Das Execuções Sumárias Cometidas Pelos Agentes Públicos

Um Estudo da Violência Policial e Seletividade no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5118

Palavras-chave:

Racismo, Seletividade do sistema penal, Autos de resistência

Resumo

 A presente pesquisa tem por escopo analisar o perfil preferencial das vítimas de execuções sumárias cometidas por agentes do Estado, as razões dessa seletividade, por quais meios essa violência se efetiva, qual a legislação que dá aporte a tal comportamento e a verificação se existe ou não políticas públicas ou legislação para prevenir essa violência. Por meio da leitura de livros, teses, artigos e análise de dados, foi possível constatar que a polícia brasileira age de modo seletivo cotidianamente, gerando uma discrepância entre o número de negros e brancos vítimas da atuação policial. Essa seletividade é historicamente construída pelo Estado brasileiro, a partir da fabricação da imagem do negro como delinquente, enraizando nas instituições de Estado um racismo institucional. Esse racismo institucional e o estereótipo do negro como delinquente acabam por nortear a atuação das polícias, que amparado pelos autos de resistência, instituto que encontra o seu fundamento legal no artigo 292 do Código de Processo Penal. Embora os autos de resistência não sejam a causa da violência policial, são ferramentas importantes para que o Estado seja isentado de responsabilidade pelas mortes cometidas por seus agentes, uma vez que culpabilizam a vítima e revestem de legalidade a atuação policial. Por isso, sua supressão, por meio de um dos dois projetos de lei que aguardam votação na câmara dos deputados (no 4.471/2012 e no 5.124/2016) é emergente, de modo a mitigar o número de pessoas mortas pelas polícias e para que haja responsabilização do Estado e seus agentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Rocha Moço, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade de Mogi das Cruzes e graduando em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (10º semestre).

Referências

ADORNO, Sérgio. Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo. In: Novos estudos CEBRAP. São Paulo: Novembro, n. 43, 1995.

ANISTIA INTERNACIONAL. Você matou meu filho. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em <https://anistia.org.br/wp-content/uploads/2015/07/Voce-matou-meu-filho_Anistia-Internacional-2015.pdf>. Acesso em: 21dez. 2016.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio. 1948. Disponível em <http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/genocidio/conv48.htm>. Acesso em: 22 dez. 2016.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Doc. A/HRC/31/57/Add.4:Report of the special rappourter on torture and other cruel, inhuman or degrading treatment or punishment on his mission to Brazil. 2016. Disponível em <http://ap.ohchr.org/documents/dpage_e.aspx?si=A/HRC/31/57/Add.4>. Acesso em: 21 dez. 2016.

BARROS, Geová da Silva. Filtragem racial:A cor na seleção do suspeito. Revista brasileira de segurança pública, ano 2, n. 3, p. 134-155, jul./ago. 2008.

BRASIL. Código de processo penal. Decreto-Lei nº 3.689 de 03 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3689.htm>. Acesso em: 20 dez. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 05 jan. 2017.

BRASIL. Mensagem nº 326 de 2016, de iniciativa do poder executivo. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1467833&filename=MSC+326/2016+%3D%3E+PL+5124/2016>. Acesso em: 21 dez. 2016.

BRASIL. Projeto de lei da câmara nº 4.471 de 2012, de iniciativa do deputado federal Paulo Teixeira. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=D3026047D5267AE116114E6BB836223222C5C6.proposicoesWebExterno1?codteor=1027001&filename=PL+4471/2012>. Acesso em: 21 dez. 2016.

BRASIL. Projeto de lei da câmara nº 5.124 de 2016, de iniciativa do poder executivo. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1453503&filename=PL+5124/2016>. Acesso em: 21 dez. 2016.

BRASIL. Resolução Conjunta nº 2, de 13 de outubro de 2015. Dispõe sobre os procedimentos internos a serem adotados pelas polícias judiciárias em face de ocorrência sem que haja resultado lesão corporal ou morte decorrentes de oposição à intervenção policial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4 jan. 2016. Seção I. Disponível em <http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jspdata=04/01/2016&jornal=1&pagina=8&totalArquivos=40>. Acesso em: 22 dez. 2016.

CAMPOS, Ricardo Ribeiro. O genocídio e a sua punição pelos tribunais internacionais. In: Revista de Informação Legislativa, v. 178, p. 91-103, 2008.

ESCRITÓRIO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DROGAS E CRIME. Global study on homicide. Vienna, 2013. Disponível em <http://www.unodc.org/documents/gsh/pdfs/2014_GLOBAL_HOMICIDE_BOOK_web.pdf>. Acesso em: 19 dez. 2016.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. 5ª ed. São Paulo: Editora Globo,2008.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão:O sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. 2006. Dissertação (mestrado emdireito) -Universidade de Brasília. Disponível em <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/5117/1/2006_AnaLuizaPinheiroFlauzina.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2016.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública 2016. São Paulo, 2016. Disponível em <http://www.forumseguranca.org.br/produtos/anuario-brasileiro-de-seguranca-publica/10o-anuario-brasileiro-de-seguranca-publica>. Acesso em: 21 dez. 2016.

HUMAN RIGHTS WATCH. Lethal force–Police violence and public security in Rio de Janeiro and São Paulo. New York, 2009. Disponível em <https://www.hrw.org/sites/default/files/reports/brazil1209webwcover.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. A aplicação de penas e medidas alternativas. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em <http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/150325_relatorio_aplicacao_penas.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2016.

MISSE, Michel. Autos de resistência:Uma análise dos homicídios cometidos por policiais na cidade do Rio de Janeiro (2001 -2011). 2011. Pesquisa do Núcleo de estudos da cidadania, conflito e violência urbana da

Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: <http://www.pm.es.gov.br/download/policiainterativa/PesquisaAutoResistencia.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2016.

OSORIO, Rafael Guerreiro.O sistema classificatório de “cor ou raça” do IBGE. Brasília, 2003. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_0996.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2017.

SANTOS, Tiago Vinicius André dos.Racismo institucional e violação de direitos humanos no sistema da segurança pública: um estudo a partir do Estatuto da Igualdade Racial. 2012. Dissertação (mestrado em diretos humanos) -Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, 2012. Disponível em <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2140/tde-16052013-133222/pt-br.php>. Acesso em: 22 dez. 2016.

SENADO FEDERAL. Relatório final da comissão parlamentar de inquérito do assassinato de jovens. 2016. Disponível em <http://www12.senado.leg.br/noticias/arquivos/2016/06/08/veja-a-integra-do-relatorio-da-cpi-do-assassinato-de-jovens>. Acesso em: 21 dez. 2016.

SINHORETTO, Jacqueline; SILVESTRE, Giane; SCHLITTLER, Maria Carolina. Desigualdade racial e segurança pública em São Paulo:Letalidade policial e prisões em flagrante. Departamento de Sociologia da Universidade de São Carlos. Disponível em: <http://www.ufscar.br/gevac/wp-content/uploads/Sum%C3%A1rio-Executivo_FINAL_01.04.2014.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2016.

SOUZA, Taiguara Libano Soares. Constituição, segurança pública e estado de exceção permanente: A biopolítica dos autos de resistência. 2010. Dissertação (mestrado em direito) –Departamento de direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2010. Disponível em <http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=18771@1>. Acesso em: 22 dez. 2016.

ZAFFARONI, Eugênio Raul, BATISTA, Nilo, ALAGIA, Alejandro, SLOKAR, Alejandro. Direito Penal Brasileiro:primeiro volume -Teoria Geral do Direito Penal, 2ª ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas:A perda de legitimidade do sistema penal. 5ª ed. Tradução por Vânia Romano Pedrosa e Amir Lopez da Conceição. Rio de Janeiro: Revan, 2001

Downloads

Publicado

2018-10-05

Como Citar

MOÇO, V. R. Das Execuções Sumárias Cometidas Pelos Agentes Públicos: Um Estudo da Violência Policial e Seletividade no Brasil. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 96–116, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5118. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5118. Acesso em: 10 ago. 2022.