O Construtivismo Institucional e a Democracia Brasileira

Autores

  • Carlos Sávio G. Teixeira Universidade Federal Fluminense
  • Tiago Medeiros Araújo Instituto Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2021.35659

Palavras-chave:

Democracia, Institucionalidade, Brasil

Resumo

O artigo analisa a relação entre a consciência institucional brasileira e a operação das instituições vigentes no país. A questão é abordada através da identificação de um problema prático: o que pode a democracia brasileira sob a clausura de uma mentalidade institucional limitada ao pretexto da estabilidade ou à fuga da responsabilidade de conceber e desenhar instituições? O percurso do argumento obedece a um desenvolvimento encadeado: i) a indagação a respeito de qual o principal problema da democracia brasileira; ii) O tratamento do tema em sua denotação teórica profunda e filosófica, passando em revista as alternativas de pensamento institucional disponíveis; iii) A observação de como o pensamento social e político brasileiro ordena os desafios institucionais do país e qual vertente deva ser resgatada; iv) E, por último, o retorno ao tema inicial, fechando o ciclo com a indicação de um rumo para a democracia brasileira em sua dimensão institucional, dadas as formas de pensamento existentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Sávio G. Teixeira, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP) e Professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (UFF). ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8877-5537

Tiago Medeiros Araújo, Instituto Federal da Bahia

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Professor de Filosofia do Instituto Federal da Bahia (IFBA). ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8157-4564

Referências

BOBBIO, Norberto. Qual Socialismo? Discussão de uma alternativa. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

HEGEL, G.W.F. Linhas Fundamentais da Filosofia do Direito. São Leopoldo, Ed. Unisinos, 2010.

LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República: uma interpretação. In: FAUSTO, Boris (org.). História geral da civilização brasileira: tomo 3: O Brasil republicano: volume 2. São Paulo, Difel, 1985.

______. Rui Barbosa e a construção institucional da democracia brasileira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999.

MERQUIOR, José Guilherme. Rousseau and Weber: Two Studies in the Theory of Legitimacy. London, Routledge & Kegan Paul Ltd., 1980.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução Crítica à Sociologia Brasileira. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 1995.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo, Duas Cidades, 1978.

SOUZA, Jessé. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2009.

UNGER, Roberto Mangabeira. Depois do Colonialismo Mental: Repensar e reorganizar o Brasil. São Paulo, Autonomia Literária, 2018.

______. Social Theory. Its situation and Its Task. Cambridge, Cambridge University Press, 1987.

______. Plasticity into Power: Comparative-Historical Studies on the Institutional Conditions of Economic and Military Success. Cambridge, Cambridge University Press, 1987b.

VIANNA, Luis Werneck. A Revolução Passiva: Iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro, Revan, 1997.

Downloads

Publicado

2021-08-17 — Atualizado em 2021-08-17

Versões

Como Citar

TEIXEIRA, C. S. G. .; ARAÚJO, T. M. . O Construtivismo Institucional e a Democracia Brasileira. Revista de Ciências do Estado, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 1–20, 2021. DOI: 10.35699/2525-8036.2021.35659. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e35659. Acesso em: 20 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)