/images/noticias_e_eventos/000_2016/Livro%20Plano%20Diretor%20de%20Regionalizao%20-%20PDR-SUS-MG.pdf

Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação e utilização. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Donabedian A. Evaluating the quality of medical care. Milbank Q. 2005[citado 2018 set. 21];83(4):691-729. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2690293/

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR). Política Nacional de Assistência Social (PNAS). 2004[citado 2018 ago. 10]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/PNAS2004.pdf

Lansky S. Gestão de qualidade e da integralidade do cuidado em saúde para a mulher e a criança no SUS-BH: a experiência da comissão perinatal. Rev Tempus Actas Saúde Col. 2010[citado 2018 ago. 15];4(4):191-9. Disponível em: http://tempusactas.unb.brindex.php/tempus/article/viewFile/846/809

Oliveira CM, Guimarães MJ, Bonfim CV, Frias PG, Antonino VCS, Guimarães ALS, et al. Evaluation of the adequacy of information from research on infant mortality in Recife, Pernambuco, Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2018[citado 2018 abr. 13];23(3):701-14. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000300701&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Purandare C, Bhardwaj A, Malhotra M, Bhushan H, Shah PK. Every death counts: Electronic tracking systems for maternal death review in India. Inter J Gynecol Obstetr. 2014[citado 2018 set. 21];127:S35-S39. Disponível em: https://obgyn.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1016/j.ijgo.2014.09.003

Biswas A, Ferdoush J, Abdullah ASM Halim A. Social autopsy for maternal and perinatal deaths in Bangladesh: a tool for community dialog and decision making. Public Health Rev. 2018[citado 2018 out. 15];39:16. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s40985-018-0098-3

Armstrong CE, Lange IL, Magoma M, Ferla C, Filippi V, Ronsmans C. Strengths and weaknesses in the implementation of maternal and perinatal death reviews in Tanzania: perceptions, processes and practice. Trop Med Inter Health. 2014[citado 2018 jun. 15];19(9):1087-95. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/tmi.12353

Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG, Silva AGS. Uso do linkage para a melhoria da completude do SIM e do SINASC nas capitais brasileiras. Rev Saúde Pública. 2017[citado 2018 jul. 14];51:112. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051000431.pdf

Publicado

20-05-2020

Como Citar

1.
Rodrigues LA, Martins EF, Aguiar RALP, Dutra IR, Pimenta AM. Avaliação dos comitês de prevenção de óbitos maternos, fetais e infantis de uma região do estado de minas gerais, brasil. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de maio de 2020 [citado 23º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49965

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>