ANDAR, DANÇAR, MEDITAR

PERFORMANCE COMO PRÁTICA ESPIRITUAL

Autores

  • Gilson Motta Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil
  • Tania Alice Universidade Federal do Rio de Janeiro (UNIRIO), Brasil

Palavras-chave:

Meditação, Performance, Budismo.

Resumo

O texto discute a performance como prática espiritual, considerando o entrelaçamento de ética, estética, espiritualidade e política. Tomando como base o conceito de performances itinerantes e sua relação com as práticas de meditação em movimento presente nas práticas budistas, o texto focaliza-se em dois projetos realizados pelos autores: Audioética itinerante, de Gilson Motta e Dança livre para todos, de Tania Alice.

Biografia do Autor

Gilson Motta, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil

Artista cênico. Doutor em Filosofia. Professor do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena (PPGAC) da Escola de Comunicação da UFRJ. Gilson Moraes Motta.

Tania Alice, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UNIRIO), Brasil

Performer. Doutora em criação contemporânea pela Universidade de Aix-Marseille (França), ela é professora de performance da graduação e da pós-graduação de Artes Cênicas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
(Unirio).

Referências

ARDENNE, Paul. Un art contextuel. Paris: Flammarion, 2002.

ANSEY, Pierre. Spinoza peut nous sauver la vie. Charleroi: ASBL, 2011.

BENJAMIN, Walter. Paris do Segundo Império. In: Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Obras escolhidas III. São Paulo: Brasiliense, 2000.

BEY, Hakim. Zona Autônoma Temporária. São Paulo: Editora Conrad, 2001.

BERENSTEIN, Paola Jacques. Apologia da deriva. Escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

BOFF, Leonardo.A Águia e a Galinha – uma metáfora da condição humana, Petrópolis, Editora Vozes, 1997.

CARERI, Francesco. Walkscapes. O caminhar como prática estética. São Paulo, Editora G. Guilli, 2013.

COVERLEY, Merlin. A arte de caminhar. O escritor como caminhante. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

DAVILA, Thierry. Marcher, créer. Déplacements, flâneries, dérives dans l'art de la fin du XXe siècle. Paris: Éditions du Regard, 2002.

DROLMA, Shenpen, Lama. Para abrir o coração: treinamento para a paz de Chagdud Rinpoche. Três Coroas: Makara, 2011.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GROS, Frédéric. Caminhar, uma filosofia. São Paulo: É Realizações Editora, 2010.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

HANH, Thich Nhat. Felicidade: Práticas essenciais para uma consciência plena. Petropolis: Editora Vozes, 2014.

LEMOINE, Stéphanie. OUARDI, Samira. Artivisme: Art, action politique et résistance culturelle. Paris: Éditions Alternatives, 2010.

PATRUL, Rinpoche. As palavras do meu professor perfeito: um guia para as preliminares da essência do coração vasto da grande perfeição. Porto Alegre: Makara, 2008.

QUILICI, Cassiano. “O campo expandido: Arte como ato filosófico”, Revista Sala Preta, PPGAC-USP. São Paulo: USP, n. 14, Vol. 2, 2014.

RINCHEN, Geshe Sonan. As seis perfeições: como atingir o bem-estar supremo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ROTH, Gabrielle. Os ritmos da alma: o movimento como prática espiritual. São Paulo: Cultrix, 2005.

SOLNIT, Rebecca. A história do caminhar. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

VISCONTI, Jacopo Crivelli. Novas derivas. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

Downloads

Publicado

2018-05-27

Como Citar

MOTTA, G.; ALICE, T. ANDAR, DANÇAR, MEDITAR: PERFORMANCE COMO PRÁTICA ESPIRITUAL. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, p. 314–331, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15623. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê