Bacharelado em Ciências do Estado

história e destino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2023.46203

Palavras-chave:

Ciências do Estado, Educação jurídica, Brasil, Dialética

Resumo

Este artigo pretende mostrar que a dialética da educação jurídica é a chave de compreensão do Bacharelado em Ciências do Estado. Com efeito, percebe-se uma cisão constitutiva na educação jurídica, a saber, a afirmação do bacharelismo humanista cultivado a partir das escolas de direito do Império do Brasil e sua negação do tecnicismo positivista possibilitado pela política educacional do regime militar de 1964. Apesar dos esforços da redemocratização, ainda não houve a reconciliação entre o bacharel e o técnico em direito na educação jurídica, entretanto, o Bacharelado em Ciências do Estado, ao utilizar-se dos auspícios da interdisciplinaridade e da transversalidade, se revela como uma alternativa para a unidade efetiva dessas dimensões apartadas. Enfim, mostramos que é urgente suprassumir a cisão entre humanismo e tecnicismo para que o Brasil seja capaz de fazer frente aos desafios contemporâneos e futuros. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Pedro Braga de Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais

Bacharel em Ciências do Estado e doutorando em Direito, na área de estudos Filosofia do Estado e Cultura Jurídica, com bolsa CAPES, pela Universidade Federal de Minas Gerais. Editor-Chefe Adjunto da Revista de Ciências do Estado e membro do Conselho Editorial da Astrolabio; Revista Internacional de Filosofia da Universitat de Barcelona. Foi Presidente do Centro Acadêmico de Ciências do Estado (Gestão Raízes, 2019-2020); é membro do Grupo Internacional de Pesquisa em Cultura, História e Estado (UFMG-UB). ORCID:  https://orcid.org/0000-0002-1107-633X. Contato: joaopbc@ufmg.br.  

Referências

ADORNO, Sérgio. Os Aprendizes do Poder: O Bacharelismo Liberal na Política Brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2019.

ALMEIDA, Philippe Oliveira de. A Faculdade de Direito como oficina de utopias: um relato de experiência. Revista da Faculdade de Direito da UFMG, Belo Horizonte, n. 72, pp. 481-511, jan./jun. 2018.

ALMEIDA, Philippe Oliveira de. Crítica da razão antiutópica. São Paulo: Edições Loyola, 2018.

CARDOSO, Paulo Roberto. Diatética cultural: Estado, soberania e defesa cultural. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2016 (Tese, Doutorado em Direito).

CARDOSO, Vicente Licínio. Benjamin Constant, o Fundador da República. In: ROCHA, Hildon. Utopias e realidades da República; da Proclamação de Deodoro à Ditadura de Floriano. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000, p. 135-153.

CARVALHO, José Murilo de. D. Pedro II. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CARVALHO, Orlando M. Caracterização da Teoria Geral do Estado. Belo Horizonte: Kriterion, 1951.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Entrevista com o professor Marcelo Andrade Cattoni de Oliveira. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 160-164, 2016.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade reformada: o golpe de 1964 e a modernização do ensino superior. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade temporã: o ensino superior, da Colônia à Era Vargas. 3.ed. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2012.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado e desenvolvimento do urbano. São Paulo: Global, 2004.

GÓES, Guilherme Sandoval. A reconfiguração da ordem mundial e a judicialização da geopolítica. Intellector (CENEGRI), v. 16, n. 31, p. 59-75, 2019.

GUERRERO, Hermes Vilchez. O Casarão da Praça da República: A Faculdade Livre de Direito de Minas Geraes (1892-1930). Belo Horizonte: Del Rey, 2017.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa. Entrevista com a professora Miracy Barbosa de Sousa Gustin. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 165-174, 2016.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas; em compêndio (1830). 3 v. Trad. Paulo Meneses e José Machado. São Paulo: Loyola, 1995- 7.

HEGEL, G.W.F. Filosofia da História. Trad. Maria Rodrigues. 2 ed. Brasília: EdUnB, 1999.

HORTA, José Luiz Borges. Dialética do Poder Moderador; Ensaio de uma Ontoteleologia do Estado do Brasil. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2020 (Tese, Titularidade em Teoria do Estado).

HORTA, José Luiz Borges. Entrevista com o professor José Luiz Borges Horta. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 175-194, 2016.

HORTA, José Luiz Borges. Interdisciplinaridade, Direito e Estado; memórias da Faculdade de Direito da UFMG. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, UFMG, v. 40, p. 193-217, 2012.

HORTA, José Luiz Borges. Neosocialismo e Ciências do Estado. Belo Horizonte: 2008. (Manuscrito).

HORTA, José Luiz Borges. Ratio juris, ratio potestatis: breve abordagem da missão e das perspectivas acadêmicas da Filosofia do Direito e do Estado. In: HORTA, José Luiz Borges. Ensaios de educação jurídica. Belo Horizonte: Pergamum, 2012.

HORTA, José Luiz Borges. Urgência e emergência do constitucionalismo estratégico. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais, v. 23, p. 783-806, 2012.

HUNTINGTON, Samuel P. El choque de civilizaciones y la reconfiguración del orden mundial. Trad. José Pedro Tosaus Abadia. Barcelona: Paidós, 1997.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: IMAGO Editora, 1976.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o pensamento político do Marquês de Caravelas (1821-1836). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MARTINS, Luís. O patriarca e o bacharel. São Paulo: Alameda, 2008.

MAYOS SOLSONA, Gonçal. Macrofilosofía, las “dos culturas” y la era de la postdisciplinariedad. In: MAYOS SOLSONA, Gonçal; CARDOSO, Renato César; HENRIQUE JÚNIOR, Moacir (Org.). Interdisciplinaridade e Interconstitucionalidade 2. Uberlândia: LAECC, 2019.

MAYOS, Gonçal. Ilustración y Romanticismo; Introducción a la polémica entre Kant y Herder. Barcelona: Herder Editorial, 2004.

MORAES, Alfredo de Oliveira. A Metafísica do Conceito; sobre o problema do conhecimento de Deus na Enciclopédia das Ciências Filosóficas de Hegel. Porto Alegre: EdPUCRS, 2003.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

NABUCO, Joaquim. Um estadista do Império: Nabuco de Araújo: sua vida, suas opiniões, sua época, por seu filho Joaquim Nabuco (Tomo 1). Rio de Janeiro: H. Garnier, 1897.

REALE, Miguel. Teoria do direito e do Estado. São Paulo, Saraiva, 2000.

REALE, Miguel. Teoria tridimensional do direito. São Paulo: Saraiva, 1994.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Global, 2015.

RIBEIRO, Darcy. Universidade, para quê?. In: RIBEIRO, Darcy. Educação como prioridade. São Paulo: Global, 2018.

SALGADO, Joaquim Carlos. Estado Ético e Estado poiético. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 27, n. 2, abr./jun., p. 37-68, 1998.

SALGADO, Joaquim Carlos. Memória da Criação do Curso de Ciências do Estado da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: 2020. (Manuscrito).

SIMÕES NETO, Francisco Teotonio. Os Bacharéis na Política — A Política dos Bacharéis. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1983 (Tese, Doutorado em Ciência Política), P. 18.

SNOW, C. P. As Duas Culturas e uma Segunda Leitura. Trad. Geraldo Gerson de Souza, Renato de Azevedo Rezende Neto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

TEIXEIRA, Anísio Spinola. Educação é um direito. São Paulo: Editora Nacional, 1967.

VARGAS, João Protásio Farias Domingues de. Ciências do Estado: Resistir e Consolidar - Um estudo sobre o Bacharelado em Ciências do Estado da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora Expert, 2021.

VARGAS, João Protásio Farias Domingues de. Resistir e Consolidar: um estudo sobre o Bacharelado em Ciências do Estado da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2017 (Dissertação, Mestrado em Direito).

VENANCIO FILHO, Alberto. Das arcadas ao bacharelismo: 150 anos de ensino jurídico no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2011.

Downloads

Publicado

30-06-2023

Como Citar

CARVALHO, J. P. B. de. Bacharelado em Ciências do Estado: história e destino. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 8, n. 1, p. 1–40, 2023. DOI: 10.35699/2525-8036.2023.46203. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e46203. Acesso em: 23 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>