A posição dos juristas na divisão do trabalho e suas ilusões em A Ideologia Alemã

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2022.39334

Palavras-chave:

Divisão social do trabalho, Juristas, Vontade, Ilusões

Resumo

A partir das considerações de José Chasin acerca da análise imanente dos objetos, este breve artigo intenta abordar o tratamento dado por Karl Marx e Friedrich Engels aos juristas em sua obra “A Ideologia Alemã”, redigida em 1845-6. Com ênfase na configuração que a divisão do trabalho adquire na sociedade civil-burguesa, demonstra-se como a posição social e a subsequente vida prática dos juristas estão na base das ilusões nas quais os mesmos creem, sobretudo com relação à vontade e suas potencialidades. O artigo encerra suas reflexões com a exposição da perspectiva comunista de como suprimir tais ilusões, não por um combate hipostasiado das mesmas, mas pela supressão das relações materiais que necessariamente as engendram, processo este que corresponde à construção das bases reais para a existência de indivíduos multifacetados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Müller de Jesus Pinheiro Machado, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Direito pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e mestrando em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), sob orientação do Prof. Dr. Vitor Bartoletti Sartori. Investiga no mestrado a crítica marxiana à obra de Ferdinand Lassalle. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2588-591X. Contato: muller_machado@hotmail.com

Referências

CHASIN, José. Marx: Estatuto Ontológico e Resolução Metodológica. São Paulo: Boitempo, 2009.

CHASIN, José. Poder, política e representação. (Três supostos e uma hipótese constituinte). Verinotio revista on-line – n. 15, Ano VIII, abr./2013, ISSN 1981-061X.

ENGELS, Friedrich. Anti-Dühring. São Paulo: Boitempo, 2015.

ENGELS, Friedrich. Ludwig Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã. Trad. Vinícius Matteucci de Andrade Lopes. São Paulo: Hedra, 2020.

ENGELS, Friedrich.. As Guerras Camponesas na Alemanha. São Paulo: Grijalbo, 1977.

HEINRICH, Michael. Karl Marx: e o nascimento da sociedade moderna, São Paulo: Boitempo, 2018.

JONES, Gareth Stedman. Karl Marx. Grandeza e ilusão. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

KOFLER, Leo. Contribuición a la historia de la sociedad burguesa. 2. ed. Trad. Edgardo Albizu. Buenos Aires: Amorrortu editores, 1997.

MARX, Karl. Contribuição à Crítica da Economia Política. Trad. Florestan Fernandes. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, Karl. Crítica à filosofia do Direito de Hegel – Introdução. In: MARX, Karl. Crítica à filosofia do Direito de Hegel. Trad. Rubens Enderle e Leonardo de Deus. 3. Ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. Ideologia alemã. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, Karl. Manifesto Comunista. Trad. Marcus Mazzari. 2. ed. São Paulo: Hedra, 2017.

MARX, Karl. Miséria da filosofia. Trad. José Paulo Netto. São Paulo: Boitempo, 2017.

MARX, Karl. O Capital. Crítica da economia política. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. Para a crítica da economia política. Manuscrito de 1861-63. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MARX, Karl. Sobre a questão judaica. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2010.

SARTORI, Vitor Bartoletti. De Hegel a Marx: da inflexão ontológica à antítese direta. Kriterion, Belo Horizonte, n. 130, 2014.

SARTORI, Vitor Bartoletti. Os juristas nas Teorias do mais-valor. Verinotio, Belo Horizonte, 2020.

Downloads

Publicado

2022-06-24

Como Citar

MACHADO, G. M. de J. P. . A posição dos juristas na divisão do trabalho e suas ilusões em A Ideologia Alemã. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 1–27, 2022. DOI: 10.35699/2525-8036.2022.39334. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e39334. Acesso em: 30 nov. 2022.