O aparente paradoxo democrático

reflexões entre a lucidez e a cegueira do ódio à democracia

Autores

  • Ana Martina Baron Engerroff Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luana Do Roccio Taborda Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5098

Palavras-chave:

Democracia, Ensaio sobre a Lucidez, Ódio à democracia

Resumo

Neste artigo propomo-nos discutir a polissemia da democracia, uma vez que a expressão tem sido utilizada indiscriminadamente para justificar argumentos e ações que, a princípio, não seriam do cerne democrático. Tomando como mote o “Ensaio sobre a Lucidez” de José Saramago (2005), levantamos a questão do aparente paradoxo da democracia: bradada como o símbolo de soberania popular, esta soberania está longe de ser efetivada, servindo-se do regime político para poucos. A partir da apresentação da obra literária, é possível, primeiro, apresentar o argumento do paradoxo para, no segundo ponto, iluminar a reflexão demonstrando que este paradoxo é, na verdade, somente aparente, porque o que está em jogo não é a democracia em si, mas é o ódio a ela, conforme apresentado por Jacques Rancière (2014).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Martina Baron Engerroff, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina–Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Licenciada em Ciências Sociais pela mesma universidade. Graduada em Direito pela Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina. Bolsista CAPES. Contato: anambaron@hotmail.com. http://orcid.org/0000-0002-3957-0428

Luana Do Roccio Taborda, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina.Graduada e licenciada em Ciências Sociais pela mesma universidade.-Bolsista CAPES. Contato: luanadorocio@gmail.com. http://orcid.org/0000-0002-1712-1963.    

Referências

DAHL, Robert. Democria e seuscríticos. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

DOWNS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: EDUSP, 1999.

FREITAS, Jânio. Democracia sem representantes reais da maioria não é democracia. Folha de São Paulo. 06 de outubro de 2016. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/colunas/janiodefreitas/2016/10/1820290-democracia-sem-representantes-reais-da-maioria-nao-e-democracia.shtml>. Acesso em junho de 2017.

G1. Saiba o que os senadores disseram na votação do relatório do impeachment. Globo, 09 de agosto de 2016a. Disponível em: <http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/08/saiba-o-que-os-senadores-disseram-na-votacao-do-relatorio-do-impeachment.html>. Acesso em junho de 2017.

G1. Comissãodo impeachment de Dilma: frases dos deputados sobre o parecer.Globo, 08 de abril 2016b. Disponível em: <http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/04/comissao-do-impeachment-de-dilma-frases-dos-deputados-sobre-o-parecer.html>. Acesso em junho de 2017.

HABERMAS, Jürgen. Três modelos normativos de democracia. Lua Nova. n.36, pp.39-53. 1995.

MIGUEL, Luís Felipe. Democracia e representação: territórios em disputa. S. Paulo: Ed. UNESP e Brasília: CNPq, 2014.

MIGUEL, Luis Felipe. Dossiê Mídia e Política. Revista Sociologia Política, Curitiba, 22, p. 7-12, jun. 2004. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/rsp/issue/view/382> Acesso em janeiro de 2017.

MIGUEL, Luis Felipe. O colapso da democracia no Brasil. Blog da Boitempo. Postado em 06/05/2016. Disponível em: <https://blogdaboitempo.com.br/2016/05/06/o-colapso-da-democracia-no-brasil/>. Acesso em janeiro de 2017.

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política e Sociedade: revista de SociologiaPo-lítica, Florianópolis, UFSC, v.1, n.3, 2003.

LACLAU, Ernesto & MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo, Intermeios, 2015.

PLATÃO. A república. São Paulo: Martin Claret, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. A falácia democrática. CARTA, Gianni. Entrevista. Carta Capital, 29/09/2014. (2014b)

SCHUMPETER, Joseph A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio: Zahar. 1984.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira.São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a lucidez.São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SARAMAGO, José. Fala pública.Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=m1nePkQAM4w>. Último acesso em junho de 2017.

SILVA, Denisson et al. Teoria democrática contemporânea modelo democrático competitivo e modelo democrático popular. Em Tese, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 1-27, maio 2013.

TOCQUEVILLE, Alexis. A democracia na América.Leis e Costumes. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

WOOD, Ellen M.: Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico, S. Paulo: Boitempo, 2003.

Downloads

Publicado

19-07-2018

Como Citar

ENGERROFF, A. M. B.; TABORDA, L. D. R. O aparente paradoxo democrático: reflexões entre a lucidez e a cegueira do ódio à democracia. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 313–334, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5098. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5098. Acesso em: 26 fev. 2024.