GOVERNANÇA MUNICIPAL NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

CRISE, DESAFIOS E POSSIBILIDADES

Autores

  • Rafael Lara Mazoni Andrade Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5103

Resumo

LANÇA, Daniel Perrelli. Governança municipal: 20 cases de sucesso da nova gestão pública nas cidades brasileiras. 1ed. Belo Horizonte: Editora Instituto para o Desenvolvimento Democrático, 2017.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Lara Mazoni Andrade, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Administração Pública e Geografia, Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais UFMG ; rafaelmazoni13@gmail.comresenha    

Referências

ABRUCIO, F. L. Os avanços e os dilemas do modelo pós-burocrático: a reforma da administração pública à luz da experiência internacional recente. In: BRESSER PEREIRA, L. C.; SPINK, P. (Org.) Reforma do Estado e Administração Pública gerencial. 7. ed. Rio deJaneiro: Editora FGV, 2006. pp. 173-99

AMM –ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE MUNICÍPIOS. Crise nos municípios: prefeituras de Minas param por você. Belo Horizonte: AMM, 2015. 19 p.

ARAÚJO, P. G. Análise da aplicabilidade do Modelo Gerencial na administração pública. Dissertação (Mestrado) –UFLA. Lavras, UFLA, 2011. 151 p.

AZEVEDO, S.; ANASTASIA, F. Governança, “accountability” e responsividade. Revista de Economia Política. Vol. 22, n. 1 (85), jan/mar, 2002.

BEHN, Robert D. O novo paradigma da gestão pública e a busca da accountability democrática .Revista do Serviço Público, Ano 49, Número 4, Out-Dez 1998. Disponível em: <http://seer.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/399/524> Acesso em 17 out 2016.

BRASIL, F. P. D.; CARNEIRO, R.; MAZONI ANDRADE, R. L. Políticas urbano-ambientales y de vivienda de interés social en Brasil: marco legal y relaciones intergubernamentales. In: MIRANDA, Alejandro A. P. Aguilar; RUÍZ, Joel Mendoza; GRIN, Eduardo José; ESPINOZA, Roberto Moreno. (Org.). Federalismo y relaciones intergubernamentales em México y Brasil.Cidade do México: Fontamara, 2017. pp. 379-406.

CARNEIRO, R.; MENICUCCI, T. M. G. Gestão pública no século XXI: as reformas pendentes. Brasília, IPEA, 2011. (Texto para Discussão n. 1686).

CHRISTENSEN, T.; LAEGREID, P. Governance and administrative reforms. In: LEVI-FAUR, D. (Ed.). The Oxford Handbook of governance. Oxford: Oxford University Press, 2012. p. 255-267.

DUNLEAVY, P.; MARGETTS, H.; BASTOW, S.; TINKLER, J. New Public Management is dead –long live digital-era governance. Journal of Public Administration Research and Theory,Oxford, v. 16, p. 467-493, 2005.

HOOD, C.; PETERS, G. The middle aging of New Public Management: into the Age of Paradox. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 14, n. 3, p. 267-282, 2004.

KETTL, D. F. A revolução global: reforma da administração do setor público. In: BRESSER PEREIRA, L. C.; SPINK, P. Reforma do Estadoe administração pública gerencial. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006. pp. 75-121

LUCAS, L. P. V. Qualicidades: poder local e qualidade na Administração Pública. Rio de Janeiro: Qualitymarket, 2006. 215 p.

MERTON, Robert. Estrutura burocrática e personalidade. In: ETZIONI, Amitai (Org.) Organizações complexas. São Paulo: Atlas, 1971. pp. 57-69

MOKATE, K. M. Convertiendo el “monstruo” en aliado: la evaluación como herramienta de la gerencia social. Revista do Serviço Público. Brasília, ano 53, n. 1, jan-mar2002, pp. 89-134. El Monitoreo y Evaluación en la gerencia para resultados en el desarrollo. In: VERA, M. (editor). Evaluación para el desarrollo social: aportes para un debate abierto en América Latina. Guatemala: MagnaTerra, 2006. pp. 21-52

PINTO, M. B. F.; GONÇALVES, M. F. R.; NEVES, M. G. R. Pensando a autonomia municipal: dilemas e perspectivas. Revista de Administração Municipal. 48, n. 244. 2003. pp. 1-8

PINTO, G. J. Município, descentralização e democratização do governo. Caminhos de Geografia. a. 3, n. 6, Jun/2002. Disponível em: < http://www.plataformademocratica.org/Publicacoes/10538.pdf> Acesso em 4 maio 2016.

POLLITT, C.; BOUCKAERT, G. Public management reform: a comparative analysis. New York: Oxford University Press, 2004.

REZENDE, J. B.; LEITE, E. T.; SILVA, L. A. N. Análise daeconomia e finanças dos municípios brasileiros de pequeno porte:autonomia ou dependência? In: DERZI, M. A. M.; BATISTAJÚNIOR, O. A.; MOREIRA, A. M. (Orgs.). Estado federal etributação: das origens à crise atual. Vol. 1. Belo Horizonte: ArraesEditores, 2015. Vol. 1, p. 199-222. (Coleção Estado federal e tributação. 4volumes). Administração pública em municípios de pequeno porte do Sul de Minas Gerais: velhasquestões, modernas leis e práticas patrimonialistas. 241 p. Tese (doutoramento em Administração) -Universidade Federal de Lavras. Lavras, 2011. Disponível em:<http://repositorio.ufla.br/bitstream/1/2976/1/TESE_Administração%20pública%20em%20munic%C3%ADpios%20de%20pequeno%20porte%20do%20Sul%20de%20Minas%20Gerais.pdf> Acesso em 29 abr. 2016.

VELOSO, J. F. A.; MONASTERIO, L. M.; VIEIRA, R. S.; MIRANDA, R. B. (orgs.). Gestão municipal no Brasil: um retrato das prefeituras. Brasília: IPEA, 2011. 303 p.VERA, M. Uso de la información generada por la evaluación de programas sociales. In: VERA, M. (editor). Evaluación para el desarrollo social: aportes para un debate abierto en América Latina. Guatemala: MagnaTerra, 2006. pp. 157-188

VERAS, C. VERAS,F. Desenvolvimento local: riqueza, felicidade e a atuação do prefeito. In: ASSOCIAÇÃO MINEIRO DE MUNICÍPIOS. Os grandes desafios dos prefeitos. Belo Horizonte: AMM, 2013. pp. 49-65.v3.n1 JAN-JUL.2018

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

ANDRADE, R. L. M. GOVERNANÇA MUNICIPAL NO BRASIL CONTEMPORÂNEO : CRISE, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 12–24, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5103. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5103. Acesso em: 1 jul. 2022.