Lukács:

trabalho, modos de produção e ontologia

Autores

  • Mariana Alves de Andrade Universidade de Pernambuco

Palavras-chave:

ontologia, trabalho, economia, modos de produção, capitalismo

Resumo

O presente texto visa demonstrar, da perspectiva da ontologia do ser social, os aspectos gerais que o movimento imanente das categorias econômicas nascidas do trabalho perfaz historicamente através dos diferentes modos de produção da riqueza material. À luz de Para a ontologia do ser social, do filósofo húngaro György Lukács, buscamos evidenciar as principais mediações econômicas e sociais que intervêm objetivamente para fazer surgir e consolidar a linha evolutiva da crescente socialidade do ser social, cujo princípio determinante é o constante afastamento das barreiras naturais. Veremos que nesse processo é a ação das forças produtivas sobre a sociedade a potência social decisiva que impulsiona o desenvolvimento social como um todo, através do deslocamento crescente da naturalidade operante nas primeiras formações sociais, a ingressar na circulação de mercadorias e, por meio desta, a alcançar a sociabilidade pura do capital. Observaremos, ainda, que o progresso social objetivo a que o imanente desenvolvimento das categorias econômicas conduz, ao chegar ao capitalismo revela tendências fundamentais como o predomínio da mais-valia relativa na extração do trabalho excedente e a manipulação como mediação que articula as necessidades da produção ao consumo de mercadorias, cuja compreensão é imprescindível para o futuro da reprodução social como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Alves de Andrade, Universidade de Pernambuco

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal da Paraíba (2008). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas/UFAL (2011). Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2016).

Referências

ALCÂNTARA, Norma. Lukács: ontologia e alienação. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.

ANDERSON, Perry. Passagens da Antiguidade para o feudalismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

ANDRADE, Mariana. Trabalho e linguagem na ontologia de Lukács. In: Anuário Lukács. São Paulo: Instituto Lukács, 2016.

_____________ Trabalho e totalidade social: qual o momento predominante da reprodução social? In: Anuário Lukács. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.

CARDOSO, Ciro Flamarion et al. Modo de produção asiático: nova visita a um

velho conceito. Rio de Janeiro, Campus, 1990.

CHILDE, Gordon. A evolução cultura do homem. Rio de Janeiro: Editores Zahar, 1966.

CROIX, Geoffrey Ernest Maurice de Saint. La lucha de clases en el mundo griego antiguo. Barcelona: Editorial Critica - Grupo editorial Grijalbo, 1988.

FORTES. Ronaldo Vielmir. As três determinações fundamentais da análise lukacsiana do trabalho: modelo das formas superiores, prioridade ontológica e abstração isoladora crítica da ideia da centralidade do trabalho em Lukács. In: Revista On Line de Filosofia e Ciências Humanas, n. 22. Belo Horizonte, 2016. (Disponível em: www.verinotio.org)

GIANNA. Sergio. Daniel Trabajo social, reflejo e intervención: crítica a la noción de particularidade como centro. In: Revista Temporalis, v. 15, n. 30, ABEPSS, 2015.

GODELIER, Maurice. Sobre el modo de producción asiatico. Barcelona: Martínez Roca, 1969.

HARARI, Yuval Noah. Uma breve história da humanidade. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018.

HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. 21 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1986.

KARL, Marx. O capital: crítica da economia política. V. 1 Tomo 2. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

LEAKEY, Richard e LEWIN, Roger. O povo do lago: o homem: suas origens natureza e futuro. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1996.

LESSA, Sergio. Mundo dos homens: trabalho e ser social, 3. ed. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

LUKÁCS, György. Para a ontologia do ser social. Traduzida por Sergio Lessa e revisada por Mariana Andrade. V. 14, Maceió: Coletivo Veredas, 2018.

____________ Zur Ontologie des gesellchaftlinchen Seins, in Werke, v. 14, Luchterhand Verlag, Frankfurt, 1986.

MARCURSE, Herbert. Ideologia da sociedade industrial. São Paulo: Zahar, 1969.

MARX, Karl. Formações econômicas pré-capitalistas. 6ª ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1964.

PADGUG, Robert. Clases y sociedad en la Grecia clásica. In: AA.VV. El Marxismo y los Estudios Clásicos. 1ª edición 1975. Madrid: Akal Editor, 1981.

SOFRI, Gianni. O modo de produção asiático. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1977.

WILIAMS, Raymond. O povo das montanhas negras: o começo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Downloads

Publicado

2021-04-09

Como Citar

DE ANDRADE, M. A. Lukács: : trabalho, modos de produção e ontologia. Revista de Ciências do Estado, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 1–25, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e25171. Acesso em: 21 jun. 2021.